Arquivo da tag: autoestima

Dormir com cão na cama ajuda na autoestima, mas tem seus perigos

cachorroHá quem simplesmente ame. Do mesmo modo, existe ainda quem torça o nariz. Mas a verdade é que dormir com o cão na cama é mais comum do que muita gente imagina. Para se ter uma ideia, uma pesquisa divulgada em março de 2016 pela empresa DogHero revelou que três em cada quatro cachorros têm o costume de dormir com seus tutores.  Do total de pessoas que permitem que os animais tenham esse hábito, 43% deixam que ele se repita com frequência. Na ocasião, o levantamento foi feito pela internet com 5 mil pessoas.

Mas por que será que tanta gente tem deixado que o companheiro de aventuras esteja tão pertinho também na hora de dormir? Claro que ficar aninhado com o bichinho que a gente tanto ama é muito gostosinho, mas será que os benefícios param por aí? Fomos conferir.

Fontes: Ana Maria Martins Serra, PHD em psicologia e terapeuta cognitiva comportamental pelo Institute of Psychiatry da Universidade de Londres, diretora clínica e pedagógica do ITC e membro da Sociedade Brasileira de Psicologia e Arnaldo Lichtenstein, médico clínico geral do Hospital das Clínicas e professor colaborador do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da USP

Os cães reduzem nossas carências
Pessoas que vivem sozinhas, ou mesmo que vivam com familaires e ainda assim sintam carência afetiva, podem ter na companhia dos animais na cama um modo de espantar a solidão, se sentirem bem acompanhadas e recebendo afeto.

Dormir com o cachorro alivia a depressão
Quando a pessoa se sente deprimida, independentemente da razão,  dormir com o cão pode fazer com que ela se sinta mais compensada e, desse modo, os sintomas de depressão se aliviam um pouco.

A presença do animal reduz a ansiedade
A ansiedade é um estado emocional resultante da ideia de vulnerabilidade frente ao real. No caso de pessoas que superestimam ameaças, por exemplo, de um ladrão entrar durante a noite ou de se sentir mal, a presença de um cachorro na cama durante ajuda a reduzir a sensação de ansiedade.

Ter o cão na cama pode simplesmente fazer a pessoa mais feliz
É preciso ressaltar que nem todas as vezes que se decide ter um cãozinho na cama é por um motivo patológico. O simples fato de que as pessoas amam animais e partilhar tudo com eles as deixam mais felizes já é um fator importante na decisão de dividir os lençóis.
Cuidados a serem tomados
Certifique-se de que não tem alergias
O pelo do cachorro, normalmente, desencadeia reações alérgicas respiratórias como rinite e asma. Por esse motivo, dormir com o cachorro não é recomendado pelos médicos para pessoas que tenham alergias. A boa notícia é que existe uma pesquisa https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3737566/ conduzida por Ganesa Wegienka, do Henry Ford Hospital, que revela que a exposição de crianças a animais de estimação no primeiro ano de vida reduz pela metade as chances de desenvolvimento de alergias respiratórias.

Cuidado com as lambidas
A boca de um cachorro pode estar cheia de bactérias, assim como a dos humanos. A questão é que cada um dos indivíduos já está habituado com as próprias colônias, mas não com a do outro. Isso significa que não é impossível que a pessoa possa vir a ter uma diarreia caso tome uma lambida do cão enquanto dorme ou uma infecção se a saliva do animal entrar em contato com um corte, por exemplo.

As patas precisam estar limpas
Claro que se o animal só vive dentro de casa, o risco de doenças é menor. No entanto, se ele sai para passeios na rua, é importante lavar bem as patas e secá-las adequadamente antes de deixar que o cachorro pule sobre a cama.

Observe se o animal está feliz com a nova cama
Alguns cães têm hábitos noturnos e “precisam” manter o estado de alerta durante a noite. Portanto, dividir a cama com esses animais seria como privá-los de uma condição natural e do espaço de que precisam.

Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Brejo desponta com produtos e serviços que desenvolvem a economia e autoestima da PB

artesanatoNão importa se a Paraíba é conhecida como terra quente, de sol e calor o ano todo, em algumas regiões, o frio também dá o ar de sua graça e desenvolve no povo e na economia um jeito diferente de receber e de produtos típicos para oferecer. Um destes produtos é o Caminhos do Frio, um projeto cultural e econômico que aquece a economia da região brejeira da paraíba entre os meses de julho e agosto.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Uma das cidades que consegue há oito anos participar com desevolvimento de produtos e serviços aos residentes e turistas é Pilões. Com o apoio do Sebrae, vários empreendedores têm despertado para os potenciais locais e da boa vontade do seu povo de aprender coisas novas e assim dar a quem procura um turismo de experiência que faz com que quem visite não esqueça a vivência e queira cada vez mais o produto oferecido.

O sucesso de alguns empreendimentos é notável e a divulgação profissional e boca a boca tem deixado vários micro e pequenos empresários bem atarefados, movimentando e diversificando a economia local da região.

Em Pilões, um dos engenhos que mais se destaca é o Olho DÁgua. Com sua cachaça temperada por três meses em 12 ervas, rapadura e um colhe e pague com flores tropicais, o local é um convite para os sentidos.

 

Os proprietários oferecem ainda, caso seja agendado, um passeio inesquecível com clima de volta no tempo, num jantar no memorial da cachaça, com tochas, lamparinas e um founde de queijo de coalho a noite ao som do sax, ou um rubacão no almoço. Além do colhe e pague, onde você pode colher as flores tropicais para um arranjo que o cliente mesmo faz e leva para casa. Um turismo de experiência completo. Um resgate das tradições para que o turista e o morador local conheça um pouco mais do passado do local.

Dois grupos de mulheres também chamam a atenção com sua forma de receber e os produtos oferecidos. O Grupo Flores para Sempre faz o Chá na varanda que com uma bela vista pode ser tomado um café, suco com bolos e tapiocas, um local para relaxar e curtir. Além disso, no local são feitas flores de tecido e outros artigos de artesanato que encantam pelos detalhes e aproveitamento de tecido de uma maneira sustentável. As mulheres envolvidas tiveram sua autoestima estimulada porque antes trabalhavam apenas com plantio e cultivo de cana de açúcar e hoje, podem além de ter uma renda a mais, receber os elogios dos turistas que apreciam seus produtos e seus serviços feitos com carinho e cuidado, de sabor maravilhoso.

Outro grupo é o das Mulheres em Ação que ficam trabalhando num assentamento rural em Pilões. Para chegar lá, o turista entra num caminho cheio de expectativas, verde e plantações locais de cana de açúcar, bananas e mandiocas.

As 12 mulheres recebem muito bem os visitantes com seus quitutes e histórias de vida, de superação e autoestima que foi elevada depois do empreendimento que desenvolve os dotes culinarários e artesanais das envolvidas que nem sabiam que podiam aprender cada vez mais e empreender, ganhando dinheiro fazendo coisas que adoram fazer.

No local também funciona uma casa de farinha que ainda produz farinha de mandioca e goma para a culinária. Num salão são realizados cafés especiais e chás da tarde que podem ser agendados para os turistas e moradores que desejarem conhecer um pouco mais da cultura rural e seus produtos culturais e gastronômicos.

Uma visita rica de cultura e alimentação nutritiva cheia de novidades como o petisco feito da casca da mandioca frita no azeite, além das macaxeiras fritas em formato chips, e as tradicionais comidas de milho e tapioca. Um local para apreciar vários aspectos sensoriais.

Um destaque especial ficou por conta de uma propriedade rural, Engenho Várzea do Coaty que apesar de ser em Areia, tem servido como local de encontro de moradores desta cidade e de Pilões e região, além dos turistas que chegam nestas cidades e proximidades. O Local é uma sede de engenho que foi construida em 1920 e até hoje funciona, não mais como outrora, com sua casa de farinha e budega, mas com um espaço para receber pessoas para uma boa refeição, ao som de música e visita a Casa Grande, uma viagem no tempo.

A casa, com arquitetura influenciada por um engenheiro inglês, foi a primeira na região a utilizar cimento na construção, importado da Inglaterra. Na época usava-se cal e óleo de baleia para concretar as paredes. Sua disposição é bem diferente das casas tradicionais, pois não tem corredor e os quartos são interligados. Salas grandes e varandas, além de uma cozinha e copa, ainda guardam os móveis antigos, feitos de madeira de lei. Um local imperdível de conhecer e apreciar. Ainda tem um pesque pague para os visitantes se divertirem e venda de queijos e rapadura.

A representante do Sebrae, Regina Amorin destacou que os projetos de experiência e produto turístico desenvolvido pelos empreendedores de Pilões e Areia visam potencializar desde 2006 o que o Brejo tem para mostrar tanto em produtos culinários, como receptividade rural, aconchegante e artesanal. ” Viemos inovar e resgatar o produto local, são pessoas simples sempre prontas para aprender e se desenvolver. Estão felizes com os resultados e querem crescer cada vez mais, aumentando a renda e a auto estima destas mulheres empreendedoras e demais envolvidos. Uma valorização e resgate cultural para fazer todos felizes”, destacou Regina.

Vanessa de Melo

PB Agora

Veja quais as formas de melhorar sua autoestima

Foto: Getty Images
Foto: Getty Images

Muito se fala de autoestima e pouco se sabe como, de fato, aumentá-la. A autoestima envolve crenças e emoções. O que você pensa sobre você mesmo? O que deseja para você? Como desejaria ser? E como seria se você fosse exatamente como deseja ser? Pense agora como você se sente a respeito disso. Essas e outras perguntas geram pensamentos que criam sentimentos bons ou ruins. Como exatamente você se avalia? Como se julga? Como pensa sobre si mesmo? A forma como cada pessoa pensa sobre si determina o resultado de uma baixa ou alta autoestima. E como você se sente em relação a você mesmo? Quais são seus sentimentos sobre você?

A autoestima também está ligada a características pessoais da personalidade e ser algo permanente ou temporário. Podem ser traços marcantes de como a pessoa se porta, de como ela lida com os próprios sentimentos e com os estímulos externos da vida cotidiana. E também podem ser condições psicológicas momentâneas, um estado específico mediante um fato ocorrido.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Ainda dentro da autoestima podemos pensar sobre três pontos:

  • autoimagem – a imagem estética de si próprio
  • autoaceitação – aceitar plenamente a si mesmo com as qualidades e os defeitos. Isso não quer dizer não poder mudar ou não detectar pontos a serem melhorados, é justamente ser capaz de olhar para si mesmo e conseguir aceitar quem se é e buscar sempre o caminho da melhoria continua. Viver é aprender, praticar e mudar quando for preciso
  • autoconfiança – confiar em si próprio, sendo capaz de manter quem se é, de poder mudar quando e se for preciso, de atingir os objetivos desejados. Está também ligado ao poder de desejar aquilo que se pode alcançar, mais cedo ou mais tarde, sendo capaz de sonhar e almejar o que se pode ter.

Pessoas com baixa autoestima têm mais dificuldade em buscar novas ações para a criação de mudanças do que outras pessoas. Quando aspectos negativos são percebidos em suas vidas, quem sofre com a baixa autoestima não consegue achar solução e só vê problemas. Isso acontece justamente porque a pessoa não é capaz de confiar em si próprio para a mudança. E também não se sente capaz de enxergar novas possibilidades de comportamento que possam levar a solução.

De modo geral, quem tem autoestima numa parte da vida, costuma ter em outras, mas isso não é uma regra universal. Por isso, é importante lembrar que o conceito de autoestima deve ser entendido por partes. Nem todas as pessoas não são iguais nos diversos setores da vida. Há quem seja capaz de lidar muito bem com seu potencial profissional, mas não consiga viver bem no setor pessoal, amoroso, por exemplo. Isso pode acontecer, principalmente, quando a pessoa tem experiências reforçadas de resultados satisfatórios ou negativos. A autoestima é constituída pelo que cada pessoa pensa e sente de si própria, mas vale ressaltar que isso acontece também por resultado de experiências vividas.

A percepção que cada um tem de si próprio nem sempre é a mesma que outras pessoas têm. Como cada um se vê pode ser muito diferente de como as pessoas o veem. De qualquer modo, os pensamentos negativos e pouco produtivos costumam ser um bom indício de que as coisas não estão bem dentro de si mesmo e possivelmente pode estar relacionado à questão da autoestima.

Ser capaz de criar metas, sonhar, planejar e atingir os objetivos pode ajudar a fortalecer a autoestima. Mas, isso é uma parte do processo, afinal, ser capaz de acreditar que se pode vencer já faz bem a mente. Por isso, quando os pensamentos são diferentes de coisas boas e saudáveis, o melhor a se fazer é cuidar da expectativa, do que se deseja e espera de si mesmo. O importante é encarar a vida como uma bela escola, cheia de ensinamentos e novidades. O conhecimento de qualquer coisa é assimilado através da repetição e da satisfação de se permitir ser aprendiz.

São diversas as técnicas de terapia que podem ajudar nesse processo de autodescobrimento e autoestima. A psicologia é uma ciência que se ocupa também desse tipo de pensamento e emoção. Hipnose e programação neurolinguistica (PNL) são ferramentas muitos úteis e bem aplicáveis para o propósito de cura e bem estar pessoal.

 

minhavida

SP/Rádios comunitárias ajudam meio ambiente e resgate da autoestima de ex-presidiários

A ABRAÇO – Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária, Regional SP, entidade máxima de representação das rádios comunitárias no país, vem realizando há mais de 5 anos uma parceria com o Instituto Liberty, uma organização social que tem como finalidade a inclusão social de egressos do sistema prisional e ex-dependentes Químicos.

Na maioria das vezes, um ex-detento não consegue se reinserir na sociedade em decorrência do preconceito e da discriminação da sociedade, que reproduz os valores de uma sociedade marcada pela exclusão.

O Liberty surgiu a partir da necessidade de resgate da autoestima e da valorização do ser humano. Como consequência deste trabalho, o Projeto Liberty vem trabalhando em diversos projetos de reinserção social, como oficinas de capacitação para o mercado de trabalho, frentes de trabalho, cooperativas e também na inclusão de familiares de detentos e ex-detentos, gerando oportunidades e condições socioeconômicas.

O Liberty é uma das grandes parceiras da ABRAÇO SP na região de Campinas, onde seus membros acreditam na capilaridade da Radiodifusão Comunitária para a inclusão da sociedade. Seus membros além de atuarem na nossa coordenação estadual, também realizam vários projetos visando a descriminalização das Rádios Comunitárias e sua inserção junto à sociedade.
Um dos projetos do Instituto Liberty agora são as sacolas de papel e sacos de lixo biodegradáveis que é a esperança de uma vida melhor para ex-detentos, dependentes químicos, pessoas em situação de rua e portadores do HIV atendidos pelo Projeto Liberty, de Campinas (SP).

A produção das sacolas ecológicas foi iniciada em janeiro, no mesmo mês em que as de plástico deixaram de ser usadas nos supermercados de São Paulo. A Cooperativa de fabricação de sacolas de papel conta hoje com 10 trabalhadores, com capacidade de produzir 400 mil unidades mês. A meta do Liberty é chegar a 50 trabalhadores, contingente necessário para o alcance da produção mensal de 1.6 milhão de sacolas.

As Rádios Comunitárias são muito importantes para a divulgação deste projeto, por isso, a Abraço/SP solicita que a emissora da sua comunidade reproduza a vinheta de 30 segundos do instituto Liberty, que pode ser baixada e acessada no seguinte endereço eletrônico: http://www.projetoliberty.com.br/Liberty_na_Camara.mp3

“Faça parte deste grande e ajude a divulgar este projeto nas rádios comunitárias de seus parceiros e vamos juntos construir outra sociedade, sem diferenças e exclusão”, afirmou Jerry de Oliveira, Coordenador Executivo da ABRAÇO/SP.

RÁDIO COMUNITÁRIA ZUMBI DOS PALMARES FM