Arquivo da tag: arrastada

De trabalhadora arrastada a presidenta xingada, 2014 expôs condição da mulher

movimentoO fortalecimento dos setores mais conservadores foi um dos temas mais debatidos por organizações populares e analistas políticos neste ano. As cenas de violência e intolerância se multiplicaram e tiveram como alvo os mesmos grupos oprimidos historicamente, entre eles as mulheres.

No início do ano os movimentos feministas se revoltaram com uma pesquisa inusitada. Cerca de 26% dos entrevistados pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) concordam que mulheres com roupas “que mostram o corpo merecem ser atacadas”. Essa banalização incentiva desde os casos de assédio sexual no transporte público até os estupros na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), uma das mais tradicionais do país.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Em entrevista à Radioagência BdF, a pesquisadora Flávia Rios analisa as relações de gênero e o que houve de mais marcante em 2014. Doutora em sociologia pela USP, ela explica que a violência contra a mulher ultrapassa as barreiras de classe. Da trabalhadora arrastada por uma viatura da Polícia Militar a presidenta xingada durante a abertura da Copa do Mundo, nenhuma mulher foi poupada.

Radioagência BdF: Flávia, falando em conquistas e violações de direitos, que fatos marcaram 2014 para as mulheres?

Flávia Rios: Eu tenho algumas imagens que me marcaram em relação às mulheres nesse ano. Imagens que me chocaram. Uma delas foi o caso da Cláudia, o assassinato dela. Uma mãe de quatro filhos, uma trabalhadora arrastada. Essa eu acho que foi a cena mais marcante de 2014. Especialmente porque simboliza as condições de opressão da mulher negra, pobre, que vive na favela. As condições intercruzadas e o tipo de morte chocaram o Brasil e o mundo, e mobilizou os movimentos sociais. Muitos coletivos se organizaram a partir de Cláudia. Por outro lado, do ponto de vista legal, as pessoas responsáveis estão na ativa.

Um segundo caso foi o da abertura da Copa do Mundo, os xingamentos que a presidente recebeu. Xingamentos feitos em português, inglês, e que remontam a dimensão dos estereótipos da mulher e reduzem a figura da mulher mesmo em uma posição super elevada. Eu falei inicialmente de um caso de uma mulher em uma posição fragilizada na sociedade e agora uma chefe de Estado também vivenciando uma experiência de um estupro coletivo e simbólico, tendo sua imagem, sua figura, sendo ridicularizada e sexualizada o tempo todo por xingamentos que até então nunca se tinha ouvido na história do país para se referir a uma pessoa que ocupava uma posição mais elevada do Executivo. Então, são imagens simbólicas que marcam duas dimensões. Uma dimensão na base da pirâmide social e outra também em uma dimensão mais elevada em termos de política.

Radioagência BdF: A subrepresentatividade no Congresso Nacional é mais um exemplo de como se dá discriminação de gênero?

FR: É a primeira vez que a lei eleitoral de cota mínima de 30% para mulheres se faz efetiva, e os partidos com medo de sanção tentam colocar mulheres para se candidatar. Então, teve um incremento no número de mulheres que se candidataram, isso é positivo e diz respeito a uma conquista dessas mulheres, e também por sua vez teve uma melhor representação nesses cargos legislativos quando comparados a 2010. Ainda que os dados sejam bastante alarmantesHoje nós temos uma mulher para cada 10 deputados federais.

Radioagência BdF: Por que a violência seja física, sexual e psicológica ainda faz parte da nossa realidade?

FR: Primeiro, diz respeito ao estímulo que a cultura brasileira constrói o tipo de masculinidade. As relações de gênero no Brasil perpassam por dimensões culturais, educacionais, de formação, mas você encontra padrões comportamentais em todas as classes sociais. Mas o comportamento violento masculino é algo marcante em todas as classes sociais, independentemente de escolaridade. Eu acho que diz respeito à forma como cultura machista e patriarcal é construída e o lugar da mulher. Espera-se que mulheres estejam em certos lugares. E por mais que hoje no Brasil tenhamos mulheres que estudam mais, mulheres têm mais anos de escolaridade, esse incremento educacional não corresponde a um aumento equivalente do seu salário, nem mesmo das suas posições no mercado de trabalho.

Radioagência BdF: Em termos de políticas públicas para a igualdade de gênero, que avanços são necessários para os próximos anos?

FR: Do ponto de vista das mulheres são as conquistas no que diz respeito a autonomia do corpo. Essa é uma das principais lutas, bandeiras, marchas. A defesa do aborto. Essa é uma pauta muito significativa porque diz respeito a autonomia da mulher e a possibilidade de ela decidir. Outras conquistas dizem respeito à luta por representação política. Muitas pautas femininas e feministas não conseguem avançar no Executivo e no Legislativo justamente porque somos mal representadas. Uma representação maior das mulheres, conquistas via partido, de forma partidária, mas também dos movimentos sociais e articulação podem promover e garantir melhorias nas condições das mulheres, que dizem respeito a questão da violência, do parto, da saúde, do tratamento e também da representação nos meios de comunicação, porque esse também é um dos vetores da má representação das mulheres e estímulo a comportamentos masculinos absolutamente violentos.

Radioagência BdF: Entre os fatos positivos de 2014 (se eles existem), o que você ressaltaria em relação às mulheres?

FR: Eu gostaria de marcar um evento super significativo que aconteceu nesse período que é a memória de uma escritora muito influente no seu período, que conseguiu reconhecimento internacional, que foi Carolina Maria de Jesus. Os movimentos sociais ergueram essa mulher e a produção e reflexões dela, e trouxeram os centenários espalhados Brasil afora, mostrando o vigor da mobilização coletiva no que diz respeito à reconstrução da memória e da produção de discursos das mulheres no Brasil.

 

Por Daniele Silveira,

Da Radioagência BdF

Mulher arrastada por carro da PM foi confundida com bandidos, diz filha

Cerca de 200 pessoas participaram do sepultamento de Cláudia Ferreira da Silva, na tarde desta segunda-feira Foto: Alessandro Costa / Agência O Dia
Cerca de 200 pessoas participaram do sepultamento de Cláudia Ferreira da Silva, na tarde desta segunda-feira Foto: Alessandro Costa / Agência O Dia

Cláudia Ferreira da Silva, arrastada por uma viatura da PM, foi confundida por bandidos. Pelo menos essa é a opinião da filha da vítima, Thaís Lima, de 18 anos, explicando como aconteceu o incidente no Morro da Congonha, em Madureira, no último domingo.

 

“Eles [os policiais] deram dois tiros nela, um no peito, que atravessou, e o outro, não sei se foi na cabeça ou no pescoço, que falaram. E caiu no chão. Aí falaram [os policiais] que se assustaram com o copo de café que estava na mão dela. Eles estavam achando que ela era bandida, que ela estava dando café para os bandidos”, contou em entrevista ao Bom Dia Rio nesta terça-feira.

 

De acordo com Thaís, o porta-malas do carro não abriu somente na Estrada Intendente Magalhães, onde o corpo de Cláudia foi arrastado por cerca de 250 metros.

 

“Um pegou ela pela calça e outro pela perna e jogou dentro da Blazer, lá dentro, de qualquer jeito. Ficou toda torta lá dentro. Depois desceram com ela e a mala estava aberta. Ela ainda caiu na Buriti [rua, em Madureira], no meio do caminho, e eles pegaram e botaram ela para dentro de novo. Se eles viram que estava ruim porque eles não endireitaram (sic) e não bateram a porta de novo direito?”, disse, Thaís, questionando o motivo de que o corpo do outro baleado permaneceu no local.

 

 

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

“Se matou ela, como se fosse bandida, porque deixaram o outro na rua? O corpo dele ficou lá, esperando a perícia”, disse.

 

 

Muro na entrada da comunidade é pichado com frase relatando saudade de ‘Cacau’, apelido de Cláudia

Foto:  Douglas Viana / Agência O DIA

Fechadura sem problemas

Os subtenentes Adir Serrano Machado e Rodney Miguel Archanjo, além do sargento Alex Sandro da Silva Alves, foram presos por crime previsto no Código Penal Militar. Segundo investigações, os PMs alegaram que a porta da caçamba teria aberto porque moradores danificaram a tranca. No entanto, informações preliminares da perícia feita na viatura apontam que, aparentemente, não havia problema na fechadura.

Os acusados ainda alegaram que os moradores teriam tentado tomar a arma de um dos subtenentes. O advogado de um deles, Marcos Espínola, disse que o caso ‘foi um acidente’ e que vai entrar na Justiça com pedido de habeas corpus.

Após prestar depoimentos por mais de 10 horas na 2ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar (DPJM), os PMs serão ouvidos novamente nesta quarta-feira na 29ª DP (Madureira). A investigação foi desmembrada em três inquéritos diferentes, que vão apurar a morte e o socorro prestado a Cláudia; o suposto auto de resistência registrado pelos PMs (um suspeito foi morto) e o flagrante apresentado por eles. No domingo, os policiais fizeram operação de combate ao tráfico na comunidade. Os outros dois PMs que estavam na ação serão ouvidos na 29ª DP. São eles: Rodrigo Boaventura e Zaqueu de Jesus Bueno.

A necropsia feita no corpo de Cláudia indica que ela morreu por causa do tiro no peito, que causou lesões cardíacas e pulmonares. O corpo também sofreu diversos ferimentos provocados pelo contato com o asfalto, que o marido da vítima, Alexandre Fernandes da Silva, classificou como tendo ficado ‘em carne viva’.

Em nota, a PM diz que não compactua com a conduta dos agentes e que eles foram desligados do 9º BPM (Rocha Miranda). As armas dos PMs foram entregues à perícia.

 

Estadão