Arquivo da tag: Apagão

Apagão deixa Campina Grande e região sem luz e água

Um apagão deixou Campina Grande e cidades da região sem energia por pelo menos uma hora na noite dessa sexta-feira (27). Segundo apuração da TV Correio, o fornecimento já está normal.

A Energisa informou à TV Correio que um cabo teria se rompido e provocado a interrupção no abastecimento de energia. As causas do problema ainda são investigadas pela concessionária.

A falta de energia também provocou problemas no abastecimento de água na região. A Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa) disse à TV Correio que está trabalhando para que o fornecimento de água seja normalizado gradativamente a partir das 18h deste sábado (28).

 

(Foto: Arquivo/Jornal CORREIO)

portalcorreio

 

 

Apagão atinge 47,4 milhões de pessoas na Argentina e no Uruguai

Um apagão deixou sem luz na manhã de hoje (16) a Argentina e o Uruguai. De acordo com a empresa de distribuição de energia uruguaia, UTE (Administração Nacional de Usinas e Transmissões Elétricas), o apagão teve início pouco depois das 7h.

“Às 7h6 um defeito na rede argentina afetou o sistema interligado, deixando todo o território nacional sem serviço, assim como várias províncias do país vizinho”, informou a empresa por meio do Twitter.

A UTE disse ainda que está levantando as causas, que já existem cidades do litoral uruguaio com o serviço de energia restabelecido e que segue trabalhando para o restabelecimento total do serviço.

A empresa argentina Edesur informou que houve uma “falha maciça no sistema de interconexão elétrica”. O apagão afetou a capital, Buenos Aires, e diversas províncias do país.

A empresa disse que a energia já começou a retornar em Buenos Aires, mas que o processo de normalização do serviço “exigirá várias horas.”

“Nosso centro de controle iniciou as demandas de padronização e lentamente começa a restaurar o serviço de energia para a rede”, disse a empresa. Entramos nos primeiros 34 mil clientes.

A Argentina e o Uruguai compartilham um sistema interconectado de energia elétrica, centralizado na Usina Binacional de Salto Grande, localizada a cerca de 450 quilômetros ao norte de Buenos Aires. O apagão afetou cerca de 47,4 milhões de habitantes, 44 milhões na Argentina e 3,4 milhões no Uruguai.

Agência Brasil

 

 

Apagão provocado por curto-circuito na Chesf, deixa Campina e outras cidades da PB sem energia

energiaCerca de 80% dos municípios da região central da Paraíba, está sofrendo desde as primeiras horas da manhã desta segunda-feira (14) com a falta de energia elétrica, devido a curto-circuito registrado na Subestação Campina Grande 2, controlada pela Chesf.

Em nota, a Energisa Paraíba, empresa responsável pelo abastecimento de energia elétrica no estado, afirmou que já acionou a Chesf para tentar normalizar o abastecimento e lamentou o fato.

“A Energisa informa que desde às 5h10 desta segunda-feira, 14, a Subestação Campina Grande 2, controlada pela Chesf, está fora de operação. A suspensão do abastecimento afeta 80% da região Centro do estado, incluindo Campina Grande. A Energisa lamenta o transtorno e está em contato permanente com a Chesf para obter informações sobre a normalização do abastecimento pela mesma”.

MaisPB

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Botafogo joga mal e perde para o lanterna América-MG sob chuva e com apagão

americaA chuva fez todo mundo escorregar e cair no Horto, mas o América-MG ainda conseguiu se dar bem com vitória por 1 a 0 sobre o Botafogo. O único gol foi marcado por Jonas, que aproveitou cruzamento de Ernandes para balançar a rede. A partida na Arena Independência foi prejudicada pelas condições climáticas e pelo apagão que deixou o estádio e região no escuro por 13 minutos.

O resultado mantém o Alvinegro na nona posição da Série A do Campeonato Brasileiro com 38 pontos. O Coelho, por sua vez, ainda amarga a lanterna isolada, mas alcançou a marca dos 21 e agora se aproxima do Santa Cruz, penúltimo colocado com 23 e um jogo a menos.

O Botafogo terá um desafio importante no próximo sábado em embate contra o Corinthians, quinto colocado na tabela. A partida será disputada a partir das 16h30 (de Brasília) no Estádio Luso-Brasileiro. O América-MG visita o Coritiba na segunda-feira (03), no Couto Pereira.

Início sonolento pelo alto

O palco do confronto pode até ser conhecido como caldeirão, mas o calor passou longe do gramado no início do jogo. Mostrando limitação em seus setores de criação, as duas equipes apostaram muito em longos lançamentos pelo alto e viram os zagueiros afastarem o perigo repetidas vezes. Na melhor oportunidade do primeiro tempo, Neilton tentou jogada individual pela esquerda e finalizou fraco de fora da área, facilitando a defesa de Fernando Leal.

Caiu no Horto… Escorregou!

A chuva em Belo Horizonte não deu trégua ao primeiro tempo. A drenagem da Arena Independência fez o que pôde, mas a intensidade da água deixou o campo encharcado para duas equipes que já pareciam não ter interesse em colocar a bola no chão. O que se viu foi uma longa sequência de erros e escorregões, como as quedas de Emerson ao mandar um balão para o ataque e de Neilton ao tentar o domínio. Afastando a mesma jogada, Ernandes também foi à grama.

Apagou, mas melhorou

Se o ritmo de jogo já não era muito aceso desde o início, tudo piorou aos 29 minutos do primeiro tempo, quando houve queda de energia no estádio e nos bairros mais próximos ao Horto. O auxiliar Emerson Augusto de Carvalho chegou a admitir a possibilidade de remarcarem a partida para o domingo, mas os refletores voltaram a funcionar 13 minutos depois. Como os males que vêm para bem, a paralisação fez bem ao jogo: enquanto o América-MG chegou ao ataque com Matheusinho e Leandro Guerreiro, o Botafogo alega que a bola teria cruzado a linha do gol após cruzamento de Emerson aos 31. A torcida reclamou, mas a arbitragem negou o tento. A luz falhou mais uma vez aos 40, mas Luiz Flavio de Oliveira não voltou a parar o duelo.

Chapéu e casaco

O Botafogo não produzia com eficiência no ataque, mas Airton garantiu um lance de plasticidade aos 40 minutos do primeiro tempo. Tentando desafogar o jogo ainda muito restrito ao meio-campo, o volante aplicou um chapéu seguido de toque de trivela. Lance bonito, embora pouco produtivo.

Chamou a torcida

A frieza do jogo resultava em frieza nas cadeiras da Arena Independência. O problema foi levemente resolvido aos oito minutos do segundo tempo, quando o garoto Matheusinho, de 18 anos, aplicou um belo drible sobre o zagueiro Emerson Silva e, empolgado com a reação da torcida, arriscou um chute forte e exigiu intervenção de Joel Carli.

Placar poderia ter sido mais largo 

A redenção para o América-MG e para o próprio jogo veio aos 19 minutos do segundo tempo. Aproveitando bom cruzamento rasteiro de Ernandes no segundo pau, Jonas tocou com o pé direito para vencer Sidão e balançar a rede. O lance contou com falha defensiva de Neilton, que era o atleta do Botafogo mais perto do autor do gol. Curiosamente, o lateral do Coelho marcou três gols nos últimos quatro jogos: também ajudou o time contra Ponte Preta e Figueirense.

Ficou no quase

A arbitragem apontou quatro minutos de acréscimo na etapa final e renovou as esperanças do Botafogo, que disparou ao ataque como ainda não havia feito na partida. Em sequência de bolas rebatidas na área aos 47, Rodrigo Pimpão perdeu a chance de igualar o marcador após toque de Bruno Silva. Gervasio ainda cruzou para Canales, mas a marcação cortou. Nos segundos finais, o goleiro Sidão ainda tentou o cabeceio na área, mas não conseguiu o empate.

FICHA TÉCNICA
AMÉRICA-MG 1 X 0 BOTAFOGO

Data e hora: 24/09/2016, sábado, às 21h00 (de Brasília)
Local: Arena Independência, em Belo Horizonte (MG)
Árbitro: Luiz Flavio de Oliveira (SP)
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa (ambos de SP)
Cartões amarelos: Juninho e Leandro Guerreiro (América-MG); Joel Carli, Bruno Silva e Airton (Botafogo)
Gol: Jonas, aos 19 minutos do segundo tempo (América-MG)

AMÉRICA-MG: Fernando Leal; Jonas, Éder Lima, Roger e Bruno Teles; Ernandes, Leandro Guerreiro, Juninho e Danilo Barcelos (Tony); Matheusinho e Nixon (Michael)
Técnico: Enderson Moreira

BOTAFOGO: Sidão; Emerson Santos, Joel Carli, Emerson Silva, Diogo Barbosa; Airton, Bruno Silva, Dudu Cearense (Rodrigo Pimpão) e Camilo (Leandrinho); Canales e Neilton (Gervasio Núñez)
Técnico: Jair Ventura

Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Energisa explica apagão em partes da Paraíba

energisa-equipeA Energisa divulgou nota a imprensa, explicando que o início da tarde desta sexta-feira, 30, detectou a interrupção no abastecimento das subestações que atendem a região Oeste e parte do centro da Paraíba.

O problema teria origem na linha de transmissão da Chesf que faz a interligação entre as regiões Norte e Nordeste do Brasil.

A partir das 13h13, com o restabelecimento do fornecimento pela Chesf, a Energisa voltou, gradativamente, a abastecer as regiões afetadas concluindo o trabalho às 13h50.

“A Energisa aguarda um posicionamento do Operador Nacional do Sistema (ONS) sobre as causas da interrupção no fornecimento”, diz a nota.

MaisPB

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Após apagão digital da GVT, empresa terá que ressarcir clientes na Paraíba

gvtA operadora GVT vai ressarcir o consumidor que foi atingido pela pane ocorrida no dia 12 de janeiro em João Pessoa, e que deixou cerca de 27 mil pessoas ‘fora do ar’ na Paraíba por pelo menos quatro horas. Foi o que ficou acordado em reunião na Secretaria Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-JP) nesta quinta-feira (22), resultado de uma notificação à empresa. Também ficou decidido que a GVT fará um estudo visando novas rotas de transmissão para evitar outras sobrecargas, e enviará à Secretaria.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

O ressarcimento ao consumidor se dará através da próxima fatura e será de forma proporcional ao tempo em que o cliente ficou sem internet. “A empresa se comprometeu em ressarcir, em créditos, já na próxima fatura, o valor proporcional ao tempo em que o consumidor ficou sem acesso à rede durante a pane que ocorreu no último dia 12”, disse, adiantando que o cliente deve ficar de olho na fatura e, caso não se sentir contemplado, deve procurar o Procon-JP.

O secretário Helton Renê alerta aos consumidores que se sentiram lesados de forma mais consequente durante a pane da GVT, que procurem o Procon-JP para que se tome as providências cabíveis. “O acordo diz respeito apenas às horas em que a empresa ficou sem prestar o serviço. Se houve casos em que a falta desse serviço, durante esse tempo, provocou um prejuízo maior, a pessoa deve procurar seus direitos enquanto consumidor lesado”.

Ranking – O ranking de reclamações contra a empresa GVT vem piorando nos últimos anos, com o número de denúncias crescendo a olhos vistos. “Em 2013, o Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) do Procon-JP recebeu 68 reclamações contra a GVT, em 2014 subiu para 159 e, até o dia 22 de janeiro deste ano, já somam 14. Consideramos um índice alto e isso também foi tema de nossa reunião, momento em que a operadora se comprometeu em nos enviar propostas que melhorem a prestação de seus serviços”, informou Helton Renê.

MaisPB 

Apagão atinge Grande SP, Rio, PR e ES; metrô tem portas fechadas

metroUm apagão em São Paulo, no Rio de Janeiro, no Paraná e no Espírito Santo desligou parte da energia elétrica desses Estados nesta segunda-feira (19). A energia ainda não foi restabelecida.

O ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico) não confirma os locais atingidos, mas, por meio de sua assessoria, assegurou que há áreas no país em que o fornecimento foi interrompido.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

O Ministério de Minas e Energia informou que não tem conhecimento do ocorrido, mas que está buscando mais informações sobre o problema. Há possibilidade de que outros Estados tenham sido afetados.

Em nota oficial, em sua página na internet, a Eletropaulo disse que o desligamento de seus clientes teria ocorrido por orientação do próprio ONS, que “cortou mais de 700 MW (megawatts) de energia”. No entanto, pouco depois, a empresa informou que a totalidade de sua carga de energia foi restabelecida às 15h50.

A assessoria de imprensa da Light confirmou que foi orientada pelo ONS a interromper o fornecimento em alguns locais, o que teria acontecido a partir das 14h53. No Paraná, a Copel disse que cortou 320 megawatts por determinação do operador. Segundo a empresa, todo o Estado foi afetado.

No Espírito Santo, a EDP Escelsa informou ter feito, também por determinação da ONS, “redução de carga no seu sistema”, na tarde desta segunda que atingiu o fornecimento de energia em parte de oito municípios do Estado. A capital do Estado, segundo a empresa, não foi afetada.

Folha 

Governo estuda pedir que população economize energia para não haver apagão na Copa

Edison LobãoPara não haver apagões de energia durante a Copa do Mundo, o governo pode pedir que a população economize energia. A afirmação é do ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, em entrevista publicada pelo “The Wall Street Journal”.

Segundo o ministro, é muito baixa a possibilidade de falta de energia elétrica antes do início da estação chuvosa que começa em novembro, mas, se o volume de chuvas não aumentar em abril ou maio e não houver uma recuperação dos reservatórios que suprem as importantes usinas hidrelétricas do país, ele poderá pedir aos brasileiros que reduzam voluntariamente a demanda por energia.

O ministro garantiu que não haverá racionamento compulsório de energia, o que, lembra o “WSJ” poderia ser um problema para a presidente Dilma Rousseff, em ano de eleições presidenciais.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

O país teve racionamento em 2001-2002, no governo do presidente Fernando Henrique Cardoso. Este ano, enfrenta uma onda de calor e de seca recorde. Segundo o jornal americano, analistas do banco de investimento brasileiro Brasil Plural disseram em relatório de mercado neste mês acreditar que o racionamento não poderá ser evitado.

“Não estamos trabalhando com a hipótese de racionamento de energia”, disse Lobão na entrevista. “Temos a convicção de que isso não será necessário.”

O ministro frisou que o governo não planeja cobrar mais das pessoas que não estão economizando energia, como aconteceu durante o racionamento, em que o governo FH cobrava multa de quem não cumpria a cota de energia. Cerca de 70% da geração de energia do país vêm de usinas hidrelétricas, que embora sejam fontes baratas de energia, tornam-se vulneráveis quando há longos períodos sem chuva, afirma o jornal americano.

Nesta quinta-feira, a empresa de planejamento energético do Brasil, Empresa de Pesquisa Energética (EPE), informou que a demanda no país subiu 8,6% em fevereiro, na comparação anual. Lobão afirmou ao “WSJ” que, para evitar qualquer problema durante a Copa do Mundo, o governo instalou duas subestações de eletricidade em cada um dos 12 estádios que vão receber jogos, disse o ministro e garantiu que não há riscos de blecautes durante os jogos.

Ele previu, ainda de acordo com a entrevista, que a demanda por energia elétrica provavelmente não subirá até níveis de pico durante o campeonato mundial de futebol, pois o consumo mais elevado gerado pelos jogos e pelos turistas seria compensado pelo menor consumo de empresas e fábricas, que vão parar em dias de jogos.

Ao “WSJ”, Lobão disse que o governo não quer iniciar o programa de racionalização do consumo antes que seja absolutamente necessário, para evitar uma propagação de medo de uma real escassez de energia. Agir agora “poderia ser interpretado como início de racionamento”, disse o ministro ao jornal americano.

O GLOBO

Governo admite pela primeira vez risco de apagão

apagao-sul-e-sudestePela primeira vez, o governo federal assumiu que existe um risco, embora de “baixíssima probabilidade”, de haver dificuldades no suprimento de energia elétrica no País. O Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico reuniu-se ontem e produziu uma nova resposta aos apontamentos dos agentes do mercado sobre os riscos faltar energia.
A cúpula do governo para o setor elétrico sustenta que “a não ser que ocorra uma série de vazões [de água nos reservatórios das hidrelétricas] pior do que as já registradas, evento de baixíssima probabilidade, não são visualizadas dificuldades no suprimento de energia no País em 2014”.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

A nota ratifica que “o sistema elétrico está atravessando uma situação conjuntural desfavorável em termos climáticos, em um momento em que o período úmido ainda não está caracterizado, mas dispõe das condições de equilíbrio estrutural necessárias para o abastecimento do País”.
O governo destacou que, com a capacidade de geração de energia, incluindo as expansões previstas para 2014, “o sistema apresenta-se estruturalmente equilibrado, com sobras, em termos de balanço energético, considerando-se tanto os critério probabilístico (riscos anuais de déficit), como as análises com as séries históricas de vazões, para o atendimento de uma carga prevista para 2014, da ordem de 67 mil MW médios de energia”.
A nota indica ainda que, considerando-se o risco de déficit de 5%, conforme critério estabelecido pelo Conselho Nacional de Política Energética, há uma sobra de 6,2 mil MW médios, equivalente a 9% da carga prevista.
A nota, lida por Ildo Grüdtner, secretário de energia elétrica do Ministério de Minas e Energia, informou que a malha de transmissão de energia elétrica “opera dentro de padrões de segurança, tanto nas interligações entre regiões, quanto na malha de atendimento regional, mesmo com os recordes na demanda máxima, por elevação das temperaturas”.
Até o momento, o CMSE ainda não debateu especificamente o apagão que afetou 13 estados na semana passada, conforme previsto.

A crítica

Especialistas preveem apagão de internet na Paraíba

InternetOs acessos se dão das formas mais diversas, em lan houses, em casa, no trabalho, através de aparelhos de smartphones, modens, entre outros modos. Mas uma coisa em comum entre as diversas maneiras de navegação é a insatisfação dos usuários com os serviços prestados pelas operadoras de internet. Os problemas dos serviços de internet são tantos e as soluções caminham a passos tão lentos que devido à grande quantidade de usuários – que vem crescendo dia a dia, mas a infraestrutura não acompanha tal crescimento – corre-se o risco da Paraíba viver um “apagão” virtual, especialmente nas cidades de João Pessoa e Campina Grande.

Para os especialistas, na verdade, isso já vem acontecendo, com a permanente baixa qualidade dos serviços. “Já vivemos uma realidade de que a velocidade fornecida não é a prometida em boa parte do tempo e as quedas de sinal são constantes. Estas são características de um futuro apagão, já que se a situação não melhorar, se não houver os devidos investimentos, a demanda pode deixar de ser atendida como um todo”, destaca Alexandre Moura, membro da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Internet (Assespro).
Esta é uma realidade nacional e, consequentemente, afeta os usuários paraibanos. É comum ouvir relatos de internautas afirmando que o serviço de internet oferecido deixa muito a desejar. Além de ser lenta, em muitos casos, a internet cai constantemente e é motivo de muita reclamação.
Moradora do bairro do Ernesto Geisel, zona sul de João Pessoa, a estudante Eduarda Barbosa, 22 anos, depende da internet para estar atualizada não apenas dos editais de concursos públicos que concorre, como também para conversar com familiares e amigos que moram em outros estados. O serviço, no entanto, nem sempre coopera. “Contratei a internet a rádio, porque aqui no bairro não há muitos serviços de internet via cabo. O serviço funciona, mas é muito instável, é comum ficar lenta”, relata.
Além do serviço no computador, a jovem possui internet mobile 3G, que, de acordo com a estudante, já deu muita dor de cabeça.
“Eu tenho uma promoção que eu pago apenas R$ 0,50 por dia na internet do celular. O preço é bom, mas a conexão nem tanto. É difícil conseguir assistir vídeos, por exemplo, porque a conexão é tão lenta que não tenho paciência para esperar carregar. Algumas vezes precisei com urgência enviar e-mails e não consegui resposta da conexão. Você acaba ficando estressada e sem confiar no serviço”, revela Eduarda.
Em Campina Grande, o problema também é comum. O designer gráfico José Lima do Nascimento é um dos que enfrentam, quase que diariamente, problemas para navegar na grande rede. Ele conta que possui dois planos de internet – um móvel e outro fixo – e constantemente tem problemas com ambos. “Com a internet fixa, tive problemas desde a contratação do serviço, que levou mais de 20 dias para se efetivar. Quando comecei a usar, passei a ter problemas com a falta de sinal e quedas de conexão constantes”, diz, acrescentando que com a internet móvel os problemas são semelhantes.
O advogado Félix Araújo Neto também enfrenta problemas corriqueiros sempre que precisa se conectar. Ele conta que, como a maioria dos cidadãos, se depara com a péssima qualidade dos serviços prestados e com a dificuldade quanto ao oferecimento de respostas rápidas aos embaraços provocados pela própria operadora. “Os problemas vão desde a lentidão e interrupção do serviço de internet à dificuldade de reembolso de faturas pagas em duplicidade e, até mesmo, e o que ainda pior, em relação ao penoso e desgastante contato através do atendente virtual, da central de relacionamento por telefone”, ressalta.
Félix salienta que mudar de operadora não solucionou os problemas. “Saí de uma operadora exatamente por conta da interrupção e lentidão dos serviços. Fui para outra e os problemas vieram junto”, contou, acrescentando que quando tenta resolver algum contratempo via central de atendimento, acaba tendo ainda mais contrariedade. “Em um único dia já cheguei a registrar cinco reclamações, devidamente protocoladas, e não consegui resolver o que queria. É dramático o contato através destes meios”, afirma o advogado.
Por: Jornal da Paraíba