Arquivo da tag: anúncio

Após anúncio de desfiliação, João confirma que fará reforma administrativa

A decisão do atual governador, João Azevêdo de rachar com Ricardo Coutinho e anunciar nesta terça-feira (2) a saída do PSB levantou expectativa enquanto os cargos e quadros de prestadores de serviços e contratados, já que com a separação, o gestor confirmou uma reforma administrativa.

Segundo João, não há motivo para preocupação, pois serão mantidos aqueles que têm compromisso com o povo da Paraíba. “A reforma, eu sempre tenho dito, que quando necessária será feita. Diariamente, a cada semana não tem prazo nem estabelecimento de nenhuma rotina para fazer modificações na equipe. A equipe sempre vai ter modificações quando eu achar necessário ou quando alguém, por vontade própria, deixe o governo não tem essa coisa de reforma para acomodar aliado. As pessoas têm que estar no governo para contribuir, colaborar e ter responsabilidade com o povo da Paraíba. Se não tiver com esse foco, está fora do governo”, esclareceu.

O gestor ainda ressaltou que nenhuma perseguição será feita. “Eu não desço a discussão para fazer perseguição de funcionário. Os funcionários do Estado são quem carrega essa máquina nas costas. Agora, quem tem compromisso e obrigação de conduzir os destinos de uma secretaria, aí sim, eu vou cobrar e permanentemente eu vou cobrar. Se não tiver evidentemente num patamar que eu entenda ser importante, vai sair do governo, não tenha dúvida nenhuma”, alertou.

 

clickpb

 

 

Sindicato sinaliza paralisação após anúncio de privatização dos Correios

O anúncio do presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), sobre a privatização dos Correios caiu como uma bomba na cabeça dos servidores da estatal. E, uma das consequências dessa medida pode ser uma paralisação geral, o que deixaria milhões de brasileiros sem receber correspondências.

O presidente Jair Bolsonaro deverá anunciar nesta quarta-feira (17) a lista de privatizações que pretende fazer. Ao todo, são 17 empresas públicas que deverão ser privatizadas até o final do ano, incluindo os Correios, a Casa da Moeda, a CBTU, a Telebras e a Eletrobras.

Para o secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores em Correios e Telegráfos (Sintect-PB), Tony Sérgio, vários ações já estão sendo desenvolvidas pelos líderes sindicais e servidores na tentativa de impedir que a privatização aconteça.

“Aqui na Paraíba já temos uma audiência pública agendada para o próximo dia 30 onde discutiremos a situação atual dos Correios. Também estamos coletando assinaturas para fazermos um abaixo-assinado contra essa medida, isso já em âmbito nacional. Vamos fazer assembleias e a paralisação também está na pauta. Pode sim acontecer”, informou Tony.

Para o dirigente, a privatização não trará benefícios para o Brasil, já que a empresa é autossustentável e poderia sobreviver, se o governo tivesse interesse em investir. Ele diz que o presidente criou um factóide para justificar a privatização da estatal. “Nós temos 35% da população que não tem acesso a internet e depende dos Correios para se comunicar. As pessoas dos municípios mais distantes sofrerão com essa medida. Dos mais de 5 mil municípios, apenas 324 são lucrativos, e será nesses locais que a empresa compradora investirá deixando o restante de lado”, garantiu.

Tony Sérgio ressaltou que o sucateamento dos Correios tem prejudicado os servidores e os usuários. “Nós estamos trabalhando num regime que as ruas ficam recebendo correspondências dia sim, dia não, porque o número de funcionários já é limitado. Se houvesse investimento, se o governo devolvesse os mais de sete bilhões que foram retirados dos Correios, teria como funcionar”, finalizou.

 

clickpb

 

 

CBF prepara mudanças no calendário após anúncio de nova Libertadores

Rafael Ribeiro/CBF
Rafael Ribeiro/CBF

Após a decisão da Conmebol de aumentar a duração da Copa Libertadores da América, a CBF também prepara mudanças em seu calendário. Com mais um torneio continental ocupando parte do segundo semestre a partir de 2017, a entidade brasileira se movimenta para adequar as datas e não prejudicar os times nacionais.

O diretor geral de competições da confederação, Manoel Flores, esteve conversando com a cúpula sul-americana nos últimos dias, no Paraguai, e anunciará as adequações em entrevista coletiva nesta quinta (29), no auditório da sede da CBF.

A ideia inicial é que a principal mudança no calendário local envolva a Copa do Brasil, disputada atualmente durante boa parte da temporada. A confederação ainda não revela o que será feito, mas estuda mexer no torneio, priorizando boa parte de sua disputa no primeiro semestre.

Tudo, no entanto, ainda é embrionário e só deverá ser oficializado após a reunião do Comitê Executivo da Conmebol, que ratificará as mudanças na Libertadores.

Em vez de ser realizada em 27 semanas, como a entidade estava acostumada a fazer, o principal torneio sul-americano será disputado agora em 42 semanas, sendo jogado de fevereiro a novembro. Antes, a Libertadores costumava acabar no mês de julho.

“As mudanças são um resultado de um estudo técnico que a Conmebol vem realizando há vários meses com consultores especializados e têm o objetivo de potencializar a qualidade do futebol sul-americano”, divulgou a entidade por meio de um comunicado oficial.

“Por muito tempo os clubes tiveram que escolher entre o campeonato nacional e as copas continentais, e isso afetava a qualidade de ambas as competições. Essa mudança permitirá melhorar o desempenho esportivo nos torneios nacionais, protegerá os jogadores e potencializará a qualidade de jogo nas copas continentais”, afirmou Alejandro Domínguez, presidente da Conmebol, que depois chegou a mandar um recado ao Brasil.

“Amigos do Brasil: o novo calendário da Libertadores e Sul-Americana é compatível com calendário do futebol brasileiro”, disse o mandatário.

Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Servidores ameaçam se aposentar após anúncio do fim do abono de permanência

servidor-publicoUma das medidas propostas pelo governo para salvar as contas públicas de 2016, o fim do abono de permanência pode levar à aposentadoria de mais de um terço dos servidores de órgãos como o INSS e o IBGE, ameaçando a prestação de serviços.

O abono é uma espécie de reembolso da União ao servidor federal em idade de aposentadoria por seu gasto com a contribuição previdenciária, de 11% do salário total. Na prática, é como se o servidor recebesse um aumento para permanecer na ativa.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Cento e um mil servidores atendem às condições de aposentadoria, mas optam por ficar no trabalho. Somente no INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), 12.100 dos 33.424 funcionários permanecem na ativa porque recebem abono, segundo a federação dos servidores. “Estamos falando de um terço do INSS. As agências já funcionam com deficit de funcionários em vários Estados no atual quadro, imagina sem esse contingente”, disse Moacir Lopes, secretário da Fenaps, a federação dos sindicatos da área.

Na Receita Federal, 4.900 servidores estão em idade para se aposentar. Do total, 1.870 são auditores fiscais ­um auditor em final de carreira recebe em média R$ 2.475 de abono.

Correio da Paraiba

Após anúncio de cortes, servidores ameaçam convocar greve geral

greveO anúncio do corte de gastos não foi bem digerido pelos servidores federais, que podem ter reajustes de salário adiados para agosto de 2016. Para dar uma resposta rápida ao governo, o Fórum dos Servidores Públicos, que reúne 23 entidades sindicais e centrais como a Central Única dos Trabalhadores (CUT), ligada ao PT, se reunirá hoje, em Brasília, e poderá convocar greve geral. O Fórum representa 90% dos servidores federais, incluindo auditores da Receita, servidores do INSS, do Banco Central e da Controladoria Geral da União (CGU). Movimentos sociais, tradicionais bases de apoio do PT, também preparam manifestações para a semana que vem.

— A avaliação do fórum é que o governo está esvaziando o quadro de servidores, levando à precarização dos serviços públicos e penalizando aqueles que mais precisam. É uma coisa que não dá para aceitar. O déficit é originário deste governo que está aí, por que temos que pagar a conta? Por isso, é possível que se aponte para uma grande greve geral dos servidores — disse Rudinei Marques, um dos integrantes da organização.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Seguridade Social (CNTSS), Sandro Alex Cezar disse ver com “muito maus olhos” o congelamento do reajuste salarial para os servidores e chamou as medidas de “velho receituário”:

— O governo fez a opção errada de política econômica e não estamos dispostos a pagar a conta. Essas medidas eram um velho receituário que a gente pensava que estivesse esquecido. Não foi com apoio a essas medidas que a presidenta Dilma foi eleita. Para adotar essas medidas, melhor que tivesse sido eleito o candidato da oposição. A medida não ajuda o governo federal e ainda agrava a relação com os trabalhadores — afirmou o servidor, cuja categoria está em greve desde julho.

Após mais de três meses de negociação com sindicatos e de ter fechado proposta formal de aumento para a categoria, com reajuste de 5,5% a partir de janeiro, o governo recuou e adiou a correção salarial para agosto de 2016. Anunciada ontem no pacote de ajuste fiscal, a medida reduzirá R$ 7 bilhões em gastos. No ano inteiro, o impacto, segundo o Ministério do Planejamento, seria de R$ 13 bilhões. O acordo previa ainda mais 5% a partir de janeiro de 2017.

O governo anunciou ainda a suspensão dos concursos públicos para economizar mais R$ 1,5 bilhão. Também foi anunciado o fim do pagamento do chamado abono de permanência do serviço público — que corresponde a 11% do salário, pago aos servidores que completam as condições para se aposentar. Segundo o Planejamento, há 101 mil servidores com direito ao abono e 123 mil que teriam direito a essa condição nos próximos anos.

O congelamento do reajuste também irritou servidores do Judiciário. Para Cledo Vieira, coordenador geral da Federação Nacional dos Trabalhadores do Judiciário Federal (Fenajufe) e Ministério Público da União, a categoria — cujo reajuste foi aprovado pelo Congresso e vetado pela presidente Dilma Rousseff— enfrenta um desafio “mais político que econômico”:

— É um massacre a que os servidores estão sendo impostos, e a categoria vai para cima. Nosso instrumento é a greve.

CRÍTICA A CORTE NO MINHA CASA

As medidas também agravaram o distanciamento entre o governo e os movimentos sociais. O Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) prepara atos contra os cortes no Minha Casa Minha Vida. O Movimento dos Sem Terra (MST) também está descontente. Na avaliação desses movimentos, o governo repassou a conta aos mais pobres. O governo cortará R$ 4,8 bilhões previstos para o programa. Em contrapartida, pretende passar a conta para o FGTS. Assim, poderá financiar famílias com renda acima de R$ 6 mil.

— O que nos deixa indignados é o corte no Minha Casa Minha Vida. É inaceitável e lamentável. Significa disposição do governo de, mais uma vez, jogar a conta da crise fiscal nos mais pobres. Tentar aliviar a crise fiscal aprofundando a crise social — afirmou Guilherme Boulos, da coordenação nacional do MTST.

Boulos disse que o movimento planeja mobilizações nas principais capitais. Semana passada, o MTST já fizera ameaças. Em nota, disse que“não aceitamos pagar a conta da crise. Se o ajuste fiscal continuar, o país vai parar”. O MST também se opôs aos últimas anúncios do governo.

— Há um descontentamento completo. Cada medida que o governo toma, vai perdendo apoio de uma base de sustentação que tinha. Isso é mais preocupante. Não vamos aceitar passivamente que as medidas afetem os mais pobres. Vai haver luta se isso acontecer — afirmou Joaquim Pinheiro, da coordenação nacional do MST.

MEMÓRIA: SERVIDORES CONTRA FH

Mexer com servidor público sempre foi um jeito rápido de criar polêmica. No governo Fernando Henrique Cardoso, por exemplo, houve várias. Em 1996, o governo federal ameaçou congelar os salários dos servidores, caso a estabilidade de emprego fosse mantida na então reforma administrativa que se estudava. Em 1998, um plano de ajuste fiscal previa, entre outras medidas, restrições à reposição de servidores que se aposentassem; suspensão de concursos públicos; e aumento da contribuição para a Previdência dos servidores ativos, além de cobrança de contribuição previdenciária também para inativos, até então isentos de contribuição.

Não demorou para aparecerem as críticas, e não apenas da então oposição petista: na primeira entrevista como governador eleito de Minas Gerais, o ex-presidente Itamar Franco (PMDB), por exemplo, afirmou que faria oposição à política econômica de Fernando Henrique, seu antigo ministro. Líderes governistas na Câmara também avisaram que o Congresso era contrário à cobrança de contribuição de servidores inativos.

Mas a reação maior viria em 2000, quando uma marcha reuniu mais de dez mil servidores federais em greve na Esplanada dos Ministérios, em maio daquele ano. O ato, que chegou a receber o apoio da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), incluiu uma caravana com dez ônibus que saiu da Cinelândia, no Rio de Janeiro, para protestar em Brasília. No Rio, um grupo de servidores abraçou o Cristo Redentor. Entre as classes que aderiram à paralisação estavam o funcionalismo do INSS e da Saúde.

No fim de 2001 — após seis anos sem conceder aumento aos servidores, e depois de o Supremo Tribunal Federal (STF) determinar o reajuste salarial, em abril daquele ano, ao julgar ação direta de inconstitucionalidade (Adin) proposta pelo PT e pelo PDT —, FH daria um reajuste linear de 3,5%. Ainda naquele ano, porém, o governo precisaria enfrentar uma greve das universidades federais. Iniciada em agosto, durou mais de 80 dias.

O Globo

‘Celular por 1 real’: guarabirense faz valer anúncio escrito errado em loja e confusão vai parar na delegacia

A promoção destacava chip com aparelho por 1 real. (Foto: Reprodução / Facebook)
A promoção destacava chip com aparelho por 1 real. (Foto: Reprodução / Facebook)

Uma propaganda tentadora chamou a atenção do professor Aurélio Damião. Um cartaz numa loja de eletrodomésticos oferecia um chip de celular por 1 real mais aparelho. Após reivindicar a promoção é taxado de aproveitador e a confusão só termina na delegacia.

– Oferta Imperdível, Chip Vivo R$ 1,00 com aparelho! – Obedecendo o que dizia o cartaz, o professor não perdeu tempo, depois do trabalho, juntou quatro reais que tinha na carteira e se dirigiu a loja, no centro de Guarabira, para comprar os quatro aparelhos. Na loja, ele conta, que a vendedora disse que o cartaz estava errado e que a promoção correta daria direito a um chip pelo valor descrito após a compra de qualquer aparelho.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Aurélio disse ainda que o gerente o destratou e disse que queria se aproveitar da situação. “O gerente me chamou de doido e disse que eu não tinha razão”, contou aoNordeste1. Diante da resistência da empresa ele chamou a polícia e o caso foi parar na delegacia.

O delegado explicou que a loja descumpria o artigo 37 do Código de Defesa do Consumidor, que proíbe a propaganda enganosa, e que o caso seria encaminhado para o juizado de pequenas causas.

O gerente propôs ao professor um acordo, que o mesmo poderia levar um celular, mas ele resistiu e queria quatro aparelhos. “O gerente me ofereceu um celular, e eu disse queria quatro, mas ele explicou que teria que tirar do ‘próprio bolso’ e eu me ressenti”, explicou Aurélio, que aceitou um dos aparelhos. Apesar de querer pagar o valor da “promoção”, o gerente dispensou e o celular saiu de graça.

Aurélio contou que pediu para a loja tomar mais cuidado com a escrita dos cartazes promocionais e brincou. “Por isso que mais de 500 mil pessoas foram reprovados no Enem”, brincou. Ele relatou toda confusão numa rede social (Colaborou: Fabiano Lima).

 

nordeste1

Após visitar FHC, Marina adia anúncio de quem deve apoiar no segundo turno

marina-e-fhcTerceira colocada na disputa pela Presidência da República, com 21% dos votos válidos, desistiu de se pronunciar nesta quinta-feira (9) a favor da candidatura de no segundo turno das eleições. A ex-senadora não definiu uma nova data para declarar apoio a Aécio.
Marina o apoio ao tucano em Brasília após a reunião dos partidos que compunham sua coligação, mas desistiu da viagem em cima da hora.
A ex-senadora ficará em São Paulo e avisou a interlocutores que prefere adiar a declaração pública de aliança com o PSDB sem fixar nova data.
Cortejada por tucanos e petistas, Marina avaliou que caso conseguisse construir consenso em torno de Aécio entre os partidos que a apoiaram ao Planalto, poderia ser poupada da fala pública sobre o assunto neste momento e se viria livre para esperar os movimentos do tucano em sua direção.
Marina quer acenos de Aécio à esquerda, principalmente em relação aos índios e Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

O PSB, legenda que abriga Marina desde outubro de 2013, informou nesta quarta-feira (8) apoio ao tucano. O PPS também fechou com Aécio.
A Rede, grupo político liderado pela ex-senadora, deu o aval para que ela se alie ao tucano e liberou os eleitores para votar em branco, nulo ou em Aécio. PHS, PRP e PSL tendem a seguir as outras legendas. A única resistência vem do PPL, que não quer declarar voto nem em Aécio nem na presidente Dilma Rousseff (PT).
A única resistência vem do PPL que não deve declarar voto nem para o senador Aécio neves nem para a presidente Dilma Rousseff.
Marina visitou na manhã de quarta o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. A conversa, segundo relatos, durou cerca de vinte minutos em que o tucano parabenizou a pessebista pelo resultado nas eleições e se disponibilizou a ser o canal de interlocução entre ela e Aécio.

Folha Online

 

VEJA VÍDEO: Anúncio contra celular na direção dá arrepios

anuncioVocê já presenciou um amigo utilizando o celular enquanto dirige? Você já enviou sms dirigindo?

O objetivo da campanha, criada pelo governo dos Estados Unidos e direcionada aos jovens motoristas do país, é que se você for utilizar seu smartphone no trânsito, terá de pagar um preço por isso.

O filme abaixo é direto e sem rodeios.

Após exibir o choque entre um caminhão e o veículo da protagonista, um policial aparece, recolhe o celular destruído e diz que sim, ninguém gosta de ser parado pela polícia, mas se ele tivesse visto a moça do anúncio digitando em seu telefone, poderia ter dado uma multa para garota e, talvez, salvo sua vida.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

O vídeo trabalha sob o conceito de que polícias que multam salvam vidas.

A criação é do The Tombras Group.

Exame

Massa acerta renovação com Ferrari, e anúncio será terça, diz comentarista

A maré parece, enfim, ter virado para Felipe Massa. Após encerrar o jejum de pódios no GP do Japão do último domingo, o piloto garantiu sua permanência na Ferrari em 2013, assegurou o comentarista do SporTV, Lito Cavalcanti, durante os treinos livres para o GP da Coreia do Sul deste fim de semana. De acordo com o jornalista, a equipe italiana e o brasileiro entraram em acordo para renovar o vínculo por mais um ano, e o anúncio oficial será feito na próxima terça-feira, após o brasileiro assinar o contrato na sede da escuderia, em Maranello.

Felipe Massa chega em segundo no GP do Japão e encerra jejum de pódios (Foto: EFE)Felipe Massa chegou em segundo no GP do Japão e encerrou jejum de pódios (Foto: EFE)

Confirmado o acerto, Massa disputará no próximo ano sua oitava temporada pela Ferrari, a terceira na companhia de Fernando Alonso. Após um mau início de temporada, Felipe teve sua vaga fortemente ameaçada. Porém, reagiu no campeonato e voltou a ganhar a confiança da equipe. O brasileiro pontuou nos últimos cinco GPs disputados e é o terceiro com mais pontos após a volta das férias de agosto da categoria, atrás de Sebastian Vettel e Jenson Button, e a frente de Alonso. No GP do Japão do domingo passado, Massa chegou em segundo, dando fim a um tabu de quase dois anos (35 corridas) sem subir ao pódio. Ele vinha de uma sequência de boas exibições na Bélgica, na Itália e em Cingapura. Nos últimos tempos, Felipe tem demonstrado bastante confiança na permanência na escuderia mais tradicional da categoria. Depois do pódio em Suzuka, o brasileiro se mostrou mais tranquilo e confiante e afirmou que “tudo está caminhando na direção certa”.

Nos treinos livres desta sexta-feira, na Coreia do Sul, Massa ficou com o sexto melhor tempo do dia. O mais rápido foi o alemão Sebastian Vettel, da RBR. Satisfeito com o desempenho na atividade, Felipe comemorou:

– Eu diria que este fim de semana começou com o pé direito, mas o importante é continuar este caminho até domingo. Nosso carro parece muito bom nesta pista. Vamos nos preparar da melhor forma possível para o treino classificatório, que parece que será muito acirrado.

Longa história com Ferrari

A história de Massa com o time de Maranello começou em 2001, quando o brasileiro teve o passe comprado pela escuderia após o título da F-3000 Europeia, uma das principais divisões de acesso da F-1. Cumpriu uma temporada na Sauber em 2002, mas não caiu nas graças de Peter Sauber e passou o ano seguinte como piloto de testes da Ferrari. Voltou ao time suíço em 2004 e estreou com titular da equipe italiana em 2006, com Michael Schumacher como companheiro. Um ano depois, fez parceria com Kimi Raikkonen, campeão daquele ano.

Em 2008, fez sua melhor temporada, sendo vice-campeão.Venceu seis corridas, mas perdeu o título quando Lewis Hamilton superou Timo Glock na última curva do histórico GP do Brasil. Em 2009, sofreu o mais grave acidente da carreira ao ser atingido por uma mola do carro do amigo Rubens Barrichello nos treinos classificatórios do GP da Hungria. De fora do restante da temporada, retornou às pistas no ano seguinte, já com Alonso como parceiro.

Após um campeonato discreto, enfrentou um jejum de pódios que durou do GP da Coreia de 2010 até a corrida de Suzuka do último domingo. Massa tem 167 GPs disputados,11 vitórias, 34 pódios e 15 pole positions.

Globoesporte.com

Veneziano Vital transfere para quarta solenidade de anúncio de novos secretários

 

A solenidade de anúncio dos novos secretários e coordenadores da Prefeitura de Campina Grande, inicialmente marcada para esta segunda-feira, 16, foi transferida para a próxima quarta-feira, 18, a partir das 9h, no Gabinete do Prefeito.

Com a saída de auxiliares que vão disputar as eleições de outubro para vereador, o prefeito de Campina Grande, Veneziano Vital do Rêgo, necessitou promover esta reforma do seu secretariado.

Do primeiro escalão deixaram as pastas Flávio Romero (Educação), Metuselá Agra (Juventude, Esportes e Lazer), Hermano Nepomuceno (secretário executivo do prefeito) e Perón Japiassú (presidente da Urbema).

“Diante das desincompatibilizações, nós iremos anunciar nesta segunda-feira os nossos novos auxiliares. Quero agradecer a todos os colaboradores e que todos tenham sucesso nas eleições”, asseverou Veneziano.

Nos escalões inferiores, desincompatibilizaram-se dos cargos os coordenadores Felipe Gaudêncio (Juventude) e Lídia Moura (Articulação Política), além dos administradores dos distritos, David Mangueira (São José da Mata) e José Nildo “Galego do Leite” (Catolé de Boa Vista) e Hércules Lafite, diretor de arrecadação da Secretaria de Finanças. Entre os assessores das secretarias e do Gabinete do Prefeito, deixaram a PMCG Saulo Germano, Hélio Chaves e Alcindor Villarim, entre outros.

A Secretária de Saúde, Tatiana Medeiros, pré-candidata a prefeita, não se afasta neste momento da estrutura administrativa, bem como o secretário de Finanças, Júlio César Cabral, pré-candidato a prefeito de Fagundes. O afastamento de ambos se dará em outro momento.

Assessoria para o Focando a Notícia