Arquivo da tag: amarela

Com 86% das cidades em bandeira amarela, nova avaliação do Plano Novo Normal faz recomendações às atividades educacionais e começa a vigorar nesta segunda (10)

O Governo da Paraíba divulgou neste sábado (8) a 5ª avaliação do Plano Novo Normal para Paraíba, que passa a vigorar na próxima segunda-feira (10). Dos 223 municípios, 191 (86%) estão na bandeira amarela, incluindo a capital, João Pessoa, Cabedelo, Campina Grande, Patos e Guarabira; 23  municípios (10%)  na bandeira laranja, incluindo Bayeux e Santa Rita e,  9 municípios (4%)  na bandeira verde.  A Avaliação, protocolos e notas técnicas podem ser acessados no link paraiba.pb.gov.br/diretas/saude/coronavirus/novonormalpb

Nesta 5ª avaliação é importante destacar que parte significativa dos municípios que se encontravam em bandeira amarela na 4ª avaliação permanece nesta condição observando-se um discreto crescimento de 83% para 86% dos municípios paraibanos nesta bandeira. Mais uma vez constatou-se transição majoritária das demais bandeiras para bandeira amarela, com crescimento de 3% nesta última avaliação. A bandeira laranja permaneceu estável com 10% dos municípios paraibanos, já a bandeira verde demonstrou ligeiro decréscimo de 7% para 4% dos municípios paraibanos.

A Nota Técnica de avaliação e análise de transição das bandeiras recomenda robusto incentivo e ampla divulgação, com promoção diária das medidas não farmacológicas de combate à Covid-19, por parte das autoridades sanitárias municipais.

O secretário Executivo da Saúde, Daniel Beltrammi, reforçou  que “as mais eficazes medidas protetivas da população são o uso ostensivo de máscaras, a lavagem das mãos e a manutenção do distanciamento social o quanto possível, ante aos diferentes cenários de retomada das atividades produtivas na Paraíba. Tais retomadas devem ocorrer, preferencialmente, em atenção aos protocolos definidos pelas autoridades sanitárias competentes”. Neste sentido, a Secretaria de Estado da Saúde disponibiliza um importante conjunto de protocolos em seu portal destinado à Covid-19 (https://paraiba.pb.gov.br/diretas/saude/coronavirus/protocolos-sanitarios ).

A Nota também traz alterações sobre a recomendação de funcionamento de atividades de Bares, Restaurantes e Academias nos municípios com bandeira amarela, que passam  a funcionar, observada a adoção de novos protocolos.

Beltrammi afirma ainda ser de fundamental importância que todos municípios paraibanos desdobrem os esforços necessários para frenar qualquer tendência de rápido crescimento e acúmulo de casos e óbitos da Covid-19, “o que certamente colaborará para o sucesso do combate e a mais célere atenuação dos efeitos negativos da pandemia da Covid-19 em todo Estado”.

Recomendações relacionadas às atividades educacionais 

A Secretaria de Estado da Saúde também divulgou Nota Técnica sobre as atividades educacionais de forma presencial, recomendando que não sejam retomadas qualquer espécie de atividades de ensino regular nesse momento.  A Nota afirma que “a retomada das atividades educacionais são certamente o maior desafio que todo o mundo tem enfrentado em tempos de Pandemia da Covid-19”. Só na Paraíba, as análises das matrículas realizadas nas redes públicas estaduais e municipais, da educação infantil ao ensino básico, reúnem mais de 575.000 estudantes. A retomada das atividades educacionais, ainda que de forma lenta e gradual e mesmo que realizada com menores frequências semanais de aulas presenciais, certamente mobilizará contingentes significativos de pessoas, que também passarão a ter convívio mais frequente e próximo, posto que o distanciamento social, que é tarefa de difícil adesão e execução mesmo para adultos, torna-se quase inexequível quando se fala em crianças e adolescentes.

Daniel Beltrammi destaca que, “se 30% destas pessoas mais vulneráveis forem infectadas por estas crianças e adolescentes, majoritariamente portadoras assintomáticas do vírus, uma vez retomadas as atividades presenciais, mesmo que em menor frequência diária de aulas, serão necessários, entre os meses de setembro e dezembro de 2020, pelo menos, mais 254 leitos de UTI disponíveis ao mês e mais 332 leitos de enfermaria, também disponíveis em cada mês, considerando que se mantenham estáveis as atuais demandas por internações pela Covid-19, que também podem variar para mais, em função das retomadas mais vigorosas e já vigentes para outras atividades cotidianas”.

A nota também destaca que é pertinente propor que até que se concluam estudos populacionais promovidos pelas Secretarias de Estado da Saúde e da Educação (já em andamento), que reúnam níveis de acurácia aceitáveis para projeção e análise da prevalência e da incidência da Covid-19 no Estado da Paraíba, não sejam retomadas qualquer espécie de atividades de ensino regular. Propõe-se também que, desde já, sejam construídas e disponibilizadas recomendações preparatórias para retomada lenta e gradual das atividades educacionais presenciais, a serem aplicadas assim que as análises citadas estejam disponíveis e apontem níveis de segurança, que permitam tais retomadas.

Esta recomendação técnica complementa o painel de atividades por bandeira do Plano Novo Normal, uma vez que o retorno das atividades educacionais com novos protocolos e nova definição dos calendários escolares, previsto somente na bandeira verde, também demandará a compreensão acurada quanto ao momento mais oportuno e seguro para esta retomada. Logo os municípios que se encontram em bandeira verde não devem retomar atividades educacionais presenciais, sem que se concluam os estudos propostos.

Ainda segundo a Nota Técnica,  será permitida a retomada das atividades práticas presencias dos cursos de graduação das áreas de saúde em fase de conclusão (últimos 4 semestres do cursos de medicina e últimos 2 semestres dos demais cursos), conforme protocolos vigentes, com vistas a garantir a progressão de seus graduandos concluintes, no intuito de preservar a produção contínua de reservas técnicas de capacidades humanas em saúde, fundamentais para a preservação da vida dos indivíduos que venham a padecer da Covid-19.

Daniel conclui que “a jornada de combate ao novo Coronavírus foi intensa e bastante extenuante até aqui, exigindo o empenho de toda população do Estado”. O secretário também recorda que “em momento algum o sistema de saúde do Estado exauriu-se, posto que nenhuma família paraibana ficou em filas de espera por leitos de enfermaria e de UTI. Inúmeras vidas foram salvas ao garantirmos de forma sustentada os níveis de isolamento social em torno de 40% e também o uso de máscaras e a lavagem das mãos, como práticas cotidianas em nossas vidas. Não podemos retroceder, ou colocar a perder tudo que pudemos conquistar com muito esforço pessoal e coletivo na Paraíba”.

 

WSCOM

 

 

Nova avaliação aponta que Bananeiras, Solânea e mais 180 municípios da PB estão com bandeira amarela

Dados apontam que 182 (82%) municípios da Paraíba possuem bandeira amarela; 23 (10%) bandeira verde; e 18 (8%) bandeira laranja, de acordo com o ’Plano Novo Normal’, do Governo da Paraíba. Nenhum município da Paraíba obteve a bandeira vermelha na terceira avaliação, que tem vigência entre os dias 13 e 27 de julho. Estes números foram neste sábado (11) e as novas bandeiras que estabelecem a matriz de orientação para a retomada gradual das atividades no estado estão disponíveis na página oficial do plano.

Na avaliação passada, 136 municípios estavam com a bandeira laranja; 79 com bandeira amarela; oito bandeira vermelha; e nenhum obteve a bandeira verde. Nos municípios classificados com bandeira amarela residem 86,95% da população paraibana. Estão inseridos na bandeira, João Pessoa, Campina Grande, Cabedelo, Guarabira, Bananeiras e Solânea. A classificação permite o funcionamento do comércio varejista e do transporte coletivo municipal, de acordo com os protocolos obedecidos pelas autoridades competentes.

Já Bayeux e Santa Rita, na Grande João Pessoa, se mantiveram com bandeira laranja. Princesa Isabel, Matureia e Bonito de Santa Fé, que antes estavam na bandeira amarela, passaram agora para a bandeira laranja e devem manter apenas o funcionamento de atividades essenciais, sem a necessidade de restrição de circulação de pessoas.

Os municípios de Barra de Santana, Belém do Brejo do Cruz, Matinhas, Santo André e São João do Rio do Peixe estão com sinalização verde, o que permite a retomada de todos os segmentos da atividade econômica, exceto atividades escolares e acadêmicas presenciais, levando em consideração os protocolos recomendados pelas autoridades sanitárias para cada área.

As cores das bandeiras ajudam os gestores municipais na tomada de decisões acertadas para evitar o aumento da propagação do novo coronavírus, permitindo o retorno seguro e paulatino das atividades econômicas, levam em consideração as taxas de obediência ao isolamento, progressão de casos novos da Covid-19 e ocupação hospitalar e são analisadas cumulativamente em intervalos de 15 dias.

Laranja e Vermelha

Nos municípios sinalizados com bandeira laranja e vermelha, podem funcionar atividades essenciais, como agropecuária; cadeia produtiva e atividades acessórias essenciais; bancos, casas lotéricas, correspondentes bancários e seguradoras; empresas de telecomunicação, comunicação e imprensa; distribuidoras e geradoras energia, atividades de extração, produção, siderúrgica e afins; transporte, armazenagem, empresas de logística, Correios e manutenção de veículos automotores; supermercados e afins; serviços de Saúde; tratamento de água e esgoto e coleta de resíduos; administração pública (observada a adoção regimes home office), além dos já sinalizados com adequações para funcionamento.

Amarela

Nos municípios com bandeira amarela, funcionam os já autorizados nas bandeiras vermelha e laranja, além de hotéis, pousadas e afins; comércio; shoppings centers; comércio popular (camelôs) e serviços em geral; escolinhas de esporte sem contato físico (natação e tênis, por exemplo).

Verde

Todos os segmentos da economia e da sociedade podem retomar suas atividades nos municípios que se encontram na bandeira verde, observando a adoção de protocolos operacionais para funcionamento das diversas atividades, que terão como foco a proteção do indivíduo, que deve evitar o contato entre pessoas; ambientes fechados e confinados e aglomerações, mesmo ao ar livre.

Flexibilização

Estão liberados para o funcionamento, em qualquer bandeira, salões de beleza e barbearias, atendendo exclusivamente por agendamento prévio e sem aglomeração de pessoas nas suas dependências e observando todas as normas de distanciamento social; shoppings centers, exclusivamente para entrega de mercadorias por meio de (delivery), inclusive por aplicativos, e como pontos de retirada de mercadorias (drive trhu), vedado, em qualquer caso, o atendimento presencial de clientes dentro das suas dependências; as lojas e estabelecimentos comerciais, exclusivamente para entrega de mercadorias (delivery); missas, cultos e demais cerimônias religiosas poderão ser realizadas online, por meio de sistema de drive-in e nas sedes das igrejas e templos, neste caso com ocupação máxima de 30% da capacidade e observando todas as normas de distanciamento social; hotéis, pousadas e similares, exclusivamente para atendimentos relacionados à pandemia do novo coronavírus; estabelecimentos que trabalham com locação de veículos; e treinamentos de atletas profissionais, observando todas as normas de distanciamento social.

G1

 

Ministério da Saúde faz alerta sobre febre amarela

O Ministério da Saúde alerta quem ainda não se vacinou contra a febre amarela a buscar a imunização contra a doença. O alerta é dirigido especialmente à população das regiões Sul e Sudeste, que estão no centro da atenção dos especialistas depois que 38 macacos contaminados morreram nos estados do Paraná, de Santa Catarina e São Paulo.

Ao todo, 1.087 notificações de mortes suspeitas de macacos foram registradas no país. Os dados são do boletim epidemiológico divulgado nesta quarta-feira (15) pelo Ministério da Saúde, que apresenta o monitoramento da doença de julho de 2019 a 8 de janeiro deste ano. O alerta se dá porque o Sul e o Sudeste são regiões de grande contingente populacional e baixo número de pessoas vacinadas, o que contribui diretamente para os casos da doença.

O público-alvo para vacinação inclui desde crianças a partir de 9 meses de vida até pessoas com 59 anos de idade que não tenham comprovante de vacinação. Neste ano, as crianças passam a receber um reforço da vacinação aos 4 anos de idade.

Casos em investigação

No mesmo período, foram notificados 327 casos suspeitos de febre amarela em humanos. Destes, 50 permanecem em investigação, e um foi confirmado. A vítima, residente do estado do Pará, faleceu.

Atualmente, o Brasil tem registros apenas de febre amarela silvestre, ou seja, transmitida por mosquitos que vivem no campo e em florestas. Os últimos casos de febre amarela urbana (transmitida pelo mosquito Aedes aegyptii) foram registrados em 1942, no Acre.

Monitoramento

Segundo o Ministério da Saúde, o vírus da febre amarela se mantém naturalmente em um ciclo silvestre de transmissão, que envolve macacos e mosquitos silvestres. A pasta realiza um monitoramento para antecipar a ocorrência da doença e, dessa forma, intervir para evitar casos humanos, por meio de vacinação. Além disso, atua de forma a evitar a transmissão por mosquitos urbanos, com o controle de vetores nas cidades. O macaco, principal hospedeiro e vítima da febre amarela, funciona como sentinela, indicando se o vírus está presente em determinada região.

Vacina

A vacina contra a febre amarela está no Calendário Nacional de Vacinação e é distribuída mensalmente aos estados. No ano passado, mais de 16 milhões de doses da vacina foram distribuídas para todo o país. De acordo com Ministério da Saúde, apesar dessa disponibilidade, é baixa a procura da vacina pela população.

Para este ano, a pasta já adquiriu 71 milhões de doses da vacina, o suficiente para atender o país por mais de três anos. Está prevista para 2020 a ampliação gradativa da vacinação contra febre amarela para 1.101 municípios dos estados do Nordeste que ainda não faziam parte da área de recomendação de vacinação. Dessa forma, todo o país passa a contar com a vacina contra a febre amarela na rotina dos serviços.

 

Agência Brasil

 

 

Bandeira tarifária da conta de luz continuará amarela

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) divulgou nesta sexta (27) que a bandeira tarifária para a conta de luz janeiro de 2020 continuará amarela, o que significa um custo extra de R$ 1,343 para cada 100 quilowatts-hora consumidos.

De acordo com a Aneel, “a bandeira permanece amarela em razão do baixo nível de armazenamento dos principais reservatórios do Sistema Interligado Nacional (SIN) e pelo regime de chuvas significativamente abaixo do padrão histórico”.

O sistema de bandeiras tarifárias foi criado no ano de 2015 e utiliza as mesmas cores dos semáforos (verde, amarela e vermelha) para indicar se haverá ou não acréscimo no valor da energia a ser repassada ao consumidor final, em função das condições de geração de eletricidade.

No caso da bandeira amarela, a indicação é de condição intermediária de geração de energia nas usinas hidrelétricas, por causa do volume de água nos reservatórios. A previsão é de que as chuvas no primeiro mês de 2020 vão elevar gradativamente o nível de água dos principais reservatórios, mas ainda em patamares abaixo da média histórica.

A situação exige o acionamento das usinas termelétricas, movidas a petróleo e mais onerosas, “com impactos diretos na formação do preço da energia (PLD) e nos custos relacionados ao risco hidrológico (GSF)”, assinala a Aneel. Assim a tarifa terá acréscimo de R$ 0,01343 para cada quilowatt-hora (kWh) consumido em relação aos preços quando a bandeira é verde.

Janeiro é mês de verão e apresenta aumento de temperaturas, inclusive no litoral brasileiro – mais procurado no período por causa das férias escolares. O calor da temporada pode elevar o consumo de energia com o aumento do uso de equipamentos como o ar-condicionado.

Para uso desses aparelhos, a Aneel recomenda: “não deixar portas e janelas abertas em ambientes com ar condicionado; manter os filtros limpos; diminuir ao máximo o tempo de utilização do aparelho de ar condicionado; e colocar cortinas nas janelas que recebem sol direto”.

 

Agência Brasil

 

Acidente deixa cinco mortos na Linha Amarela, no Rio

Um carro de passeio com oito jovens bateu em um muro na Zona Norte do Rio no fim da madrugada deste domingo (8). Cinco morreram na hora.

O acidente foi por volta das 6h na Saída 2 da Linha Amarela. O carro vinha de uma festa na Barra da Tijuca e seguiria para o Méier, mas acabou colidindo na Rua Ramiro Magalhães.

Os outros três passageiros saíram feridos e foram levados para o Hospital Salgado Filho, no Méier, e receberam alta ainda pela manhã.

As vítimas

Mortos

  1. Alex, de 20 anos, o motorista;
  2. Guilherme Moreira, de 20 anos;
  3. Italo Ribeiro, de 21 anos;
  4. Juan Carlos, de 24 anos;
  5. Taisa Castro, de 21 anos.

Feridos

  1. Douglas Silva, de 21 anos;
  2. Juliana Oliveira, de 25 anos;
  3. Tamires Carneiro, de 20 anos.
Carro em que jovens estavam ficou destruído — Foto: Reprodução/TV Globo

Carro em que jovens estavam ficou destruído — Foto: Reprodução/TV Globo

Tamires Carneiro, de 20 anos, perdeu o namorado e o cunhado no acidente — Foto: Reprodução/TV Globo

Tamires Carneiro, de 20 anos, perdeu o namorado e o cunhado no acidente — Foto: Reprodução/TV Globo

‘Estava todo mundo bêbado’

Tamires conta que ela, o namorado, o irmão dele e amigos foram a uma festa no Espaço Hall, antigo Barra Music, na Avenida Ayrton Senna.

“Quando terminou a festa, tinha oito pessoas. Um estava com carro. Pedi para o meu namorado para a gente não ir de carro. Estava todo mundo bêbado”, lembrou.

“A gente estava com dinheiro, podia pegar um Uber, um 99, um táxi, qualquer coisa, para ir para casa. Só que o irmão dele estava lá, e ele não queria deixar o irmão dele… aí nós fomos”, continuou.

“Só que o menino, na curva, foi fazer graça. A gente falou para ele não acelerar. Ele acelerou o carro, virou na esquina, freou. Dois perderam a cabeça, o resto morreu, só sobramos eu e mais dois”, emendou, chorando.

Carro bateu na Saída 2 da Linha Amarela, na Zona Norte do Rio — Foto: Reprodução/Redes sociais

Carro bateu na Saída 2 da Linha Amarela, na Zona Norte do Rio — Foto: Reprodução/Redes sociais

Mapa localiza onde foi a batida deste domingo (8) — Foto: Infografia: Eduardo Pierre/G1

Mapa localiza onde foi a batida deste domingo (8) — Foto: Infografia: Eduardo Pierre/G1

 

 

G1

 

 

Paraíba terá vacinação contra febre amarela em 2020

Foi publicado na edição do Diário Oficial do Estado (DOE) desta sexta-feira (6) o Plano de Implantação da Vacina de Febre Amarela na Paraíba. A iniciativa tem por objetivo neutralizar o corredor ecológico de risco para possível introdução da febre amarela na região Nordeste.

De acordo com o plano, a Secretaria de Saúde deverá atuar para a capacitação do profissionais atuantes nas salas de vacina dos municípios para o manuseio da vacina. A imunização será iniciada para atender aos grupos de risco, estabelecida da seguinte forma:

* Implantação da vacina para crianças de 9 meses a menores de 5 anos nas regiões que fazem parte do corredor de risco para a introdução do vírus, totalizando 154.386 crianças- entre janeiro e maio de 2020;

* Implantação da vacina para crianças de 9 meses a menores de 5 anos nas demais regiões do Estado, totalizando 123.030 crianças- entre agosto e dezembro de 2020;

* Ampliação gradativa das demais faixas etárias, até 59 anos, totalizando 3.064.613 pessoas- todo a ano de 2021.

Confira abaixo como será feito o processo de implantação da vacinação, a partir do próximo ano.

A área em laranja indica os municípios onde será iniciada a vacinação. Já a área em branco mostra a segunda etapa de introdução do procedimento no estado.

Alexandre Freire

 

 

Contas de energia terão bandeira amarela em todo o país no mês de outubro

As contas de energia terão bandeira amarela, a partir desta terça-feira (1°), em todo o país. As informações são da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Dessa forma, a tarifa sofre acréscimo de R$ 1,50 a cada 100 quilowatt-hora (kWh) consumidos. A medida representa uma redução em relação aos meses de agosto e setembro, quando a agência adotou a bandeira tarifária vermelha, no patamar 1, com acréscimo de R$ 4 para cada 100 kWh consumidos.

Segundo a agência, a mudança da bandeira vermelha para amarela ocorre pela previsão do aumento das chuvas em outubro. “A previsão hidrológica para o mês sinaliza elevação das vazões afluentes aos principais reservatórios, o que também permitirá reduzir a oferta de energia suprida pelo parque termelétrico”, disse a Aneel, em nota.

Criado pela Aneel, o sistema de bandeiras tarifárias sinaliza o custo real da energia gerada, possibilitando aos consumidores o bom uso da energia elétrica. O funcionamento das bandeiras tarifárias é simples: as cores verde, amarela ou vermelha (nos patamares 1 e 2) indicam se a energia custará mais ou menos com base nas condições de geração.

O cálculo para acionamento das bandeiras tarifárias leva em conta, principalmente, dois fatores: o risco hidrológico– GSF, na sigla em inglês, e o preço da energia (PLD). Segundo a agência, o cenário favorável reduziu o preço da energia para o patamar mínimo, o que “diminui os custos relacionados ao risco hidrológico e à geração de energia de fontes termelétricas”, possibilitando a manutenção dos níveis dos principais reservatórios próximos à referência atual.

 

Agência Brasil

 

 

Contas de energia terão bandeira amarela em julho

A bandeira tarifária utilizada como referência nas contas de luz do mês de julho será a amarela. O anúncio foi feito nesta sexta-feira (28) em comunicado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Com a medida, as cobranças terão um acréscimo de R$ 1,50 para cada 100 quilowatts-hora consumidos.

O adicional retorna às contas após a autoridade reguladora ter definido bandeira verde em junho, situação em que não é cobrado acréscimo nas contas. No comunicado, a Aneel justificou a bandeira amarela pelo fato de julho ser um mês “típico da seca nas principais bacias hidrográficas do país”.

“A previsão hidrológica para o mês sinaliza vazões abaixo da média histórica e tendência de redução dos níveis dos principais reservatórios. Esse cenário requer o aumento da geração termelétrica, o que influenciou o aumento do preço da energia (PLD) e dos custos relacionados ao risco hidrológico (GSF) em patamares condizentes com o da Bandeira Amarela”, justificou a agência.

O sistema de bandeiras tarifárias foi criado, de acordo com a Aneel, para sinalizar aos consumidores os custos reais da geração de energia elétrica. O funcionamento das bandeiras tarifárias tem três cores, a verde, a amarela e a vermelha (nos patamares 1 e 2), que indicam se a energia custará mais ou menos em função das condições de geração.

O cálculo para acionamento das bandeiras tarifárias leva em conta, principalmente, dois fatores: o risco hidrológico e o preço da energia. Os recursos pagos pelos consumidores vão para uma conta específica e depois são repassados às distribuidoras de energia para compensar o custo extra da produção de energia em períodos de seca.

No dia 21 de maio, a Aneel aprovou um reajuste no valor das bandeiras tarifárias. Com os novos valores, caso haja o acionamento da bandeira amarela, o acréscimo cobrado na conta passou de R$ 1 para R$ 1,50 a cada 100 kWh consumidos. Já a bandeira vermelha patamar 1 passou de R$ 3 para R$ 4 a cada 100 kWh e no patamar 2, passou de R$ 5 para R$ 6 por 100 kWh consumidos. A bandeira verde não tem cobrança extra.

 

 

Agência Brasil

 

 

PB terá mais de 3 milhões de vacinas para febre amarela

A vacina contra febre amarela fará parte da rotina da Paraíba a partir de março de 2019. A decisão foi anunciada, na terça-feira (20), pelo Ministério da Saúde, que passa a recomendar a vacina para todo o Brasil. A resolução foi tomada para que a vacina chegue a alguns estados do Nordeste, Sul e Sudeste que não faziam parte das áreas de recomendação. A ampliação irá ocorrer de forma gradual em todo o país. Apenas São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia manterão a campanha com base nas doses fracionadas.

Na Paraíba, a meta é vacinar 3.085.988 pessoas dos 223 municípios. De acordo com o Ministério da Saúde, a estratégia de ampliação é uma medida preventiva e tem como objetivo antecipar a proteção contra a doença para toda a população em caso de um aumento na área de circulação do vírus. A Secretaria de Estado da Saúde lembra que a Paraíba segue sendo território livre de febre amarela, sem circulação viral. Porém, é necessário que os serviços de saúde públicos e privados estejam atentos a possíveis casos suspeitos.

De acordo com a portaria nº 204/2016 e definição do Ministério da Saúde, indivíduo que apresente quadro febril agudo (até sete dias), de início súbito, acompanhado de icterícia e/ou manifestações hemorrágicas, residente ou precedente de área de risco para febre amarela ou de locais com ocorrência de epizootias em primatas não humanos ou isolamento de vírus vetores nos últimos 15 dias, não vacinado contra febre amarela ou com estado vacinal ignorado, deve ser notificado à Secretaria Municipal de Saúde e Secretaria de Estado da Saúde em até 24 horas.

A vacina contra febre amarela não é recomendada para todos, pois pode causar eventos adversos. São contraindicados à vacina pacientes em tratamento de câncer, pessoas com imunossupressão, além de pessoas que apresentam reação alérgica grave à proteína do ovo. Além disso, a vacinação contra febre amarela impede a doação de sangue por um período de quatro semanas.

O Ministério da Saúde recomenda que as pessoas realizem a doação de sangue antes da vacinação, para a manutenção dos estoques de hemocomponentes.

Portal Correioeio

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Sobe para 98 o número de mortes por febre amarela no Brasil

Febre amarela é transmitida no Brasil principalmente por mosquitos silvestres dos gêneros Haemagogus e Sabethes (Foto: Josué Damacena/IOC/Fiocruz)

O Brasil registrou 353 casos de febre amarela, com 98 mortes, no período de 1º de julho de 2017 a 6 de fevereiro deste ano, segundo o Ministério da Saúde. O boletim divulgado nesta quarta-feira (7) registra 140 casos e 17 mortes a mais do que havia sido contabilizado na semana passada.

Em uma semana, o número de casos aumentou 66%, enquanto a quantidade de óbitos teve alta de 21%. No boletim divulgado no dia 30 de janeiro, o país registrava 213 casos de febre amarela e 81 mortes causadas pela doença.

Apesar do período de referência ter início em 1º de julho do ano passado, a maioria começou a ser registrada a partir da primeira semana de 2018. Para se ter uma ideia, somente este ano foram 351 casos e 97 óbitos.

Ao todo, desde 1º de julho de 2017, foram notificados 1.286 casos suspeitos, sendo que 510 foram descartados e 423 permanecem em investigação. Entre julho de 2016 e 7 de fevereiro de 2017, foram confirmados 509 casos e 159 mortes.

A febre amarela é transmitida por meio de vetor (mosquitos dos gêneros Haemagogus Sabethes no ambiente silvestre). O último caso de febre amarela urbana, quando o transmissor é o mosquito Aedes aegypti, foi registrado no Brasil em 1942. Todos os casos confirmados desde então decorrem do ciclo silvestre de transmissão.

Segundo o Ministério da Saúde, o caso de febre amarela em São Bernardo do Campo (SP) está sendo investigado. Houve temor de que se trataria de caso de febre amarela urbana. A Secretaria de Saúde de São Paulo, que investiga o episódio, descartou essa possibilidade.

“Deve ser observado que o paciente mora na região urbana e possivelmente trabalha na área rural. Qualquer afirmação antes da conclusão do trabalho é precipitada”, diz o boletim divulgado pelo ministério nesta quarta-feira (7). São Bernardo do Campo (SP) é uma das 77 cidades dos três estados do país (São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia) incluídas na campanha de vacinação com dose fracionamento contra a febre amarela.

São Paulo lidera no número de casos e mortes

Com 161 casos confirmados e 41 mortes, São Paulo é o Estado mais afetado pela doença. Mas os dados do Ministério apresentam uma pequena defasagem em relação ao balanço da Secretaria Estadual da Saúde, que aponta 163 casos e 61 mortes em território paulista.

Minas Gerais (157 casos confirmados e 44 mortes) é o segundo Estado mais atingido pelo vírus, seguido do Rio de Janeiro (34 casos confirmados e 12 mortes). Foi confirmado também um caso com óbito no Distrito Federal.

Tanto Rio quanto São Paulo realizam em cidades consideradas de maior risco uma campanha de vacinação com doses fracionadas do imunizante.

Em Minas, Estado que já havia sido muito castigado pela epidemia no ano passado, o fracionamento não é realizado. De acordo com o Ministério da Saúde, isso se deve ao fato de que cidades mineiras já dispõem do quantitativo suficiente para imunizar, com doses integrais, toda população que ainda não foi vacinada.

Há casos da doença em investigação no Espírito Santo (22), Goiás (15), Paraná (18), Bahia (12), Rio Grande do Sul (11), Santa Catarina (11), Pará (9), Tocantins (6), Amazonas (3), Rondônia (3), Pernambuco (1), Piauí (2), Mato Grosso (1), Mato Grosso do Sul (1), Alagoas (1), Sergipe (1) e Acre (1).Com informações de agências de notícias.

UOL

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br