Arquivo da tag: Alunos

João Azevêdo anuncia alunos selecionados para o Gira Mundo 2019

O governador da Paraíba, João Azevêdo (PSB), no início da noite desta quarta-feira (3), usou seu perfil numa rede social para anunciar os alunos selecionados para o Gira Mundo.

Ao todo, 280 alunos do 2º ano do Ensino Médio irão participar de intercâmbio estudantil em países como a Argentina, o Canadá, o Chile, a Colômbia e a Espanha.

Os candidatos podem ter acesso à lista através do Portal da Cidadania, clicando na aba Relação Final da 3ª etapa do Gira Mundo 2019.

Os estudantes selecionados cursarão no país de destino o correspondente a um semestre letivo, com duração em torno de cinco meses, em escolas de nível médio, com data de embarque previsto para o segundo semestre 2019. Receberão bolsas de manutenção no valor total de R$ 4.500,00, além de seguro de saúde durante o período que estiver residindo no país de destino. A acomodação será em casa de família residente na localidade definida para o intercambista.

O Programa – Com início em 2016, o programa já contemplou 350 estudantes da rede pública sendo 150 para o Canadá, 75 para a Espanha, 50 para Portugal e 25 para a Argentina, um investimento de mais de R$ 11 milhões.

PB Agora

 

 

 

Vereador Kilson Dantas (PSB) solicita transporte universitário para alunos de Bananeiras no período diurno

Em Sessão Ordinária da Casa Odon Bezerra, realizada na última terça-feira (26), o vereador Kilson Dantas (PSB) teve o requerimento Nº 46/2019 aprovado por unanimidade, onde solicitou ao Executivo local transporte universitário para as faculdades de Guarabira e Campina Grande no turno da manhã.

Representando os estudantes universitários de Bananeiras e tentando atender a apelos de famílias bananeirenses, que tem filhos no processo de qualificação profissional em universidades nas cidades de Guarabira e Campina Grande, o parlamentar solicita do gestor publico o transporte para as universidades. Mesmo ciente que o município já disponibiliza o transporte de universitários no horário noturno e justificando que não é de obrigação do município, solicita a sensibilidade do gestor para atender a apelos com relação à demanda que aumentou para o ano em curso.

O mesmo citou em sua fala a importância do transporte universitário que se torna mais que necessário para que os filhos de Bananeiras possam se qualificar e melhorar sua vida. Outros parlamentares fizeram uso do momento parabenizando o requerimento do vereador Kilson Dantas, aprovando-o por unanimidade, o mesmo agradeceu a atenção dos presentes esperando assim, o atendimento por parte da gestão ao requerimento em questão.

Ascom-CMB

 

Governo cria programa de transporte escolar para alunos da Zona Rural da PB

Um decreto publicado nesta quinta-feira (21) cria o Programa de Transporte Escolar (PTE) para estudantes da rede estadual de ensino na Zona Rural da Paraíba. Os municípios que realizam o transporte de alunos da rede estadual vão receber recursos do Governo do Estado para execução do serviço. O decreto foi publicado no Diário Oficial do Estado desta quinta.

De acordo com o decreto, o valor repassado vai ser aplicado no pagamento de taxas, seguros, pagamentos de despesas com revisão, pneus, câmaras e serviços de mecânica. O município precisa aderir ao programa e depois pode receber o recurso.

As prefeituras são obrigadas a prestarem conta sobre o uso da verba, com o risco de sofrer sanções, como o bloqueio do repasse.

O valor dos recursos que serão repassados pelo Programa, terão como parâmetros a área total do município, de acordo com dados do IBGE, o tipo e as condições de estradas ou rodovias e o número de alunos matriculados nas escolas estaduais em área rual que utilizem transporte escolar, relativo ao ano letivo vigente.

G1

 

Em Tacima, professora utiliza seu décimo terceiro para premiar alunos

A professora de história Aline Martins Belarmino decidiu usar o seu décimo terceiro salário para premiar os alunos que se destacam nas turmas do sexto ao nono ano em sua disciplina. Aline, que também é advogada, exerce a profissão na Escola João Emídio dos Santos no Distrito do Braga de Cima, Município de Tacima, no Curimataú paraibano, desde o ano de 2014, quando foi aprovada em concurso público.

A premiação é feita pela própria professora, que avalia o ato com uma forma de incentivo a educação, onde os alunos que tem os melhores comportamentos e médias durante todo ano letivo são premiados. Entre os brindes, são sorteados viagens, tabletes, medalhas e um envelope com uma quantia em dinheiro.

No ano de 2018 o destaque foi um aluno que havia sido reprovado no ano de 2017, mas esse ano se destacou pelo esforço e comportamento em sala de aula e recebeu a premiação da professora.

A cerimônia é realizada de forma simples, contando apenas com a professora, alunos, um representante familiar de cada premiado e alguns funcionários que são convidados pela professora.

Aline destacou a satisfação de contemplar os alunos. “É uma realização pessoal, pois isso que faço é acreditar que nós quanto professor podemos fazer a diferença na vida do aluno”, destacou.

A professora ainda destacou que por ensinar em uma comunidade carente, afastada dos grandes centros percebe que parte dos alunos não visualizam a educação como perspectiva para o futuro.

“ACREDITO QUE O INCENTIVO DAS PREMIAÇÕES, PODE FAZER COM QUE ELES PERCEBAM NO PRESENTE ALGO QUE SÓ PERCEBERIAM EM UM FUTURO DISTANTE, MOSTRAR QUE A EDUCAÇÃO VALE A PENA HOJE E CONSEQUENTEMENTE QUANDO SE PEGA GOSTO PELO ESTUDO, CONHECIMENTO, TEREMOS UM FUTURO MELHOR”.

A professora destaca que consegue fazer a premiação devido a sua outra profissão de advogada, onde ela “sacrifica” seu salário para propor aos alunos um momento que certamente ficará marcado na vida de cada um.

“APESAR DE ESTAR EM UM CARGO COM REMUNERAÇÕES, QUE TEM MELHORADO A CADA DIA, MAS INFELIZMENTE SE DEPENDESSE APENAS DO SALÁRIO DE PROFESSORA NÃO SERIA POSSÍVEL REALIZAR ESTE PROJETO. FAÇO ISSO COM MUITA ALEGRIA E SEM NENHUM CONSTRANGIMENTO E GOSTARIA DE TER CONDIÇÕES DE FAZER MUITO MAIS PELOS ALUNOS QUE PASSAM O ANO INTEIRO COMIGO”.

A projeto é intitulado como “Estrelinhas” e acontece todos os finais de ano.

Confira algumas fotos:

Colaborou Áecio de Oliveira

portaldobrejo

 

Aumenta número de alunos do ensino médio em tempo integral

O número de alunos matriculados no ensino médio integral em todo o país aumentou 1,5 ponto percentual entre 2016 e 2017. Dados do Censo Escolar 2017 divulgados hoje (31) pelo Ministério da Educação (MEC) apontam que 7,9% dos estudantes frequentaram essa modalidade de ensino no ano passado, contra 6,4% no ano anterior.

Ampliar o tempo de permanência do aluno nas escolas é um dos objetivos do da chamada reforma do ensino médio, sancionada pelo presidente Michel Temer em fevereiro do ano passado. No último dia 17, o governo anunciou a liberação de R$ 406 milhões para o Programa de Fomento às Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. O recurso será destinado às 27 unidades da federação ao longo de 2018.

“[O ensino médio] continua sendo o maior desafio da educação brasileira”, disse a ministra interina da Educação, Maria Helena Guimarães de Castro, ao destacar que a Base Nacional Comum do ensino médio será encaminhada ao Conselho Nacional de Educação em março. “A reforma do ensino médio tem por objetivo torná-lo mais atrativo e mais alinhado com o ensino médio do mundo inteiro”, completou.

Queda nas matrículas

Os dados do Censo Escolar, divulgados nesta quarta-feira, mostram ainda que, dos 48,6 milhões de matrículas feitas no ano passado em escolas de todo o país, 7,9 milhões foram no ensino médio, contra 8,1 milhões na mesma modalidade em 2016.

De acordo com o MEC, a tendência de queda observada nos últimos anos deve-se tanto a uma redução da entrada proveniente do ensino fundamental (a matrícula do 9º ano caiu 14,2% de 2013 a 2017) quanto à melhoria no fluxo no ensino médio (a taxa de aprovação do ensino médio subiu 2,8 pontos percentuais de 2013 a 2017).

Na avaliação da ministra interina, o ensino médio aparece como uma espécie de grande gargalo da educação básica brasileira. “Por isso, a prioridade da agenda do governo foi uma série de ações, como a base comum curricular, que vai melhorar esse quadro. Essas políticas apresentarão resultado mais para a frente, mas são fundamentais para que o aluno não desista do ensino médio”, concluiu.

 Agência Brasil

Câmara de Bananeiras aprova Projeto de Lei que propõe exames de audiometria e oftalmológico para alunos da rede pública municipal

Na última Sessão Ordinária (10), a Câmara Municipal de Bananeiras (CMB) aprovou o Projeto de Lei N° 19/2017, de autoria do vereador Kilson Dantas (PSB). O Projeto dispõe sobre exames de audiometria e oftalmológico para os alunos da rede pública de ensino do município.

De acordo com o Projeto, as responsabilidades para a realização dos exames serão da Secretaria de Saúde, de modo que a Prefeitura Municipal de Bananeiras deverá disponibilizar condições ambulatoriais adequadas para realizá-los, onde tal medida poderá detectar possíveis deficiências adquiridas, principalmente no período escolar.

A avaliação médica sugerida pelo Projeto visa determinar as condições clínicas dos alunos para que não haja comprometimento no desenvolvimento das atividades escolares, ressaltou Kilson Dantas.

Diante de possíveis doenças oftalmológica ou que atinjam o aparelho auditivo, a Secretaria deverá disponibilizar tratamento adequado, com a atenção médica específica. O projeto ainda trata sobre a aquisição de óculos ou até mesmo de prótese auditiva, isso em casos devidamente comprovados em que os pais não possuam condições financeiras.

Na certeza da colaboração dessa propositura para o futuro dos alunos da rede pública do município, o Projeto segue para avaliação e sanção do Prefeito Douglas Lucena (PSB). Acompanhe na íntegra a redação do Projeto de Lei.

camarabananeiras

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Mais de 15 mil alunos saíram da UEPB por causa das greves

Mais de 15 mil alunos da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) se desligaram da instituição entre 2013 e 2016, período, durante o qual foram deflagradas duas greves de professores e servidores técnico-administrativos. Dados da Pró-Reitoria de Graduação atestam que entre 2013 e 2016, 15.128 alunos se desligaram da UEPB, apresentando como motivo, a indefinição sobre a conclusão dos cursos nos quais se matricularam.

De acordo com o professor Eli Brandão, Pró-Reitor de Graduação da UEPB, os cursos campeões de evasão de estudantes foram os de licenciatura. Os cursos de Odontologia, Psicologia, Fisioterapia, Direito, no Campina Grande; e Engenharia Civil, no Campus de Araruna, são os mais concorridos e segundo o pró-reitor registraram menos evasão motivada pelas greves.

No caso específico dos cursos da área de Saúde, no entendimento do professor Eli Brandão, a parcela dos alunos que pediram desligamento migrou para instituições privadas. “Esses estudantes conseguiram bolsas do Prouni, na certeza de sua absorção pelo mercado de trabalho depois de graduados”, disse.

O professor Eli Brandão explicou que, se a greve for suspensa ainda neste mês, dias letivos terão que ser repostos, mas os estudantes não terão férias de meio de ano. As aulas do primeiro semestre de 2017 serão retomadas em agosto. “Se houver mais uma semana de greve o semestre 2017.1 só poderia ser iniciado em 2018”, salientou Eli Brandão.

Em média, 20% dos alunos matriculados têm cancelado suas matrículas na Instituição e migrado para outras universidades com maior estabilidade no que diz respeito ao cumprimento do período letivo sem interrupção das aulas. , explicou o Pró- Reitor de Graduação.

“Estamos com o semestre irregular por causa das greves anteriores e com a situação se agravando com a atual greve. Quando estamos fazendo uma chamada, ela coincide com outras chamadas do Sistema de Seleção Unificada (SiSU). Agora vai começar o SiSU II, com a entrada regular em agosto, e nossa entrada do 2017.1 ainda nem começou. Então esse estudante que no ano passado fez o Enem entendia que o período 2017.1 iria começar em maio, por mais que estivesse atrasado. Mas chegamos ao meio do ano sem definição e esse aluno tem entrado no SiSU II para outra universidade. Cada vez mais temos registrado alunos que foram aprovados para o 2017.1, mas como o período não começou eles concorreram no SiSU II e estão pedindo cancelamento de sua matricula na UEPB para ir para outra Instituição”, comenta o pró-reitor.

pbagora

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

UEPB quer renovar contratos com professores substitutos após greve e nega reprovação de alunos

A Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) informou nesta segunda-feira (15) que os contratos com cerca de 430 professores substitutos não poderão ser renovados até que a greve acabe. Esses professores, que são temporários, foram desligados da instituição no último dia 12, data em que encerrou-se o prazo dos contratos, que têm caráter emergencial, portanto, com prazo determinado.

Os contratos com os professores substitutos são firmados especificamente para a atividade docente, que é o objeto do contrato, por isso é preciso aguardar o fim da greve. Os contratos já haviam sido renovados, foram todos aditados em novembro de 2016, tendo como limite o final planejado do semestre letivo 2016.2.

O procurador-geral da universidade, Ebenezer Pernambucano, negou boatos de que os alunos seriam reprovados devido ao desligamento dos professores substitutos. Segundo ele, ao término da greve, os professores serão contratados pelo período que falta para concluir. O limite dos prazos dos contratos havia sido planejado para o final do semestre letivo. “Eles fizeram um processo seletivo que garante a eles o prazo de até dois anos para renovação desses contratos”, explicou o procurador-geral da universidade, Ebenezer Pernambucano. Os professores da UEPB estão em greve desde 12 de abril. O período letivo 2016.1 da UEPB seria encerrado no dia 10 de maio e o início do período 2017.1 seria no dia 29 de maio.

O reitor da UEPB, professor Antonio Guedes Rangel Junior, adiantou, no entanto, que o ano letivo já está comprometido até 2020.”Nós tínhamos uma previsão de normalizar completamente o período do ano letivo em 2019, que se iniciaria dentro da normalidade se não tivesse greve. Como a greve já ultrapassa 30 dias, 2019 já não há como começar normal, ou seja, provavelmente a gente só normalize o ano letivo se voltar rapidamente da greve”, disse Rangel.

O reitor também informou que o concurso público para servidores técnicos administrativos seguem outra lógica, portanto continua com sua previsão para este ano. “Continuamos trabalhando com a perspectiva da remoção interna dos técnicos e somente quando concluirmos o processo teremos noção da proposta de concurso público, e de docentes também, continuamos avançamos nas análises, mas para realizar qualquer concurso, somente depois que voltarem as atividades”, informou.

clickpb

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

UEPB entra em greve a partir do dia 12 e deixa cerca de 18 mil alunos sem aula

uepbCerca de 18 mil alunos vão ficar sem aula a partir de quarta-feira (12) após os professores da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) aprovarem, nesta quinta-feira (6), greve por tempo indeterminado.

A decisão foi tomada em assembleia da categoria, realizada na sede da Associação dos Docentes da UEPB (ADUEPB), em Campina Grande. Segundo a assessoria da ADUEPB, a greve vai atingir todos os campi da instituição.

As principais reivindicações da categoria são: reajuste de 23,51% nos salários, retorno do pagamento integral do duodécimo aprovado pela Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), mas que não vem sendo cumprido pelo Estado e revogação da portaria de corte de gastos.

Ainda segundo a assessoria da ADUEPB, a categoria aguarda posicionamento do governo do Estado sobre um pedido de reunião para abertura de diálogo sobre as reivindicações.

Por Halan Azevedo

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Alunos ficam feridos após teto de sala de aula da UEPB cair, em Guarabira

 (Foto: Arte/Ewerton Douglas/Arquivo pessoal)
(Foto: Arte/Ewerton Douglas/Arquivo pessoal)

Dois estudantes do curso de direito ficaram feridos, após parte do reboco do teto da sala de aula onde eles estavam caiu durante uma avaliação em grupo na cidade de Guarabira, no Agreste paraibano, na segunda-feira (20). Segundo o aluno Bruno Vinícius, que foi atingido na cabeça, o acidente aconteceu no Centro de Humanidades do Campus III da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB).

Segundo o diretor do campus de Guarabira, Valdecir Ferreira Chagas, a sala onde aconteceu o acidente está interditada e os alunos estão tendo aulas em outro setor. Ainda de acordo com o diretor, um engenheiro da UEPB vai até o local nesta terça (21) ou quarta-feira (22) para fazer uma vistoria.

O estudante conta que o teto desabou por volta das 13h30. “Estávamos fazendo uma atividade avaliativa em grupo, eu e mais dois colegas. Quando a professora entregou as atividades e a gente começou a responder, o teto começou a desabar. O nosso grupo estava justamente no local que estava caindo e quando começou a correria na sala, o reboco desabou de vez. Minha colega foi atingida no braço e no ombro e boa parte do entulho caiu sobre minha cabeça”, explica Bruno Vinícius.

O jovem explica que funcionários do centro realizaram os primeiros socorros e chegaram a acionar o Corpo de Bombeiros, mas a unidade estava em atendimento e os jovens foram levados para o Hospital Regional de Guarabira por outros estudantes. “No local, fomos medicados, ficamos em observação por algumas horas e fomos liberados por volta das 19h. Apesar de medicado, ainda nesta terça, acordei com dores de cabeça”, explica o estudante.

Segundo Bruno Vinícius, outros problemas de estrutura já foram identificados no centro, e a diretoria chegou a ser acionada para realizar reparos. “Ano passado, por exemplo, caiu um ventilador de teto e em outra ocasião, o gesso de uma sala caiu e saiu um gato de dentro do telhado. Os alunos sempre reclamam destas coisas”, explica.

O diretor do centro explicou que a pró-reitoria de infraestrutura da instituição já havia verificado goteiras nas salas, causadas pelas chuvas, mas que as obras de reparo não foram feitas à tempo.

Centro de Humanidades do Campus III da UEPB, em Guarabira (Foto: Ewerton Douglas/Arquivo pessoal)Centro de Humanidades do Campus III da UEPB, em Guarabira (Foto: Ewerton Douglas/Arquivo pessoal)
G1 PB

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br