Arquivo da tag: água

Vereador Juninho consegue sistema de abastecimento de água simplificado para Solânea

Solânea vai ganhar um sistema de abastecimento de água simplificado. A garantia foi dada pelo coordenador do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs), Alberto Gomes, ao vereador Júnior Melo durante audiência realizada nesta segunda-feira (22).

A solicitação havia sido feita pelo parlamentar que solicitou do Dnocs a perfuração de poços artesianos e a construção de cisternas de placas, com o objetivo de amenizar a necessidade dos solanenses, especialmente os que vivem na zona rural.

Juninho celebrou a importância dessa conquista para o município. “Através do nosso pedido conseguimos um sistema de abastecimento simplificado e iremos distribuir de acordo com a necessidade das localidades. Esse benefício chega no momento de extrema necessidade e não medirei esforços para amenizar o sofrimento de nosso povo. Agradeço ao coordenador, Alberto Gomes, a sensibilidade em nos atender. Vamos em frente”, destacou o parlamentar.

 

Redação FN

 

 

Bolsonaro anuncia Centro de Testes para Dessalinização de água em Campina Grande

O presidente Jair Bolsonaro utilizou seu Twitter nesta quinta-feira (04) para divulgar a inauguração do Centro de Testes para Dessalinização de água (CTTD) em Campina Grande. No entanto, ele não deu informações sobre quando será inaugurado o espaço ou quando começam as operações.

Bolsonaro ainda parabenizou o ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, pela instalação do Centro de Testes. De acordo com a postagem, a intenção da presidência é evoluir para outros no Nordeste.

A proposta de implantar laboratório de dessalinização de água no Nordeste foi uma das propostas de campanha de Bolsonaro. Ainda no mês de janeiro, Marcos Pontes foi até Israel para avaliar as tecnologias que são utilizadas lá para o tratamento de água e quais poderiam ser trazidas para o Brasil.

Ainda quando estava em Israel, Marcos Pontes revelou que “o Insa (Instituto Nacional do Semiárido) irá coordenar o Centro instalado em Campina Grande (PB) em parceria com a Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)”. Pela proposta apresentada pelo Governo Federal serão medidos os níveis de gasto com energia, custo de manutenção e a vazão de água dentre outros critérios técnicos de cada técnica selecionada no cadastro. O ministro faz um apelo para que as empresas e pesquisadores que trabalhem com dessalinização no Brasil cadastrem as propostas para que o MCTIC tenha acesso a um mapa completo das tecnologias existentes no país.

Quando o Centro de Testes determinar quais os procedimentos mais apropriados à realidade do Semiárido brasileiro para dessalinização da água, os projetos técnicos serão transferidos para o Ministério da Integração Nacional, responsável por implantar em larga escala na região semiárida as tecnologias testadas.

 

clickpb

 

 

Agricultores expõem, na reunião do CBH-LN, conflito pelo uso da água em Bananeiras

Agricultores familiares de Bananeiras estiveram participando na manhã dessa quinta-feira (28), no Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Serra da Raiz, da 1ª reunião ordinária do Comitê das Bacias Hídrográficas do Litoral Norte do Estado da Paraíba (CBH-LN). Eles foram tratar do conflito pelo uso da água na microbacia do Rio Lagoa do Matias.

Secretários municipais do Meio Ambiente, representantes da Agência Executiva de Gestão das Águas (AESA), da Secretaria de Recursos Hídricos, de associações e sindicatos rurais, do IFPB e UEPB, da Afink (Associação de Informação e Incentivo para o Nordeste Karente), dos mandatos da deputada estadual Cida Ramos e do deputado federal Frei Anastácio, e pequenos agricultores de outras cidades se fizeram presentes.

Os camponeses bananeirenses apontaram a expansão da piscicultura desordenada, às margens da barragem Lagoa do Matias; períodos extensos de seca; não desassoreamento da represa; surgimento de grandes condomínios sobre as nascentes; e o represamento e privatização dessas cabeceiras d’água como as principais causas que provocaram a escassez do líquido precioso que servia satisfatoriamente às pessoas.

Bananeiras tem território extenso e a maioria da população vivendo na zona rural. A assistência da Cagepa é limitada. Os carros-pipas da Prefeitura e do Exército são insuficientes e existem áreas que não contam sequer com esse apoio.

Diante da situação, duas famílias de pequenos agricultores, que dispõem de poços em suas propriedades, passaram a utilizar caminhões-pipas, devidamente autorizados pela AESA, e vêm atendendo às necessidades de comunidades como Tabuleiro, Jaracatiá, Jandaia, Chã do Lindolfo, Caraubinha, entre outras.

Entretanto, a realização de um procedimento administrativo do Ministério Público local, tem trazido inquietação principalmente a esses agricultores familiares, que veem, nessa iniciativa, o risco de aumentar o sofrimento com a carência de água, caso alguns poços venham a ser fechados e os carros-pipas impedidos de continuarem o abastecimento. A senhora Ione, por exemplo, está pleiteando a autorização do transporte pipa de volta, suspensa desde novembro/2018, e o fim da licença para o outro caminhão-pipa tem data para se encerrar: 29 de agosto deste ano.

Cientes da necessidade do abastecimento d’água para o consumo humano, foi entregue um abaixo-assinado na AESA e no CBH-LN, subscrito por mais de 200 moradores de diversas comunidades, solicitando a autorização para que carros-pipas que sempre forneceram o líquido precioso continuem a fazê-lo, visto que o atendimento por parte dos caminhões-pipas do Exército é insuficiente.

O referido procedimento é para “acompanhar as providências que estão sendo adotadas pela AESA quanto as retiradas d’água, por meio de carros pipas, das nascentes situadas na localidade denominada Chã de Lindolfo e também quanto ao represamento dessa água nos cinco lagos existentes no Condomínio Águas da Serra Haras e Golf, situado na Fazenda Bebedouro, e, ainda, a vazão da água retirada nos referidos lagos que deságua na Lagoa de Matias, situado no Distrito de Roma, todos localizados na zona rural de Bananeiras”.

Na reunião do CBH-LN, os trabalhadores propuseram como encaminhamento reforçar a solicitação da prefeitura para que o comitê acompanhe o procedimento administrativo sobre o conflito na microbacia do Rio Lagoa do Matias, bem como encontre solução junto a AESA, e que esta realize estudo hídrico na citada microbacia, visando uma justa gestão da água nesse território.

Além do monitoramento do processo no Ministério Público, foi solicitado, igualmente ao comitê, o acompanhamento dos barramentos no condomínio Águas da Serra e vazão de retirada nos lagos, além da deságua na Lagoa de Matias. O CBH-LN se comprometeu a marcar uma visita a Bananeiras para averiguar toda a situação.

A advogada Itaciara Lucena Cirne informou que foi protocolado requerimento de renovação do cadastro para abastecimento humano, pela necessidade da comunidade, até o término do estudo técnico. “Desse modo, foi solicitado do Sistema do Sistema Integrado de Planejamento e Gerenciamento de Recursos Hídricos, com atuação nas bacias hidrográficas do rio Mamanguape, o devido encaminhamento para estudo da região apontada no procedimento do MP da Comarca de Bananeiras, a fim de orientar a melhor utilização das águas superficiais e subterrâneas e o uso social sustentável”.

 

Redação FN

 

 

Vereador Flávio Evaristo apresenta proposta que proíbe cobrança de taxa de religação de água e energia

O vereador Flávio Evaristo apresentou nessa terça-feira (19), o Projeto de Lei que proíbe a cobrança da taxa de religação pelas empresas de distribuição de água e energia no município em virtude do corte dos serviços por atraso de pagamento.

O Projeto de Lei exige que em caso de corte do fornecimento desses serviços as empresas ficam obrigadas a realizarem o fornecimento de água ou energia no prazo de 24 horas, após a quitação do débito sem mais custos adicionais ao consumidor.

Ainda de acordo com a Lei, as empresas que descumprirem a determinação poderão ser punidas administrativamente.

“Acredito que não é justo o consumidor que já passa pelo constrangimento de ficar sem o fornecimento de tais serviços e ainda pagar a mais por isso, ninguém atrasa suas contas, principalmente água e energia porque quer, sabemos que muitas famílias passam por dificuldades financeiras, mas precisam ter em suas casas água e energia que hoje são essenciais em nossas vidas. Se pagaram seu débito porque não as empresas restabelecerem o fornecimento, sem essa taxa?”, indagou o vereador Flávio.

A proposta deve ser apreciada em breve e posta em votação no plenário da Câmara. Caso seja aprovada, a Lei deve ser posta em prática de acordo com o que rege o projeto.

 

Ascom-CMS

 

 

Após greve dos caminhoneiros, paraibano analfabeto cria moto movida a água

“Sandro das antenas” ou “da moto movida a água”. É assim que o paraibano Sandro Alves de Oliveira, de 37 anos, é conhecido pelos moradores da cidade de Alagoa Nova, no Agreste da Paraíba, depois que inventou um sistema que faz com que a motocicleta dele seja movida a água.

Sandro diz que resolveu criar o sistema para fazer a moto funcionar com água após a greve dos caminhoneiros na Paraíba, em maio deste ano. “Com a falta de gasolina naquele tempo e com o alto preço do combustível, decidi criar esse sistema com água para economizar”, explica ele.

Segundo o inventor, a moto faz 1.000 km com apenas 1 litro de água. “Eu comecei a desenvolver uns negócios aqui dentro de casa. Fiz uma célula de hidrogênio, coloquei uma bateria, um produto dentro da água e a moto explodiu, consigo andar na cidade toda com ela”, revela.

O sistema acontece através de um reator de alumínio, em que as moléculas de hidrogênio se tornam o combustível para a moto. Questionado sobre os experimentos serem perigosos, Sandro diz que fez o projeto com muito cuidado.

“Não é perigoso quando a gente sabe exatamente a quantidade de produto que precisa ser colocado junto com a água, eu fiz direitinho e deu certo”, explica.

Mas antes de ficar conhecido na cidade pela invenção da motocicleta movida a água, alguns moradores já sabiam quem era Sandro. O primeiro trabalho do inventor foi desenvolver antenas para TV e é isso que ele faz até hoje.

“Hoje em dia é tudo digital, eu comecei a trabalhar fazendo antenas e tá dando certo. Eu criei minha própria antena pra mostrar aos vizinhos e depois eles começaram a me pedir pra fazer pra casa deles”, conta.

A produção de uma antena dura cerca de 25 minutos. Além desse trabalho, Sandro aprendeu sozinho a consertar eletrodomésticos e eletrônicos e hoje é procurado pelos moradores para fazer esse serviço.

Genaldo Gonçalves, que se mudou recentemente para a Avenida São Sebastião, onde a casa de Sandro fica localizada, diz que conheceu o trabalho do inventor através de amigos e das redes sociais.

“Eu ouvi falar do Sandro e das invenções dele, e o que impressiona é por ele não ter estudo e desenvolver tão bem esse trabalho com eletrônicos. As pessoas da cidade procuram consertar os aparelhos eletrônicos com ele, porque ele é muito inteligente”, afirma.

‘Inventor’ nasceu na zona rural da cidade e nunca estudou

Sandro nasceu na zona rural do município e há dez anos mudou-se para o Centro da cidade. O inventor nasceu com uma deficiência que compromete a fala. Ele diz que não sabe ler, nem escrever, e que aprendeu sozinho a consertar eletrônicos e criar suas invenções. “Eu só sei assinar meu nome, porque eu tive problema de cabeça e nunca consegui estudar”, explica.

O alagoa-novense conta que tem mais seis irmãos, mas que mora sozinho com a mãe, Maria Alves de Oliveira, de 79 anos. Maria diz que já está acostumada com as invenções do filho. “Ele começou com essas coisas desde que a gente veio morar na cidade, há uns 10 anos atrás, todo dia é um negócio diferente”.

Sandro afirma que não consegue estudar porque, quando tenta ler ou escrever algo, a cabeça dói muito. Mas diz que adora consertar os eletrônicos e inventar novos projetos. “Há uns anos atrás eu até tentei estudar, mas nunca deu certo. Já tentei ir a um psicólogo pra entender o que tenho na cabeça, mas não consegui”, lamenta.

O inventor não tem acesso à internet em casa e conta que aprendeu a mexer nos eletrônicos e criar os projetos sozinho. “É tudo da minha cabeça, eu não vi em canto nenhum. Fui aprendendo depois que comecei a mexer nisso tudo”, diz Sandro.

Quem conhece Sandro pelas antenas ou pela moto movida a água nem imagina a quantidade de outros projetos que o inventor já criou com materiais recicláveis que ele encontra no lixo. E é dentro de casa que Sandro trabalha. Ele tem um quarto reservado só para colocar os materiais que irão ser utilizados nas novas invenções.

Mas o quarto da casa já não é suficiente para guardar todo o material. Sandro conta que quase todos os dias moradores vão até a residência e entregaram eletrônicos velhos para que ele utilize em seus projetos.

Para as criações, o inventor conta com a ajuda do amigo desenhista José Carlos, de 30 anos. “Eu conheci o Sandro desde que ele veio morar aqui na Avenida São Sebastião, aí a gente começou a inventar esses projetos. Eu ajudo ele com os desenhos e na produção das antenas também”, diz José Carlos.

Umas das primeiras invenções de Sandro, que o amigo José Carlos ajudou a criar, foi a miniatura de um trio elétrico com materiais recicláveis. O projeto chama a atenção dos moradores da cidade, que querem vê de perto a criatividade do inventor alagoa-novense.

“Tem uns que eu ainda consigo consertar, mas os que não servem mais eu desmonto e uso para fazer outras coisas”, diz ele.

G1

Água para Todos: Governo oferece capacitação em 104 municípios

O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Infraestrutura, dos Recursos Hídricos, do Meio Ambiente, da Ciência e Tecnologia (Seirhmact), realiza, até o mês de novembro, as oficinas de capacitação para as comunidades atendidas pelo programa Água para Todos. A capacitação, que teve início em agosto de 2017, já foi ministrada em 86 dos 104 municípios atendidos pelo programa em todas as regiões do Estado.

A iniciativa visa conscientizar os moradores das comunidades contempladas sobre o uso devido da água, no sentido de evitar desperdício e de como tratar a água para o consumo humano, segundo informou a coordenadora do Água para Todos, Arlete Marcolino Mendes.

De acordo com Arlete, “além da parte de instalação dos sistemas de abastecimento de água, o Governo do Estado se preocupa também com a parte social, no sentido de oferecer as oficinas, ministradas em média de três horas em cada comunidade rural onde são repassadas informações de como tratar a água para o consumo da população atendida, que deve ser consumida após fervida e coada ou filtrada”.

Segundo ela, a capacitação é oferecida na própria comunidade rural, nas residências, sede de associações, igrejas, entre outros, e conta com a participação efetiva dos moradores, que aproveitam a oportunidade para tirar dúvidas.

O Programa Água para Todos deverá contemplar até dezembro de 2018  aproximadamente 28 mil moradores de 104 municípios da Paraíba, que serão atendidos com a instalação de 203 sistemas de abastecimento de água. A previsão de atendimento é de sete mil ligações domiciliares, com um investimento de aproximadamente R$ 36 milhões. A ação é desenvolvida pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Infraestrutura, dos Recursos Hídricos, do Meio Ambiente e da Ciência e Tecnologia (Seirhmact), em parceria com o Ministério da Integração Nacional.

Os sistemas de abastecimento de água são compostos de perfuração de poços tubulares, captação de água com a utilização de bomba submersa, adutora para enviar água para a caixa d’água elevada, com capacidade para 10 mil litros, serviço de tratamento, instalação da rede de distribuição e ligações domiciliares. Para viabilizar o funcionamento é efetuado um acordo de gestão entre o Governo do Estado, os municípios contemplados e a comunidade.

Barragens e Barreiros – Outra ação do Programa Água para Todos é a execução de obras de construção de barragens, os chamados barreiros, para acúmulo de água. Para esta ação foi firmado pelo Governo do Estado, em parceria com o Ministério de Integração Nacional, um convênio de aproximadamente R$ 8,4 milhões, para execução de 177 barreiros, contemplando quatro mil famílias. A obra consiste na construção de pequenas barragens de acumulação de águas, para atendimento da agricultura de pequeno porte e para o uso dos animais.

 

 

pbagora

Conta de água terá reajuste de quase 3% na Paraíba a partir de Abril

Foi publicada nessa quarta-feira (21), no Diário Oficial do Estado, uma resolução da Agência de Regulação da Paraíba (ARPB) autorizando um reajuste de 2,9% na conta de água dos paraibanos já a partir de abril (30 dias a contar da publicação). O percentual também vale para os valores de multas aplicadas, porém não se aplica na tarifa social.

O reajuste é anual. O último havia ocorrido em fevereiro de 2017, elevando a taxa para 12,39%. Já em 2016 o aumento foi de 21,7%. Segundo a Cagepa, os novos valores levam em consideração fatores como custo da energia elétrica e os produtos químicos usados no tratamento de água.

Ainda em dezembro a empresa havia anunciado o percentual e em janeiro apresentado a proposta de aumento em uma audiência pública, porém a ARPB não havia ainda autorizado.

De acordo com o engenheiro Ricardo Benevides, assessor para Assuntos Regulatórios da Cagepa, o consumo médio atual de uma residência na Paraíba é de 10m³ (10 mil litros) por mês. Segundo ele, 72% dos consumidores residenciais estão nessa faixa de consumo.

Benevides aponta que reajuste é anual. Dos 196 municípios atendidos pela Cagepa em dezembro de 2016, apenas 65 estavam com abastecimento normal, por isso os reajustes eram maiores.

“Agora, este ano a situação melhorou muito. Em dezembro do ano passado esse número já cresceu para 94, devido chegada das águas da Transposição do São Francisco, além das obras internas no Estado, logo a necessidade de reajuste da tarifa diminuiu, pois a curva de volume faturado que vinha descendente, inverteu e ficou ascendente. Com isso, a previsão de faturamento melhorou muito, além do controle rigoroso de gastos que a empresa vem desenvolvendo. Hoje gastamos menos e melhor.”

Érico Fabres do Correio da Paraíba

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Aprovado reajuste de 2,9% na tarifa de água da Cagepa

(Foto: Marcos Santos/USP Imagens)

A edição do Diário Oficial do Estado (DOE), desta quarta-feira (21), publicou resolução da Agência de Regulação do Estado da Paraíba (ARPB) aprovando reajuste de 2,9% na tarifa de água da Companhia de Água e Esgoto da Paraíba (Cagepa). A resolução foi publicada na página 11, do DOE.

De acordo com a resolução, o reajuste não afetará os consumidores cadastrados na tarifa social, e só passará a valer 30 dias após a publicação no Diário Oficial.

Os valores de serviços e multas praticados pela Cagepa também sofreram reajuste de 2,9%.

portalcorreio

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Sertão corre risco de ficar sem água a partir de janeiro, alerta Aesa

O presidente da Agência Executiva de Águas do Estado da Paraíba (Aesa), João Fernandes fez um alerta, nesta segunda-feira (4), para situação das águas na Paraíba. Segundo ele, parte do Sertão corre o risco de ficar sem água nos meses de janeiro e fevereiro.

“Quem está dependendo do eixo norte (da Transposição) está ameaçado de não ter água em janeiro e fevereiro”, afirma.

Fernandes destaca que, atualmente, o abastecimento da Paraíba depende do Rio São Francisco. Ele participou do debate sobre a revitalização do leito do Rio Paraíba, organizado pelo Ministério Público Federal (MPF).

De acordo com o presidente, a revitalização do Rio Paraíba é também um passo necessário.

“É importantíssimo que a gente tenha revitalização, não apenas do rio, da bacia hidrográfica do açude Epitácio Pessoa, mas uma restauração do bioma caatinga”, explica.

Para ele, o encontro promovido pelo MPF é também uma oportunidade para que os deputados federais e senadores façam a locação de recursos para a preservação, restauração e revitalização do bioma e para a produção de água.

A previsão do Ministério da Integração é que o Eixo Norte seja concluído no primeiro trimestre do próximo ano.

MaisPB

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Doze cidades da Paraíba vão deixar de receber água da Operação Carro-Pipa

Foto:Divulgação
Carro-pipa (ilustração)

O governo federal definiu que vai encerrar o abastecimento de água de 12 municípios paraibanos que eram contemplados com a Operação Carro-Pipa, realizada pelo Exército brasileiro. A determinação é da Secretaria Nacional de Defesa Civil (Sedec) e do Ministério da Integração Nacional (MI) e já pode mudar a realidade dessas localidades a partir do mês que vem.

De acordo com a decisão, as cidades paraibanas estavam incluídas no programa, de maneira equivocada, já que não pertencem à região do semiárido nordestino. No Nordeste, a Operação Carro-Pipa só atende cidades do semiárido.

A determinação começou a preocupar as populações e os gestores públicos desses locais que vão deixar de receber água da operação. De acordo com Eugênio Alves, coordenador da Defesa Civil de Matinhas, município do Brejo da Paraíba e que está na lista das cidades que não vão mais receber o serviço, a decisão prejudica a maior parte da população do município.

“É muito difícil essa situação. Nós não temos água na cidade. Vivemos a base justamente desse serviço. Aumentamos os pontos de coleta de água na cidade e precisamos desses carros-pipa. Nossa zona rural é muito grande e a maior parte da população está lá. Não temos como abastecer essas pessoas”, disse, preocupado, o gestor.

Além de Matinhas, as cidades de Joca Claudinho, São Domingos de Pombal, Alagoa Grande, Alagoa Nova, Araçagi, Areia, Belém, Caldas Brandão, Cuité de Mamanguape, Gurinhém, Juarez Távora, Lagoa de Dentro, Pilar, Pilões, Pirpirituba, São Miguel de Taipu, Serra da Raiz, Serra Redonda e São Vicente do Seridó.

As prefeituras desses municípios assinaram um documento em conjunto, que foi enviado ao Ministério da Integração, pedindo a revogação da decisão. Segundo a determinação, o prazo para que essas cidades saiam da rota da Operação Carro-Pipa é de 180 dias, contados a partir do recebimento da notificação pela cidade.

Por Pedro Alves

 

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br