Arquivo da tag: Aedes

PB tem 12,4 mil casos suspeitos de doenças causadas por Aedes

A Paraíba tem mais de 11 mil casos prováveis de dengue, de acordo com o boletim epidemiológico divulgado nesta sexta-feira (2). Por isso, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) recomenda busca ativa para detecção precoce e evitar o agravamento da situação.

Conforme os dados, tanto a dengue quanto a chinkungunya registraram aumento em relação a 2018. Até a 28ª Semana Epidemiológica de 2019, foram registrados 11.258 casos prováveis de dengue. Quando comparados aos dados do mesmo período de 2018, com 8.458 casos prováveis, observa-se um aumento de 33,10%.

Já em relação à chikungunya, foram notificados 860 casos prováveis, o que corresponde a um aumento de 18,78%, em relação a 2018, quando houve registro de 724 casos prováveis. Quando à zika, foram notificados 248 casos, o mesmo quantitativo de casos prováveis do ano de 2018.

A predominância de casos notificados das arboviroses concentra-se nos municípios de Princesa Isabel, São José de Princesa e Juru, da 11ª Região de Saúde; Lucena, Caaporã e Conde, da 1ª Região; Areia, Esperança e Alagoa Nova, da 3ª; São Sebastião do Umbuzeiro, Prata e Monteiro, da 5ª e Teixeira, Matureia e São José do Sabugi, da 6ª Região.

De acordo com o gráfico do boletim, podem ser observados picos de casos nos meses de abril e maio, reduzindo a partir de junho. Diante da constatação, a gerente de Vigilância em Saúde da SES, Talita Tavares, faz um alerta aos municípios: “As ações planejadas nos municípios, para o primeiro semestre, devem ser mantidas também para o segundo, pois em muitos locais continuam as chuvas em grande volume, o que proporciona acúmulo de água que favorece a existência de focos do vetor”.

Óbitos

Quanto aos óbitos, foram notificados 36 por arboviroses (doenças provocadas pelo mosquito Aedes Aegypti), sendo cinco confirmados para dengue; um para zika e um para chinkugunya; 16 foram descartados e 13 óbitos continuam sendo investigados.

O boletim apresenta ainda dados do Levantamento Rápido de Índices para Aedes Aegypti (LIRAa). De acordo com o trabalho do LIRAa, foi constatado que 61,26% dos municípios (136) paraibanos estão em situação de alerta.

 

portalcorreio

 

 

Aedes consegue transmitir zika, dengue e chikungunya na mesma picada, diz estudo

Mosquito Aedes aegypti é responsável pela transmissão de dengue, zika e chikungunya (Foto: Felipe Dana/Arquivo/AP Photo)

Um novo estudo da Universidade Estadual do Colorado (CSU, sigla em inglês) descobriu que o mosquito Aedes aegypti consegue transmitir múltiplos vírus em uma única picada, como os da dengue, zika e chikungunya. Os resultados foram publicados na revista “Nature Communications” nesta sexta-feira (19).

Os pesquisadores acreditam que os resultados jogam luz sobre como ocorre uma coinfecção – quando uma pessoa é atingida por duas ou mais doenças ao mesmo tempo. Eles dizem que o mecanismo ainda não é compreendido totalmente e que pode ser bastante comum em áreas afetadas por surtos, como o Brasil.

A equipe da CSU infectou os mosquitos em laboratório com os três tipos de vírus, depois realizaram testes para verificar qual a taxa de transmissão. De acordo com o estudo, ainda não há uma razão para acreditar que uma coinfecção possa ser mais grave do que ser atingido por um só vírus. As pesquisas sobre o assunto são escassas.

O primeiro relato de coinfecção por chikungunya e dengue ocorreu em 1967, segundo o estudo. Recentemente, há registros de pacientes que tenham contraído a zika, dengue e a chikungunya ao mesmo tempo na América do Norte e Sul.

Pesquisadores da Universidade Estadual do Colorado infectaram os mosquitos em laboratório (Foto: John Eisele/CSU Photography)

Pesquisadores da Universidade Estadual do Colorado infectaram os mosquitos em laboratório (Foto: John Eisele/CSU Photography)

A líder da pesquisa, Claudia Ruckert, pós-doutora do laboratório de doenças infecciosas e artrópodes da CSU, diz que a equipe chegou ao resultado de que é possível uma coinfecção, mas que a transmissão dos três vírus simultaneamente é mais raro.

“Infecções de dois vírus, no entanto, são bastante comuns, ou mais comuns do que poderíamos imaginar”, disse.

Próximos passos

Os pesquisadores querem, a partir de agora, tentar descobrir se algum desses vírus é dominante e consegue “superar” os outros dentro do organismo dos mosquitos. “Todos os três vírus se replicam em uma área muito pequena do corpo do mosquito”, explicou Ruckert. “Quando os mosquitos são infectados por dois ou três diferentes vírus, não há quase nenhum efeito sobre o que eles podem fazer um com o outro no mesmo mosquito.”

“Baseado no que eu sei como virologista, epidemiologista e entomologista, eu penso que os vírus querem competir ou ajudar entre si de alguma forma”, disse Greg Ebel, coautor da pesquisa. “Todos esses vírus têm mecanismos para suprimir a imunidade dos mosquitos, o que pode ser feito em sinergia. Por outro lado, todos eles provavelmente exigem recursos semelhantes dentro das células infectadas, o que pode gerar uma concorrência”, completou.

Ruckert diz que não há qualquer evidência forte de que uma coinfecção possa resultar em sintomas ou um quadro clínico mais grave.

No entanto, as descobertas sobre casos de dois ou mais vírus no mesmo paciente são contraditórias, diz o estudo.

Uma equipe da Nicarágua analisou um grande número de coinfecções, mas não observou mudanças na hospitalização dos pacientes ou no estado clínico. Outros estudos, porém, encontraram uma possível ligação entre uma múltipla infecção com complicações neurológicas.

A equipe da CSU levanta, ainda, outra possibilidade: que as coinfecções em seres humanos não tenham sido diagnosticadas da maneira certa.

“Dependendo de como os diagnósticos são usados, e dependendo de como os médicos pensam, é possível que a presença de um segundo vírus não seja notada”, avaliou Ruckert. “Isso pode definitivamente conduzir uma interpretação errada da gravidade da doença”.

Além de analisar essa relação entre os diferentes vírus no corpo dos mosquitos, a pesquisa pretende, mais tarde, inserir o responsável pela febre amarela nos testes.

G1

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Paraíba vai receber quase R$ 3 milhões do Ministério da Saúde no combate ao Aedes

aedes-aegyptiO Ministério da Saúde repassará aos 223 municípios paraibanos a quantia de R$ 2.876.985. A medida vista intensificar as medidas preventivas e combate ao mosquito que transmite a dengue, vírus Zika e febre chikungunya. O recurso foi garantido em portaria, publicada na quinta-feira (29), e será liberado aos municípios em duas parcelas.

A primeira no valor de R$ 1.726.190 milhões, a partir da data da publicação da portaria. A segunda que está condicionada ao cumprimento de alguns critérios, será no valor de R$ 1.150.793 milhões.

Fazendo um ranking com os outros estados do nordeste, a Paraíba fica em quinto, atrás da Bahia, do Maranhão, de Pernambuco, e de Alagoas. A Bahia que está em primeiro no valor dos investimentos, receberá a quantia total de R$ 12.258.326.

Dengue – A região Nordeste registrou até 10 de Dezembro, 323.558 casos de dengue, ficando atrás somente da região Sudeste.

Zika – O Nordeste registrou 75.733 casos. Considerando a proporção de casos por habitante a incidência é de 133,9/100 mil habitantes.

ChikungunyaNa Paraíba foram registrados até 10 de dezembro, 32 óbitos pela doença.

Correio da Paraíba com assessoria

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Aedes: municípios devem realizar Levantamento de Infestação

dengueA Secretaria de Estado da Sasúde (Ses), iniciou o envio de comunicado às Gerências Regionais de Saúde (GRS), informando que mobilizem os 223 municípios paraibanos para o Levantamento de Infestação Predial (LIRAa), metodologia que ajuda a mapear os locais com altos índices de infestação do mosquito Aedes aegypti e, consequentemente, alerta sobre os possíveis pontos de epidemia das doenças transmitidas por ele. Os resultados desse levantamento (LIRAa e LIA), deverão ser encaminhados à Gerência Operacional de Vigilância Ambiental (Gova) até 4 de novembro.

Segundo o chefe do Núcleo de Fatores Biológicos da Secretaria, Antonio Neto, o LIRAa é considerado um instrumento fundamental para orientar as ações de controle da dengue, chikungunya e zika. “O levantamento identifica os bairros onde estão concentrados os focos de reprodução do mosquito transmissor das doenças e os tipos de recipientes com água parada, que servem de criadouros mais comuns. A pesquisa proporciona informação qualificada para atuação das prefeituras nas ações de prevenção e controle, permitindo a mobilização de outros setores, além das secretarias de Saúde, serviços de limpeza urbana e abastecimento de água”, explicou.

A partir do levantamento, é feita a classificação de risco proposta pelo Ministério da Saúde, por meio do Programa Nacional de Controle da Dengue. Abaixo de 1% da quantidade de imóveis com larvas, o índice é considerado satisfatório; entre 1 e 3,9%, em alerta. Acima de 3,9%, em risco.

“A dengue, chikungunya e zika são consideradas um grande problema de saúde pública no Brasil e na Paraíba. Devido às limitações do ambiente e de recursos, é necessário focar nos meios de combate e prevenção, para diminuir os custos e otimizar o tempo e os esforços das pessoas envolvidas”, disse Neto.

O Ministério da Saúde já conta com alguns sistemas que auxiliam atualmente nesta tarefa, tais como o SINAN (Sistema de Informação de Agravos de Notificação), SISPNCD (Sistema de Informação do Programa Nacional de Controle da Dengue) e o LIRAa(Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti).

O LIRAa consiste na divisão do município em áreas, com um determinado número de imóveis cada. Em cada área especificada são sorteados os imóveis para serem avaliados pelos agentes de Endemias. Essas avaliações buscam principalmente a presença de larvas e pupas do mosquito da dengue. As amostras coletadas durante as vistorias são enviadas para análise em laboratório.

“É importante lembrar que o sistema LIRAa (Versão 1.2), está programado para receber as informações de monitoramento tanto do Aedes aegypti, como do Aedes albopictus. Ambos os mosquitos, podem potencialmente, transmitir o vírus da dengue e Chinkungunya a partir da introdução de pessoas em viremia, o que torna importante a vigilância dessas duas populações de Aedes”, falou.

pbagora

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br