Arquivo da tag: acorda

Corinthians acorda no segundo tempo e atropela o Sport em 16 minutos

campeonato-brasileiroO Corinthians, mesmo desfalcado de nomes como Fágner, Marquinhos Gabriel e Guilherme, assegurou mais três pontos em casa nesta quinta-feira (8), ao derrotar o Sport por 3 a 0, em jogo válido pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro. Marlone foi decisivo, com assistências para os dois primeiros gols do alvinegro, marcados por Rodriguinho e Léo Príncipe. Vilson fechou a conta, de cabeça.

Depois de um primeiro tempo ruim, no qual o time pernambucano se mostrou melhor, os donos da casa resolveram a parada em apenas 16 minutos na metade final. Com o resultado, o Corinthians foi a 40 pontos e permanece na quarta colocação. O Sport, estacionado nos 28 pontos, está em 14º (pelo menos até o fim do compromisso do Cruzeiro) e pouco acima da zona da degola.

Na próxima rodada, às 16h do domingo (11), as duas equipes farão clássicos estaduais: os paulistas pegarão o Santos na Vila Belmiro e o clube de Recife, por outra, enfrentará o Santa Cruz.

O melhor: Marlone resolve para o Corinthians

Depois de um primeiro tempo ruim para o Corinthians, o meio-campista Marlone voltou ligado para o campo e decidiu em apenas 8 minutos. Ele não marcou gol, mas deu duas assistências precisas para Rodriguinho e Léo Príncipe marcarem. Já no minuto inicial da segunda metade, colocou “com as mãos” a bola na cabeça do volante, que mal saiu do chão para testar para a rede, deslocando Magrão. No ataque posterior, encontrou o lateral pelo chão, que também empurrou para o fundo do barbante com um toque só na redonda. Vilson, aos 16, fechou a conta, também pelo alto, mas este tento não teve participação do quase onipresente Marlone.

O pior: Rodney Wallace, lateral improvisado do Sport

É verdade que o costarriquenho Rodney Wallace é um atacante improvisado na lateral esquerda, mas nem isso o livra da pecha de “vilão” da partida. O gringo deixou espaço nas suas costas para o Corinthians criar à vontade – e Durval, lento, mal conseguia cobri-lo. No começo do segundo tempo, Marlone explorou a “avenida Wallace” e descolou dois cruzamentos que originaram os gols de Rodriguinho e Léo Príncipe e decidiram o jogo.

Méritos para Cristóvão Borges: a mudança decisiva

Contestado no comando técnico do Corinthians, Cristóvão Borges dormirá desta vez com a certeza de que ninguém pode criticá-lo. Foi uma ação sua, realizada no intervalo, que mudou a cara do jogo: ousado, o treinador tirou o volante Cristian para estrear o centroavante Gustavo, recém-contratado junto ao Criciúma. “Gustagol” participou diretamente do primeiro tento, com casquinha de cabeça que deixou Marlone em condições de criar a jogada decisiva, mas a principal alteração foi no estilo de jogo: com uma referência na frente, o alvinegro se mostrou mais agressivo no setor ofensivo. Não à toa, fez três gols em 16 minutos.

Novidade na camisa do Corinthians

O uniforme corintiano tornou a ter estrela sobre o distintivo. Em 2012, o clube havia decidido retirar as estrelas estampadas acima do símbolo na camisa – eram cinco: quatro devido aos títulos brasileiros conquistados até então e uma em alusão ao Mundial de 2000.

A volta da figura se deve à campanha “uma estrela para a Fiel”, feita em parceria com sua novo patrocinadora, a cervejaria Estrella Galícia. Não é permitido mostrar marcas de bebidas alcoólicas em uniformes de futebol, e foi essa a forma de fazer referência à empresa.

Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Homem acorda minutos antes do próprio enterro e causa pânico no velório

mortoUm homem que havia sido declarado morto acordou durante o seu próprio velório e surpreendeu as pessoas que acompanhavam a cerimônia. O caso aconteceu na cidade de Pelaya, Colômbia. Jorge Eliecer Julio Ramirez sofreu um ataque cardíaco enquanto cumpria pena numa prisão local e foi levado a uma clínica. No local, foi certificada sua morte. A informação é do jornal local La Republica.

Segundo o testemunho dos vizinhos, em um video no YouTube, o homem sentou-se e abriu os olhos, causando pânico entre a família e os amigos.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

“Eles estavam fazendo orações quando a tampa do caixão se levantou. Ele abriu os olhos e se sentou no caixão. Ele estava verde, tinha um bigode marrom”, disse Ardila Lidueñas Omeira Rosa, moradore de Pelaya, à Caracol Radio da Colômbia.

Homem acorda durante próprio velório, na Colômbia
Homem acorda durante próprio velório, na Colômbia Foto: Reprodução Youtube

O caso gerou muitos comentários na regão e teses conspiratórias. Algumas pessoas acreditam que ele forjou sua morte para escapar da prisão.

“Ninguém pode simular um ataque cardíaco, ninguém pode parar de respirar 8 ou 10 minutos. Imagina uma hora para não fingir de morto”, afirmou uma perita que assinou o relatório sobre o caso.

Pouco tempo depois de ressuscitar, Jorge Eliecer Julio Ramirez morreu.

 

Extra

Homem bêbado desmaia e acorda sem órgão genital

homemUm morador da República Dominicana foi alvo de uma ação constrangedora. O homem perdeu seu órgão genital após desmaiar por conta de uma bebedeira.

Geraldo Ramos dormiu em uma rua, e ao acordar se assustou com a falta do membro. Segundo alguns moradores locais, um cachorro havia comido o órgão. O animal não foi encontrado.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

R7

Timão acorda no segundo tempo, e Romarinho dá a vitória sobre o Sport

O Corinthians deu neste domingo mais um passo no Campeonato Brasileiro para poder pensar só no Mundial de Clubes. Mas não foi fácil como o placar pode sugerir. Com uma atuação discreta no primeiro tempo, o Timão despertou apenas na etapa final e venceu o Sport por 3 a 0, no Pacaembu, ficando mais próximo da “zona de conforto” que o técnico Tite tanto almeja. Já o time pernambucano segue na agonia: permanece em 17º, no Z-4.

Pensando no torneio internacional, marcado para dezembro, no Japão, o Corinthians teve neste domingo a ajuda do presente e do futuro da equipe. Presente nos pés de Paulinho, fundamental ao abrir caminho para o triunfo aparecendo como um atacante na área. Futuro com Romarinho, cada vez mais adaptado ao esquema tático e autor do segundo e terceiro gols.

O resultado deixa o Timão em oitavo, apenas seis pontos atrás da meta estipulada pela comissão técnica para iniciar o planejamento para o Mundial, principalmente para dar folga aos titulares. O Alvinegro soma agora 39 pontos, seis abaixo dos 45 que a comissão técnica deseja para dar descanso aos titulares.

Os corintianos, aliás, ajudaram o arquirrival Palmeiras na luta contra o rebaixamento. O Sport permanece com 27 pontos, somente um acima do Verdão, e não consegue deixar o grupo dos quatro últimos do Brasileirão.

Na próxima rodada, o Corinthians volta a enfrentar um time pernambucano, e o Sport pega outro paulista. Na quinta, o Leão encara a Portuguesa, às 21h, no Canindé, em São Paulo. Já o Timão joga no sábado, às 16h20, contra o Náutico, no estádio dos Aflitos, no Recife.

Paolo Guerrero na partida do Corinthians contra o Sport (Foto: Alex Silva / Ag. Estado)Paolo Guerrero sofre marcação dupla dos jogadores do Sport (Foto: Alex Silva / Ag. Estado)

Timão começa bem, mas não marca

O Corinthians parecia que não teria dificuldades para bater o Sport. Com a tradicional marcação no campo de ataque, o Timão assustou o adversário nos primeiros minutos, controlou a partida sem grandes problemas, mas não conseguiu ficar em vantagem no placar. O passar do tempo permitiu que o Leão se ajustasse e segurasse a igualdade com uma estratégia claramente defensiva.

A blitz feita pelos corintianos nos momentos iniciais rendeu também as melhores oportunidades de um primeiro tempo de baixo nível técnico. Aberto pelo lado direito, Romarinho foi quem mais se aproximou de marcar ao bater rente à trave e depois parar em boa defesa de Magrão.

Depois do susto, o Sport usou a experiência de veteranos como Cicinho e Hugo, campeões pelo São Paulo, para segurar o ímpeto alvinegro. Mais do que satisfeito com um empate diante do campeão da Libertadores, no Pacaembu, o Leão esfriou a partida e quase não deu trabalho a Cássio. Na única chance, Moacir esteve perto de acertar o ângulo esquerdo em chute de longe com desvio.

O Timão só voltou a acordar nos últimos dez minutos, mas não empolgou os mais de 20 mil torcedores que compareceram ao estádio. Guerrero, que fez boa atuação como pivô, por pouco não fez o primeiro gol dele na casa corintiana ao girar sobre a marcação na área e bater rasteiro. Magrão salvou no canto esquerdo.

Romarinho e Paulinho comemoram gol do Corinthians contra o Sport (Foto: Paulo Fischer / Futura Press)Romarinho e Paulinho comemoram gol do Timão
contra o Sport (Foto: Paulo Fischer / Futura Press)

Paulinho e Romarinho brilham

O Corinthians voltou para a etapa final tentando colocar mais velocidade na partida. Tite deu liberdade total a Paulinho para se aproximar do setor ofensivo e tentar embaralhar a forte marcação rival.

A alteração tática funcionou antes mesmo dos dez minutos. Em rápida jogada pela direita, o volante recebeu de Alessandro na área e tocou rasteiro, no canto direito do goleiro pernambucano. Belo gol do Timão, que se tornou soberano em campo depois disso.

O Sport ainda tentou reagir ao abandonar a retranca, mas teve problemas ofensivos para assustar. Em um dos poucos momentos de perigo, não levou sorte, como em chute de cruzado de Hugo que passou bem próximo da trave de Cássio.

O desespero do Sport em tentar avançar de qualquer jeito acabou ajudando o Corinthians. Os paulistas ganharam espaço para atacar e ainda contaram com os vacilos do adversário. Ralf roubou a bola no meio de campo e lançou Romarinho na esquerda. Com a defesa pernambucana aberta, o atacante avançou em velocidade e chutou rasteiro, fazendo 2 a 0.

Com a partida praticamente decidida, o Corinthians teve tempo para aumentar. Alessandro cruzou da direita, Guerrero chutou forte, mas parou no goleiro Magrão. No rebote, Romarinho ganhou da zaga na pequena área e tocou para a rede. Ainda houve tempo para Guerrero fazer um belo gol, anulado corretamente pela arbitragem – o peruano estava impedido quando recebeu de Romarinho na área.

Paulinho comemora gol do Corinthians contra o Sport (Foto: Ag. Estado)Paulinho comemora no alambrado mais um gol pelo Corinthians  (Foto: Ag. Estado)
Globoesporte.com

Em dois minutos, Flu acorda, vence Lusa e se mantém na liderança

Quem quer ser campeão brasileiro não precisa de tempo. Precisa é de estrela. Em um Canindé vazio na noite desta quarta-feira, o Fluminense nem jogou tão bem assim, mas foi eficiente durante dois minutos, dos 28 aos 30 do segundo tempo, quando fez 2 a 0 em cima da Portuguesa e assegurou a liderança do Brasileirão por mais uma rodada. A Lusa foi melhor em boa parte do duelo, mas não teve o que o Flu mostrou de sobra: capacidade de decisão. Jean e Wellington Nem fizeram os gols da 15ª vitória tricolor em 24 jogos.

O resultado leva a equipe de Abel Braga aos 53 pontos, mais isolada do que nunca na liderança, sem depender do resultado de Atlético-MG x São Paulo. O Fluminense contou com o apoio de cerca de 500 torcedores no Canindé, que fizeram muito barulho e, com a vitória consumada, soltaram o tradicional grito de “Time de guerreiros”.

A derrota mantém a Lusa na parte intermediária da tabela, com 29 pontos, ainda a uma distância segura da zona de rebaixamento. Mas se mantiver o futebol demonstrado no segundo turno, a equipe treinada por Geninho pode ter um fim de ano tranquilo. Os gols perdidos no primeiro tempo custaram caro diante do líder do campeonato.

O Fluminense volta a jogar no próximo sábado, às 18h30m (horário de Brasília), contra o Atlético-GO, em Volta Redonda. No mesmo dia e horário, a Lusa tem um clássico contra o São Paulo, no Morumbi.

Fred Fluminense x Portuguesa (Foto: Photocâmera)Fred, do Flu, sofre com a marcação da Portuguesa no Canindé (Foto: Photocâmera)

Lusa tenta pressão, mas Cavalieri salva

Os gritos de “melhor goleiro do Brasil” direcionados pela torcida do Flu a Diego Cavalieri soaram como prenúncio, antes mesmo do início da partida. A pressão imposta pela Portuguesa nos primeiros dez minutos surpreendeu o líder do Brasileirão e fez o goleiro trabalhar muito. Com menos de um minuto, duas belas defesas evitaram gols quase certos – uma cabeçada de Léo Silva, seguida de chute cruzado de Bruno Mineiro na pequena área.

A Portuguesa não se intimidou e teve mais posse de bola no campo de ataque. Abel Braga deixou o meio-campo do Flu mais cauteloso – já que não tinha Wagner, machucado, escalou Diguinho e avançou Jean para ajudar na armação de jogadas. O esquema deixou Thiago Neves sozinho e bem marcado por Ferdinando. Por isso, as chances só apareceram quando os volantes avançaram. Na melhor, aos 8 minutos, Diguinho deixou Wellington Nem na cara do gol, e Dida salvou a Lusa.

O Fluminense não passou muito disso, até porque seus três jogadores convocados para a seleção brasileira não estiveram bem na primeira etapa. Além do marcado Thiago Neves, Wellington Nem se escondeu muito e deixou Fred morrendo de fome – o centroavante só recebeu um lançamento na área, do jeito que gosta, e pediu pênalti após se enrolar com o zagueiro Rogério. O terceiro convocado, Carlinhos, só foi notado quando errou uma saída de bola que quase resultou em gol de Ananias. O trio parecia já pensar no Superclássico das Américas, contra a Argentina.

A Lusa continuou melhor, mas não soube atacar. O time de Geninho deixou de jogar pelo chão e passou a apelar para os cruzamentos na área, sem sucesso. Se Gum parecia perdido, Digão afastou todas e mostrou personalidade. Ele só foi titular porque Leandro Euzébio estava suspenso. Nas arquibancadas, os barulhentos tricolores lembraram: o time briga pelo título e não podia ser tão apático. Os gritos de “Tricampeão”, em alusão aos títulos nacionais do Flu, serviram para tentar animar os comandados de Abel.

Wellington Nem, Portuguesa x Fluminense (Foto: Agência Photocamera)Wellington Nem passa por Dida e completa para marcar o segundo gol do Flu (Foto: Agência Photocamera)

A estrela do líder

A opção por Diguinho não deu certo, e Abel Braga lançou Rafael Sobis na vaga do volante para o início do segundo tempo. Essa era a dúvida do técnico durante toda a semana, em busca do substituto de Wagner. Resolveu deixar metade da partida para cada um. Sobis até buscou jogo, pediu bola e apareceu, mas não foi suficiente para deixar o Fluminense mais ofensivo.

Pelo contrário. A Lusa continuou com maior volume de jogo, sempre dando trabalho à defesa tricolor. Os dois melhores lances foram com Moisés, que invadiu a área pronto para chutar a gol. Nas duas vezes, a zaga do Flu chegou a tempo de travar e evitar o pior. Em alguns momentos, o jogo ficou concentrado em metade do campo, em que o time mandante atacava, e o visitante se defendia.

O ritmo diminuiu a partir da metade do segundo tempo, e o jogo ficou com uma cara de 0 a 0… A Lusa, pelo que fez, até merecia estar vencendo. Mas o líder do Brasileirão parece viver um momento especial, em que tudo dá certo até na dificuldade. Aos 28, uma bola despretensiosa para Fred foi rebatida e sobrou na entrada da área para Jean. O volante mal ajeitou e soltou o petardo de longe, sem chances para Dida: 1 a 0.

Os dois lances seguintes ao gol mostraram de que lado estava a estrela. No primeiro ataque da Lusa, Luis Ricardo exigiu milagre de Cavalieri, e Ananias, livre, pegou um rebote limpo e mandou para a arquibancada. Depois, aos 30 minutos, Gustavo errou uma saída de bola e entregou a bola a Wellington Nem, que se livrou de Dida, fez 2 a 0 e cravou a liderança do Fluminense. Os gritos de “Tricampeão” das arquibancadas, aos poucos, vão empurrando a equipe rumo ao título nacional.

Globoesporte.com

Santos acorda no fim, bate o The Strongest e avança em primeiro

Foi sofrido. A torcida do Santos teve de esperar até os 40 minutos do segundo tempo para gritar o primeiro gol. Na estreia do uniforme azul-turquesa, o Peixe teve futebol muito abaixo da média e penou durante quase toda a partida para furar a defesa do fraco The Strongest. Quando o fez, conseguiu 2 a 0, com Alan Kardec e Neymar, e garantiu a primeira colocação do Grupo 1 da Libertadores.

Agora, o Alvinegro aguarda os resultado do jogo Universidad de Chile x Nacional de Medellín, pelo Grupo 8, ainda nesta quinta, para saber qual será o seu adversário nas oitavas de final. O The Strongest, por sua vez, está eliminado, já que o Internacional ficou na segunda posição, com oito pontos.

O Santos volta agora suas atenções para o Campeonato Paulista. Buscando o terceiro título consecutivo, o que não alcança desde os anos 60, pega o Mogi Mirim pelas quartas de final, em jogo único, domingo, na Vila Belmiro. Se vencer, pega o melhor do duelo entre São Paulo e Bragantino.

Neymar Santos x The Strongest (Foto: Gustavo Tilio / Globoesporte.com)Neymar sofreu com a dura marcação do The Strongest na Vila (Foto: Gustavo Tilio / Globoesporte.com)

De azul-turquesa, um Peixe sem identidade

Irreconhecível. Sem a pegada e a rapidez de sempre, o Santos versão “azul-turquesa” decepcionou no primeiro tempo. Sem o tradicional branco, parecia que os jogadores do Peixe não se achavam em campo.

Dependente principalmente de bolas paradas e cruzamentos na área, o Alvinegro ameaçou em lances esporádicos. Com os 11 atrás da linha da bola, os bolivianos, saudados por um número razoável de torcedores na Vila Belmiro, defendiam-se como dava.

No marasmo do Peixe, até Neymar esteve pouco inspirado. O craque produziu uma ou outra jogada, mas sem a intensidade tradicional de quando está nos seus dias normais. Desta forma, os encarregados por criarem as melhores chances foram Borges e Edu Dracena.

O camisa 9 protagonizou três bons momentos para o Peixe: chute de fora em jogada bem tramada com Juan, bomba no travessão, após toque de cabeça de Edu Dracena, e desvio de cabeça para defesa de Vaca, goleiro boliviano.

Neymar, de falta, chegou a ameaçar, assim como Elano em finalização de fora da área, mas tudo já no fim da primeira etapa. O The Strongest, por sua vez, só arriscava chutes de muito longe. No mais, apenas rondou a área do Peixe, sem acertar o último passe. Pouco futebol para os dois lados.

Santos (Foto: Gustavo Tilio / Globoesporte.com)Elano voltou a ser titular, mas teve atuação apenas regular (Foto: Gustavo Tilio / Globoesporte.com)

No fim, Peixe reaparece e vence

A primeira jogada do Santos no segundo tempo deu a impressão de que as prováveis broncas de Muricy Ramalho haviam surtido efeito no intervalo. Pela esquerda, Juan achou Ganso, e o camisa 10 finalizou com classe, obrigando Vaca a fazer boa defesa. O que se viu no restante da etapa final provou que o lance foi só um lampejo.

Curiosamente, os contra-ataques passaram a ser as melhores chances do Santos. No mais perigoso deles, Neymar perdeu gol incrível. Adriano retomou a bola e enfiou ótimo passe para o craque. Livre, ele arrancou do meio de campo até o gol de Vaca sem marcação, tentou encobrir o adversário, mas errou na direção, para desespero da torcida.

Ganso passou a recuar e buscar o jogo na zaga, tentando melhorar a qualidade na saída de bola do time. Nem mesmo a eficiência do camisa 10 tornou o time mais produtivo. Os diversos passes errados irritaram o torcedor. E também Muricy, que mexeu na equipe.

Descontente, o treinador promovou três alterações, uma delas por obrigação: Alan Kardec no lugar de Henrique (deslocando Adriano para a lateral direita), Ibson substituindo Arouca, com lesão muscular, e Felipe Anderson na vaga de Elano.

A troca de peças não significou mudança prática de postura, e o The Strongest ia se segurando na defesa com os 11 jogadores atrás da linha da bola. Alan Kardec teve chance de ouro aos 37 minutos, com a bola pingando perto da pequena área, mas isolou. Neymar sofreu sete faltas e gerou vários amarelos, mas não conseguia decidir. Marchesini, zagueiro do The Strongest, se destacava na marcação.

Quando a angústia tomava conta de todos e dava nó na garganta do torcedor pelo empate, Alan Kardec salvou. O predestinado atacante reserva aproveitou cruzamento de Neymar, pela esquerda, e cabeceou para o fundo da rede, aos 40 minutos. Enfim, o alívio.

Dois minutos depois, veio o golpe de misericórdia. Neymar, pela esquerda, escapou em velocidade, deslocou Vaca com um tapa de direita: 2 a 0. No sufoco, o Peixe garantiu a primeira colocação do Grupo 1.

Globoesporte.com