Santos vence e deixa Fluminense à beira da zona do rebaixamento

Publicado em domingo, novembro 24, 2013 ·

fluminenseNão poderia haver choque de realidade mais cruel para o Fluminense do que jogar em Presidente Prudente, no mesmo estádio onde, pouco mais de um ano atrás, a equipe conquistou o título brasileiro. Foi a única semelhança com a partida desde domingo. Agora, o estádio estava vazio, o adversário, ao contrário do Palmeiras, que brigava para não cair, não tinha grande motivação, e, mesmo assim, o Tricolor carioca foi totalmente dominado.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

O Santos poderia ter vencido por 3, 4, 5… Venceu só por 1 a 0, graças, principalmente, a Diego Cavalieri. Sem aspirações no campeonato, com um técnico que já sabe que não ficará em 2014, o Peixe passeou. Tabelou, driblou, correu… Como se não houvesse adversário.

O clube tantas vezes campeão, atual campeão, ficou só na memória de quem esteve em Prudente no ano passado. E sofre. Com 42 pontos, precisa que o Bahia perca da Portuguesa e o Coritiba não vença o Internacional, às 19h30, para não terminar a antepenúltima rodada na zona do rebaixamento. Uma realidade que parecia ter ficado para trás, lá nos anos 90, mas se agiganta a cada semana nas Laranjeiras.

Antes da partida, os jogadores se sentaram no gramado de braços cruzados, em mais um protesto do Bom Senso F.C., que pede mudanças no futebol brasileiro, principalmente em relação ao calendário e à responsabilidade financeira dos clubes. A torcida aplaudiu.

Nas duas últimas rodadas, o Fluminense dará sequência à luta contra o rebaixamento. Enfrenta o Atlético-MG, no próximo sábado, no Maracanã, e fecha sua participação diante do Bahia, no dia 8, na Arena Fonte Nova. Já o Peixe, sem chance de se classificar para a Libertadores e também livre de qualquer possibilidade de queda, vai cumprir tabela contra Atlético-PR, em casa, e Goiás, fora. Ambos os adversários brigam no topo, por uma vaga na competição sul-americana.

Sinceridade de Sóbis

– Foi péssimo o primeiro tempo, sorte que eles não fizeram o gol.

A sinceridade de Rafael Sóbis explica perfeitamente a atuação do Fluminense. No lance mais perigoso da equipe, a bola nem chegou às mãos do goleiro-espectador Aranha. Samuel não alcançou cruzamento feito por Rhayner, da direita. Pouquíssimo para quem briga pela permanência na primeira divisão.

Os tricolores pareciam derretidos pelo calor de Presidente Prudente. Perderam as divididas como se fossem garotos enfrentando gigantes do basquete da NBA. As laterais, com Igor Julião na direita, e principalmente Digão na esquerda, foram o caminho do ouro para o Santos, que se aproveitou mal da fragilidade do rival.

Como disse Sóbis, sorte que “eles” não fizeram o gol. Sorte e mérito de Diego Cavalieri, que aos 25 minutos já havia feito três boas defesas: duas em chutes de Montillo, cada um com um pé, e outra espetacular na finalização do volante Alison. Thiago Ribeiro também teve duas oportunidades, sempre arrastando os frágeis marcadores. O atacante acertou a rede por fora, e teve chute interceptado por Anderson.

Quase no fim, Cicinho caiu na área e pediu pênalti. O árbitro Francisco Carlos do Nascimento não deu, e expulsou o técnico Claudinei Oliveira por reclamação. Marcelo Fernandes comandou o Peixe no segundo tempo. Mas quem realmente teve motivos para reclamar foi a torcida do Flu, esperançosa por um segundo tempo melhor.

Justiça no pé de Thiago

Com 56 minutos de futebol, Aranha fez a primeira defesa. Foi em cabeçada de Anderson. Fraca, em suas mãos. O Fluminense voltou para o segundo tempo com um volante no lugar do centroavante. Valencia no lugar de Samuel. Aparentemente estranho para quem precisava vencer. Mas o time esboçou melhora.

Jean ganhou mais liberdade e, com um a mais no meio-campo, os cariocas equilibraram o jogo. Por pouco tempo… O ritmo dos times voltou a ficar completamente diferente. E o lado esquerdo da defesa tricolor continuou sendo um convite irrecusável aos santistas.

Primeiro, Geuvânio passou por um Anderson estático, e mais uma vez Diego Cavalieri fez a defesa. Depois, Arouca tabelou com Geuvânio, contou com a complascência de Rafael Sóbis, que não acompanhou a linha de passe, e cruzou para o merecido gol de Thiago Ribeiro. Era inacreditável, àquela altura, a igualdade no placar.

Dorival mudou. Entraram Biro Biro e Marcelinho. O jogo não mudou. Apenas o Santos, em vantagem, diminuiu o ímpeto, mas continuou melhor. O relógio correu muito mais rapidamente do que as pernas dos jogadores do Fluminense podiam aguentar.

Cícero ainda acertou a trave em mais uma das fáceis tabelas do ataque. Ao Santos, ficou a esperança de um 2014 promissor. Há uma base. Ao Flu, restou a certeza de que será preciso jogar muito mais bola nas próximas semanas para disputar a Série A no ano que vem.

 

 

Globoesporte.com

Comentários

Tags : , , , ,

REDES SOCIAIS




















Focando a Notícia -
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627