Rodrigo Soares garante que PT vai ter candidato próprio em JP; partido não vai ser oposição nem situação

Publicado em sábado, julho 16, 2011 ·

rodrigo-soaresO Rede Verdade da TV Arapuan deste sábado (16) entrevista o presidente estadual do PT, ex-deputado Rodrigo Soares. O candidato confirmou que o partido terá candidato próprio em João Pessoa, desmentindo os boatos de que comporiam uma chapa como vice de Luciano Agra (PSB).

De acordo com o petista, a vaga de vice-prefeito de Luciano Agra está descartada. “Não estou concorrendo a vice de seu ninguém, seja situação ou oposição”, garante. O ex-deputado afirmou que o PT vai ter candidatura própria na capital e “vai vencer”.

Para o ex-deputado, o PT está em diálogo permanente e já aconteceram 13 plenárias. Ele afirmou que o partido vai disputar a eleição nas principais cidades da Paraíba. “O PT tem uma história de oito anos do governo Lula, uma revolução na democracia e a primeira mulher presidente. Agora queremos fazer a mudança no Estado, estamos construindo uma agenda para que o partido possa se unificar”, diz.

Cruz Vermelha – o ex-deputado afirmou que o partido foi contra a decisão de contratar a Organização Social (OS) Cruz Vermelha para administrar o Hospital de Trauma da capital. Ele afirmou que a intenção do PT quer acabar com a terceirização de serviços públicos e que a situação do Trauma seria resolvida com um concurso público.

O petista criticou o governo Ricardo Coutinho (PSB), afirmando que os problemas do hospital começaram nestes sete meses de governo. Ele afirmou ainda que o partido vai colher informações do Ministério da Saúde e pedir o acompanhamento para que a saúde continue pública e que com essa terceirização não acarrete na privatização do hospital. o presidente do PT afirmou que 25% dos hospitais públicos de São Paulo aceitam planos de saúde e combateu essa prática na Paraíba.

Rodrigo Soares reclamou de não ter sido realizada concurso público em vez de terceirizar o serviço e alegou que por ser uma OS, a Cruz Vermelha visa o lucro. Ele garantiu que o PT está cumprindo seu papel de controle social e oposição fiscalizadora do Estado.

Questionado a respeito do prazo pedido pela Cruz Vermelha para a regularização da situação do Trauma, o ex-deputado reafirma: “Primeiro, a saúde tem que ser pública, segundo o que interessa para um usuário do SUS é o serviço público bem feito”, diz. Soares comentou que para o serviço ser 100% público, é necessário que não tenha “duas portas de entrada, como hoje tem”. Ele criticou a falta de licitação pública para a contratação da instituição: “O Estado de Pernambuco que o governador tanto mostra como referência, fez a licitação pública”, alfineta. O petista ainda bate na oposição nacional: “No Estado de São Paulo que é governado por tucanos também não fizeram”, critica.

Soares criticou a falta de debate com a sociedade e destacou a conferência estadual de saúde que acontecerá em agosto na Paraíba. “Mas enfiar goela abaixo, por meio de uma medida provisória sem aprofundar o debate e já anunciar a contratação da empresa…”, reclama. Ele pediu transparência no processo e afirmou que o usuário do SUS precisa ser bem atendido.

O petista explicou que o partido solicitou informações sobre a terceirização de hospitais da rede pública e o funcionamento da OS. “A assessoria da bancada fez um apanhado de 46 páginas e a maioria das experiências de administração da Cruz Vermelha tem problemas seríssimos, seja no interior do Rio de Janeiro, seja no Maranhão”, diz.

Governo Ricardo Coutinho – O ex-deputado afirmou que se sente preocupado com o governo, pois, segundo ele, o governo pregava uma coisa diferente do que está fazendo. “Quando ele assumiu foram retirados vários planos de carreira, que são uma conquista dos servidores e não foram respeitados”, diz. Ele falou também a respeito das gratificações que foram retiradas dos servidores e incorporadas ao vencimento para alcançar o piso e mesmo assim não foi respeitado e destacou ainda a rejeição da PEC 300 no estado.

Questionado a respeito de que o governo federal rejeita a PEC 300 em Brasília e na Paraíba é favor, o ex-deputado explicou que são diferentes estados e afirmou que o PT não é maioria na bancada, mas que a oposição é, e disse ainda que a oposição é heterogênia. Ele comentou que mesmo que não aprovasse a PEC 300, o governo deveria encaminhar proposta semelhante. E garantiu que na Paraíba a PEC é uma questão de ICMS. A diferença do nível nacional é que “alguns governos são a favor e outros contra. No governo deveria ter uma mesa permanente de negociação”, conclui.

Marilia Domingues

Paraíba.com

Comentários

Tags :

REDES SOCIAIS




















Focando a Notícia -
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627