Ramalho Leite – Arranjos produtivos

Publicado em quarta-feira, junho 1, 2011 ·


ramalhoNa plenária do Orçamento Democrático de Guarabira um conterrâneo  me perguntou ao ouvido: que danado é isso que Ricardo tanto fala, esse tal de “arranjo produtivo”. A expressão de junta a tantas outras que têm mudado a linguagem que o povo começou a ouvir recentemente pela boca deste Governo nas suas pregações publicas. Inclusão social, Índice de Desenvolvimento Humano-IDH,Indicadores Sociais, Empoderamento do Povo são parâmetros de uma ação político-administrativa que, por seu freqüente uso, tem obrigado também o Chefe do Governo a usar e abusar da expressão: ou seja. É importante que todos entendam e o “ou seja” é a vírgula que ele usa.

Quando oferece colocar o povo do Poder, esse empoderamento vem condicionado a uma ação conjunta que permite ao povo reivindicar metas ao Governo e a um só tempo, fiscalizar seus gestores.Esses gestores, no âmbito municipal, terão apoio até financeiro do Estado mas precisam melhorar seus indicadores sociais, ou seja: melhorar os índices de alfabetização,diminuir o percentual da mortalidade infantil,cumprir as metas de vacinação ou eliminar o índice de repetência nas escolas.Firma-se um Pacto Social, diferentemente do pacto político dirigido somente a quem escreve na cartilha do governo. A gestão  resultará na melhoria do IDH, pois, esse padrão, resulta justamente da medição dos índices sociais, incluído nele a renda per capita da população.

Mas o Governo faz o diagnóstico, dá o prognóstico e prescreve o remédio. No nosso interior some-se a aposentadoria rural com o bolsa família que se tem mais da metade do dinheiro circulante. Com os empregos públicos rareando e os quadros superlotados, resta botar a imaginação para funcionar. Aí surgem os “arranjos produtivos” que podem ser uma fabriqueta de picolé, um produtor de móveis rústicos ou o fabrico de tapioca. Não importa o ramo do negócio mas a vontade de crescer e melhorar seu produto. O remédio está posto em doses homeopáticas mas constantes. Trata-se do Empreender Paraiba, já com uma reserva financeira que permitirá garantir a geração de renda a centenas de paraibanos e  um sucesso comprovado na Capital.

Quando fui Diretor de Crédito Rural do Banco do Nordeste me deparei com programa semelhante denominado Geração de Emprego e Renda. Em uma de minhas passagens pela presidência do Comitê de Credito chegou indeferido um projeto da Agencia de Solânea, contemplando cerca de trinta pequenos empreendedores que queriam fazer desde a fabricação de pastel à carroceria de caminhão. As normas tendiam a apoiar apenas a concentração do esforço coletivo em uma mesma atividade econômica. Como presidente eu decidia e resolvi pedir a audiência do ETENE o famoso escritório técnico que por muitos anos ditou os caminhos econômicos do nordeste. Minha inconformação foi acolhida e todos saíram ganhando. Certo dia me liga o gerente de Solanea:

– Diretor, hoje está vencendo um parcela daquele empréstimo coletivo. Todos pagaram. Faltou apenas um, pois está preso. A mulher dele esteve aqui no Banco e avisou que está vendendo uma vaquinha e vem pagar na segunda feira.

Conto esse fato para reforçar a minha tese de que o pobre é o melhor pagador de qualquer banco. Daí o sucesso do Empreender- empresta ao pequeno que pensa em crescer. Diferente do grande investidor que usa seu prestigio  para tomar emprestado e tem as costas quentes para deixar de pagar. A Paraíba, portanto, está no caminho certo.

RAMALHO LEITE

O texto é de inteira responsabilidade do assinante

Comentários

Tags :

REDES SOCIAIS











ARTICULISTAS
Ramalho Leite
Karlos Thotta
Padre Bosco





INSTAGRAM @focandoanoticia


Focando a Notícia - CNPJ: 11.289.729/0001-46
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627