PUBLICIDADE PUBLICIDADE “Narcotraficantes matam, torturam e esquartejam jornalistas no México”, conta Rosental Alves

Publicado em terça-feira, Fevereiro 7, 2012 ·

Em 2011, o México respondeu por 10 dos 103 jornalistas assassinados no mundo. A violência diretamente ligada à ação dos narcotraficantes é cruel e impiedosa resultando em decapitações, esquartejamentos e muitos avisos enviados junto aos cadáveres.

Desta maneira, “não existem meios que sobrevivam a um clima pior do que uma ditadura” analisa o professor Rosental Calmon Alves.

Titular das cadeiras da Fundação Knight e da Unesco junto à Universidade do Texas, Alves falou por telefone à IMPRENSA e comentou a situação de crueldade que os jornalistas mexicanos vivem desde 2006, ano em que o atual presidente Felipe Calderón declarou guerra contra o narcotráfico.

Divulgação
Rosental Alves, presidente do Knight Center
IMPRENSA – Como o senhor analisa a situação de jornalistas no México?
Rosental Calmon Alves – É um banho de sangue sem precedentes. Inédito não só no volume, mas também no nível de crueldade e barbárie. É verdade que os jornalistas não são as únicas vítimas, mas quando se mata um jornalista por causa do trabalho que ele está fazendo podemos considerar um atentado à liberdade de imprensa. Na última década, mais de 80 jornalistas foram mortos no México em total impunidade. Não conheço nenhum caso em que os criminosos tenham sido presos nessas últimas séries de crimes.
A impunidade seria o maior problema dos crimes contra a imprensa mexicana?
Como ninguém é punido a sangria não pára. Mas devemos ponderar que isso não acontece somente no México. A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) fez uma campanha justamente contra a impunidade contra jornalistas em toda a América latina. O Brasil está entre os países perigosos para fazer jornalismo. Embora não exista essa sensação, as estatísticas mostram muitas vezes que a repercussão é maior fora do Brasil. Não existe sensibilização para isso, as pessoas menosprezam jornalistas do interior que são as vítimas mais comuns no Brasil. Já o México se supera pela crueldade. Os narcotraficantes matam, torturam e esquartejam profissionais da imprensa.
Mas isso acontece somente em regiões especificas ou em todo o país?
O México fica muito centralizado em Cidade do México, Guadalajara e Monterrey e a maioria dos crimes contra os jornalistas não são nessas cidades e sim em regiões fronteiriças como Ciudad Juarez ou Nuevo Laredo.
O histórico de corrupção do país também contribui para essa situação?
Morei no México nos anos 80 e persiste a questão da corrupção. Esse histórico gera uma desconfiança mútua entre os jornalistas. A primeira reação acontece quando se ouve falar que jornalistas no interior foram assassinados. Geralmente a primeira reação é imaginar que eles estavam envolvidos com traficantes. Existe isso, mas não se deve generalizar.
Qual o ônus de ter a imprensa diretamente atingida?
Em várias partes do México os veículos se renderam completamente. O que acontece em algumas regiões é pior que uma ditadura de pessoas que usam a tortura, assassinato e até terrorismo. A quatro horas de onde estou fica a cidade de Nuevo Laredo. Há mais de três anos o jornal de lá não fala absolutamente nada sobre narcotráfico. Está completamente censurado pelos cartéis. Eu entendo a posição deles porque não existe nenhuma garantia do Estado para garantir segurança ao jornal.
O que resta aos mexicanos já que a imprensa está calada?

O que resta é a comunicação direta entre os cidadãos. Se você entrar no Twitter é botar “nuevolaredo” verá histórico de compartilhamento de informações sobre coisas que acontecem na cidade. É um fenômeno interessante: a comunidade falando com ela mesma. Para você ter uma ideia, se existe um tiroteio em Nuevo Laredo, que praticamente paralisa a cidade, o jornal não da nada nem no website. Quando o corpo de um jornalista apareceu no ano passado com uma mensagem de ameaça junto ao corpo, o jornal da cidade dava como manchete uma vaca morrendo pela seca.

http://portalimprensa

Comentários

Tags :

REDES SOCIAIS











ARTICULISTAS
Ramalho Leite
Karlos Thotta
Padre Bosco





INSTAGRAM @focandoanoticia


Focando a Notícia - CNPJ: 11.289.729/0001-46
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627