Proximidade do Natal

Publicado em sexta-feira, dezembro 16, 2016 · Comments 

padre boscoContinuamos o tempo de advento rumo ao Natal. A liturgia católica deste tempo nos tem feito apelos importantíssimos para a nossa preparação.

Joao Batista que prega no deserto convida à conversão (mudança de mente) na perspectiva de novas atitudes. Aos fariseus que vão receber o batismo, os chama de raça de cobras venenosas. Que não basta dizer que Abraão é nosso pai; que é necessário um esforço para produzir frutos que comprovem uma mudança de mentalidade.

No deserto João dá um grito de alerta: ele é a voz que grita para que as indiferenças sejam superadas; as imagens citadas (vales, montanhas,) devem desaparecer, fazendo referência a tudo aquilo que nos distancia, uma vez que o natal tem a ver com proximidade e comunhão.

A vigência também já tem sido pautada nesta preparação; é o ficar atento pois não se sabe o dia e a hora. A imagem do dono da casa que não sabe a que hora chega o ladrão reflete bem essa dinâmica das surpresas da vida. Tudo isso somos chamados a ir processando em nossas reflexões e preparação.

Como pessoas conduzidas pela fé, a esperança nunca podemos perder. Também nunca podemos pensar que Deus esteja nos castigando por causa de nossos atos.

A queda do avião na Colômbia que vitimou quase todos os que iam naquele voo de forma lamentável foi originada por um erro gravíssimo: combustível insuficiente.

A situação da política brasileira hoje, o que a ver com Deus? Vivemos um momento dos mais graves e mais triste. A mudança era para tirar o Brasil da crise; que o Brasil estava numa direção insustentável.

E agora, o que se pode dizer se de uma hora para outra, sem nenhuma vergonha, como pessoas sem bom caráter, numa pratica completamente criminosa, o povo brasileiro está sendo submetido a uma perspectiva muito mais grave que antes?

A discussão que está sendo feita sobre aposentadoria, ao menos o que tem sido colocado em destaque, é para tirar esse direito se o tempo de contribuição for mantido.

Já se tinha uma imagem clara sobre a Supremo Tribunal; agora não se tem mais o que discutir. Não há necessidade de nenhum esforça para perceber que não temos mais a quem recorrer quando se trata de violação de direitos. A suprema corte do nosso país se dobrar diante de um homem que em anos passados foi afastado ou renunciou por práticas desonestas. Agora, mais uma vez, com todas as evidencias postas, já tido como réu pelo próprio supremo e mantido por ele no cargo de presente do senado.

De fato, não se consegue compreender o papel da justiça brasileira; não se consegue ter hoje no Brasil, quem garanta a estabilidade do país. Um colegiado que deveria ter a última palavra não foi capaz de seguir o entendimento de que o afastamento do presidente do senado deveria ter acontecido de forma imediata. Não é vergonha que se sente mas indignação e a sensação de que estamos realmente sem ter quem faça a justiça acontecer.

A crise humanitária no mundo é das maiores e piores depois da segunda guerra mundial.

São 128 milhões de pessoas no mundo em diversos continentes. A ONU deseja priorizar 33 países para uma ação humanitária mas está com recursos contados e limitados.

Diante de toda essa situação, o que significa celebrar o Natal? Tudo pode ser uma hipocrisia como disse o papa Francisco. pebosco@gmail.com

Tags :




outras notícias