Promotor critica Coronel Jarlon por dificultar aprovação de Corregedoria

Publicado em terça-feira, novembro 6, 2012 ·

Coronel Jarlon aparece na foto sendo condecorado por Maranhão. Ele é contra o projeto

João Pessoa (PB) – O promotor de Justiça Marinho Mendes Machado, integrante do Conselho Estadual dos Direitos Humanos da Paraíba (CEDH-PB), critica resistência adotado pelo Coronel Jarlon Cabral Fagundes acerca da aprovação de Projeto de Lei que cria a Corregedoria Única das Policias Militar e Civil.

O texto a seguir foi enviado pelo próprio Marinho Mendes. Leiam:

“O governador Ricardo Coutinho (PSB) resolveu encaminhar a Assembléia Legislativa do Estado da Paraíba projeto de lei que cria a Corregedoria Única das Polícias Militar e Civil, ou seja, a Corregedoria da Secretaria de Segurança e Defesa Social, todavia, dito projeto encontra a mais obstinada resistência comandada pelo Coronel Jarlon Cabral Fagundes, ficando isto bem patente, quando da realização da Audiência Pública realizada dia 31 de outubro de 2012 na ALPB, onde os militares oposicionistas exteriorizaram de forma apaixonada, emocional e altamente corporativista suas ferrenhas e ácidas críticas ao projeto de lei, defendendo com ardor que os poderes do Comandante Geral permaneçam intocáveis.

Acompanharam as críticas de Jarlon os Coronéis Ilton Guimarães, Francisco e Maquir (inativos), enquanto que os representantes dos Cabos e Soldados fizeram críticas tão somente em terem ficado de fora do projeto, sendo que da ativa, apenas o Corregedor do Corpo de Bombeiros e outro Coronel não identificado, apoiaram Jarlon.

O mais interessante nisto tudo, é que Jarlon foi defender tão somente os poderes do Comandante Geral da PM, sendo ambos ocupantes de cargos de confiança, enquanto Conselheiros dos Direitos Humanos que nada percebem de remuneração, estavam presentes, articulados e bem engajados em defesa do projeto que vem atender os reclamos de uma sociedade que necessita de respeito e que suas denúncias contra policiais com desvios sejam devidamente recepcionadas por um órgão independente, o que não ocorre hoje com o modelo de corregedoria que temos na PM.

O governo na oportunidade estava representado por tímido representante da Secretaria de Segurança Pública, que após falar de forma resumida e pouco esclarecedora sobre o projeto, se calou aos brados apaixonados dos coronéis, sendo obrigado ocorrer a atuação enérgica e corajosa dos Membros do Conselho Estadual dos Direitos Humanos que defendem o projeto, com pequenos ajustes.

O governo precisa se posicionar sobre os seus ocupantes de cargo de confiança irem à ALPB desqualificar o projeto e a sociedade não pode se furtar a esse acontecimento, que se aprovado sem as 22 alterações propostas pela PM, significará avanço para todos nós, inclusive para a PM que se livrará dos maus policiais.”

Da Assessoria de Imprensa

Comentários

Tags : , , , , , ,

REDES SOCIAIS













ARTICULISTAS
Ramalho Leite
Karlos Thotta
Padre Bosco







Focando a Notícia -
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627