Professor estuda possibilidade de tsunami na Paraíba

Publicado em quinta-feira, agosto 4, 2011 ·

80962_W220Q60I2SASRFHFVRLRRCLCTCRCB“Não estamos deitados em berço esplêndido”. Com esta frase o geógrafo, Paulo Rosa, fez um alerta estarrecedor, tratando da possibilidade de um tsunami (onda gigante) atingir o litoral paraibano.

Professor de Geociências da UFPB (Universidade Estadual da Paraíba), na cidade de João Pessoa, Paulo revelou que em 2007 foi procurado por pesquisadores ingleses que monitoram a atividade vulcânica na Ilha de La Palma, no arquipélago das Canárias, onde o vulcão Cumbre Vieja é o grande motivo de preocupação, já que se entrar em erupção pode provocar um desmoronamento de grandes proporções no oceano Atlântico, resultado em ondas que poderiam “viajar” em uma velocidade de até mil quilômetros por hora (em um ângulo de 360º), atingindo o litoral nordestino, apenas 8 horas após o início da catástrofe.

O aumento da preocupação global com possível desastre é o fato de que nas últimas semanas dezenas de tremores de terra de pequena magnitude vêm ocorrendo nas Ilhas Canárias, podendo, segundo alguns pesquisadores, indicar uma retomada da atividade vulcânica na região.

O Comité Científico do Plano Especial de Proteção Civil e Emergência de Risco Vulcânico, nas Ilhas Canárias (PEVOLCA), se reuniu na semana passada na ilha “El Hierro” para avaliar o aumento da atividade sísmica registada. Para que se tenha uma ideia da seriedade do fato, o Instituto vulcanológico das Canarias enviou uma equipe de especialistas para conduzir um estudo de emissões em toda região, a fim de fornecer informações adicionais sobre essa anomalia sísmica detectada.

Falta de estrutura para pesquisa é maior problema

“Desde 2007 estamos tentando um convênio entre UFPB, Ministério da Ciência e Tecnologia, Marinha do Brasil e Governo do Estado, mas até hoje nada aconteceu”, desabafa o professor, que torce para que o governador, Ricardo Coutinho, busque o governo federal para viabilizar uma estrutura que possa monitorar as marés.

Rosa alertou ainda que é necessário que seja criado um plano de evacuação das cidades do litoral paraibano para que, no caso de um tsunami, vidas humanas não sejam perdidas. “Imaginemos que esta onda tivesse apenas um metro e a mesma ocorresse em uma maré 2.8, teríamos uma onda de quase 4 metros de altura e a maior parte do litoral paraibano não está mais de 3 metros acima do nível do mar”, avaliou.

O problema é que segundo pesquisas recentes no Reino Unido, as ondas geradas por este desastre podem passar dos 30 metros, mas sobre estes números Paulo Rosa desconversa. “Não posso afirmar nada disso sem dispor do equipamento adequado para que possamos fazer as projeções necessárias. Já houve um caso de ondas de mais de 30 metros atingindo o Canadá, justamente por um deslocamento de terra, mas é impossível fazer esta previsão sobre o Brasil, se não temos a estrutura mínima para os estudos”.


Comentários

Tags :

REDES SOCIAIS











ARTICULISTAS
Ramalho Leite
Karlos Thotta
Padre Bosco





INSTAGRAM @focandoanoticia


Focando a Notícia - CNPJ: 11.289.729/0001-46
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627