Paraíba registra quase 5 mil casos de acidentes de trabalho em 2010

Publicado em quinta-feira, novembro 3, 2011 ·

Dados do Ministério da Previdência Social mostram que, apenas em 2010, foram registrados quase 5 mil casos de acidentes de trabalho na Paraíba. A construção civil é o setor que mais preocupa, onde, apesar dos altos números, é comum flagrar trabalhadores sem equipamentos obrigatórios.

O Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Construção Civil estima que a Paraíba tenha cerca de 40 mil pessoas trabalhando em canteiros de obras. Só na Grande João Pessoa, esse número chega a aproximadamente 22 mil.

Nesse setor que está em expansão e é um dos que mais se desenvolve em todo o estado, não falta emprego para profissionais capacitados. Para entrar em um canteiro de obras, no entanto, mesmo que seja um visitante, é obrigatório, pelo menos, o uso do capacete. Para trabalhadores, o uso de botas, lutas, cinto de segurança e uniforme também é exigido.

Um caso que entrou para as estatísticas Ministério da Previdência Social deste ano foi um acidente que aconteceu na noite da segunda-feira (31), em João Pessoa. Dois operários caíram do segundo andar de uma obra no campus da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Eles foram socorridos e levados inconscientes para o Ortotrauma da capital. A causa do acidente de trabalho ainda não foi informada.

Dois operários caíram de prédio em obra na residência da UFPB, em João Pessoa (Foto: Reprodução/TV Cabo Branco)Dois operários caíram de prédio em obra da UFPB
(Foto: Reprodução/TV Cabo Branco)

A obra, onde aconteceu o acidente, faz parte de uma ampliação da residência universitária da UFPB. A assessoria da universidade informou que a empresa responsável pela obra oferece equipamentos de segurança necessários para todos os funcionários.

Os acidentes em canteiros de obras, no entanto, são de responsabilidade do empregador. “É dever do empregador fornecer os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) sob pena de arcar com penas pesadíssimas, além de sofrer processo de eventual responsabilidade pela perda da vida do trabalhador vitimado por acidentes. E se o empregado se recusar a utilizar os EPIs, ele deve ser demitido por justa causa”, informou o procurador do Trabalho da Paraíba, Eduardo Varandas.

G1 PB

Comentários

Tags :

REDES SOCIAIS













ARTICULISTAS
Ramalho Leite
Karlos Thotta
Padre Bosco







Focando a Notícia -
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627