Paraíba registra 170 mortes de adolescentes só este ano

Publicado em quarta-feira, novembro 16, 2011 ·

homicidioSó este ano, a Paraíba já registrou 170 casos de homicídios contra adolescentes, segundo dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) da Secretaria de Saúde do Governo do Estado. As vítimas tinham entre 15 e 19 anos. Ainda de acordo com as informações do SIM, em 2011, 18 crianças e adolescentes entre 10 e 14 anos foram vítimas de assassinatos.
No início da semana, a Delegacia de Homicídios da Capital registrou dois assassinatos de adolescentes em menos de 24 horas. No último domingo, uma criança de 10 anos foi baleada no bairro de Mandacaru, quando ia comprar lanche numa loja próxima a sua casa.
Na opinião do promotor da Infância e Juventude, Arley Escorel, o crescimento da violência contra crianças e adolescentes evidencia o despreparo da sociedade para colocar em prática as orientações existentes no Sistema de Garantias de Direitos da Criança e do Adolescente. Segundo ele, um maior engajamento de setores públicos, privados e das famílias na proteção de direitos de meninos e meninas poderia evitar o avanço das mortes.
“A violência é um fenômeno social e infelizmente vem atingindo cada vez mais os menores de idade, e vem crescendo a despeito de qualquer política pública. Então, para se tentar diminuir esse quadro, é necessário um trabalho constante em que as prerrogativas do estatuto (da Criança e do Adolescente) sejam cumpridas de fato”, defendeu. Nos dias 28 e 29 de novembro, o Ministério Público da Paraíba (MPPB) vai promover um seminário para discutir como combater a violência entre crianças e adolescentes. O evento acontece no auditório do MPPB.
De acordo com o teólogo especialista em direitos humanos, Lorenzo Delaini, coordenador da Rede Margaridas Pró-criança e Adolescente da Paraíba, existe uma distorção de valores na sociedade que vem criminalizando crianças e jovens, ao invés de protegê-los. “Hoje, cada vez mais se dissemina a ideia de que menores infratores são ameaça à sociedade, mas é o contrário. Pois eles são as primeiras vítimas do descaso de violação de direitos que deveriam ser praticadoS por parte do Estado”.
De acordo com Lorenzo Delaini, diminuir o avanço da violência contra menores de idade na Paraíba significa trabalhar numa perspectiva sócioeducativa. “Mas o Estado vem agindo, prioritariamente, de maneira repressiva. Então, essas mortes que vem acontecendo são resultados de uma cultura que privou os adolescentes de oportunidades, levando alguns deles a entrar na vida do crime, onde encontraram maior facilidade de inserção e acolhimento”, disse.

3 morrem em 12 horas

Três homicídios foram registrados em menos de 12 horas, nos bairros do Ernesto Geisel, em João Pessoa e no Conjunto Marco Moura, em Santa Rita. A polícia desconhece a autoria dos crimes e investiga se os assassinatos estão relacionados ao tráfico de drogas.
Por volta das 21h30, na Rua Marly Vieira, no Beco da Tieta, o ex-presidiário Luiz Carlos Teotônio Serafim, 23, foi executado com cinco tiros de pistola. De acordo com a delegada de Crimes Contra a Pessoa, Roberta Neiva, o ex-presidiário tinha sido liberado de um dos presídios da Capital há 30 dias.
No Conjunto Marco Moura, em Santa Rita, por volta das 22h, dois homens encapuzados invadiram a casa de Luiz Francisco de Lima, 51. Os bandidos se dirigiram até o quarto onde Luiz Francisco dormia e começaram a atirar. Já na manhã de ontem, também em Santa Rita, policiais encontraram o corpo de Daniel Emídio Ferreira, 27. O delegado Ronaldo Vadélio Lobo, da 6ª Delegacia Distrital, disse que Daniel foi morto a pauladas e com um tiro na testa.



Fonte: Correio da Paraíba
Com Giovanne Alves e Humberto Lira

Focando a Notícia

Comentários

Tags :

REDES SOCIAIS




















Focando a Notícia -
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627