O Carnaval que não houve

Publicado em sexta-feira, março 9, 2018 ·

RAMALHO LEITE

Naquele ano bissexto de 1962 o carnaval decorria sem quaisquer incidentes. Tanto o Bananeiras Clube como o Grêmio Morenense realizavam os seus bailes tradicionais.O carnaval de rua, sem excessos, era dominado por blocos de crianças e adolescentes. Em Solânea, uma camioneta acompanhava um bloco infantil. Seus ocupantes se descuidaram e o veículo avançou sobre os pequenos foliões, matando três e ferindo dezenas. O carnaval foi encerrado antes do tempo nas duas cidades enlutadas por tão nefasto acontecimento.

Essa tragédia decidiu a minha vida. A quarta feira de cinzas foi antecipada e na terça-feira de um carnaval que não houve, aluguei um jeep e saí de Borborema onde meu pai era prefeito e fui roubar a namorada. Poucos dias depois estávamos casados, graças a uma licença especial concedida pelo Arcebispo Metropolitano, acionado pelo contra-parente, o então padre Manoel Batista de Medeiros, cunhado de Tia Tonha, irmã de minha avó Natália de Menezes Leite.
Encontrei com Marta na rua. O silêncio engolia a noite de Bananeiras. Ela pegou em casa um casaco para se proteger do frio e, até hoje, estamos juntos. Completamos no ultimo dia 09 cinquenta anos dessa aventura juvenil que tinha tudo para não dar certo, e felizmente, foi premiada com uma prole que está bem criada e já dos deu dez netos.

Digo que tinha tudo para não dar certo por que esqueci de contar que era um estudante desempregado e nem o dinheiro para pagar o veículo alugado eu tinha. Confiava no meu pai, a quem enderecei uma carta contando minha decisão e tranquilizando-o de que não largaria os estudos. Levei a companheira de aventura para o Engenho da Pasta,em Pilões, onde sabia que meu tio Zé Noirton estava hospedado. No transporte que me levou, ele voltou, conduzindo a carta que enviei a seu Arlindo Ramalho e o um recado do Senhor do Engenho para os pais da noiva:
– Daqui ela só sai casada!

Sob a severa desconfiança de Tio Né da Pasta, fui encarcerado em um corredor da Casa Grande do engenho. Para o interior da casa onde Marta estava, foi vedado o meu acesso. Qualquer necessidade noturna, só me restava a bagaceira do engenho.

Casamos na Igreja Matriz de Nossa Senhora do Livramento sob as bênçãos do Padre Manoel Lima e a presença de inúmeros curiosos, pois, convidados mesmo, só as testemunhas e Tio Né que fez questão de levar o produto do furto até o altar. Cinquenta anos depois, pude ver a alegria na face de Marta, cercada de filhos e netos, cortando, com atraso, o bolo a que não teve direito na cerimônia de casamento.

A MOCINHA
O governador Ernani Satyro viajava de avião para Brasília na companhia do seu Secretário de Comunicação, Otinaldo Lourenço. Ao ouvir o tilintar de garrafas e copos se aproximar de sua poltrona, o Governador que adorava uma dose de whysk e uma só para ele era considerada pouco, indagou do secretário:
– Dr. Otinaldo o senhor gosta de beber uma dosezizinha quando viaja?
Otinaldo, ou porque não gostasse mesmo ou por timidez diante do Chefe, respondeu:
– Não, Governador, eu não gosto de beber durante o vôo!
– Pois quando a mocinha (aeromoça) lhe perguntar se quer uma dose, aceite viu?
(DO LIVRO EM PROSA E NO VERSO)

 

Comentários

Tags :

REDES SOCIAIS









INFORMA BREJO


INSTAGRAM @focandoanoticia


Focando a Notícia - CNPJ: 11.289.729/0001-46
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627