Nilda Gondim diz que corte do ponto é injusto e cobra do governador mais disposição para o diálogo

Publicado em terça-feira, maio 31, 2011 ·

Deputada Nilda Gondim (23-03-2011)A deputada federal Nilda Gondim (PMDB-PB) cobrou do governador da Paraíba, Ricardo Coutinho, uma maior disposição para o diálogo com os profissionais de Educação do Estado, como também uma decisão do mesmo no sentido de rever a determinação do corte do ponto com o consequente desconto nos salários dos servidores grevistas.

Dizendo esperar que o governador reconheça que há nos cofres públicos do Estado condições reais para pagar os benefícios cobrados pelos profissionais da Educação, a deputada paraibana salientou que os professores estão amparados pelo direito constitucional de lutar por melhores condições salariais e de trabalho, aí incluído o instrumento da Greve, e comentou: “A atitude do governo, que consideramos arbitrária e injusta, atingiu mais de três mil profissionais de Educação da Paraíba que receberão seus salários relativos ao mês de maio com descontos que chegam a Hum mil reais, fato que os coloca em situação extremamente difícil e, ainda por cima, faz com que as negociações visando o retorno das aulas voltem à estaca zero”.

“Para piorar a situação – continuou –, o corte do ponto foi feito de forma aleatória, atingindo inclusive professores que não aderiram ao movimento grevista, segundo o informou o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação na Paraíba, professor Antônio Arruda”.

Ao longo da greve, segundo ressaltou Nilda Gondim, várias foram as tentativas de entendimento, “mas o Governo se nega a pagar o piso salarial de R$ 1.246,00 (para vinte horas trabalhadas) cobrado pela categoria – um valor muito inferior ao que merecem os profissionais que têm por ofício a responsabilidade de formar todos os cidadãos e cidadãs paraibanos, inclusive os próprios dirigentes do Estado, que um dia passaram pelos bancos escolares”.

“Além de não atender às reivindicações da categoria, a contra-proposta apresentada prevê um salário mensal de R$ 926,00 (para uma carga horária de trinta horas) mais uma ‘bolsa de produtividade’ no valor de R$ 230,00, que elevaria o salário para R$ 1.156,00. Acontece que essa ‘bolsa’ deixaria de fora os aposentados e pensionistas, e ainda por cima serviria como instrumento de coação por parte de alguns dirigentes escolares ‘mal intencionados’ contra os profissionais que ousassem contrariar os seus ‘interesses’”, afirmou.

Nilda Gondim disse também que, “quanto mais tempo demorar a greve, mais prejudicada será a sociedade, especialmente os alunos, que hoje não têm sequer a garantia de que as aulas relacionadas ao período da greve dos professores serão repostas após o fim do movimento”.

Gabinete da deputada federal Nilda Gondim para o Focando a Notícia

Comentários

Tags :

REDES SOCIAIS











ARTICULISTAS
Ramalho Leite
Karlos Thotta
Padre Bosco





INSTAGRAM @focandoanoticia


Focando a Notícia - CNPJ: 11.289.729/0001-46
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627