Nice Almeida – Horrores da imprensa

Publicado em segunda-feira, outubro 31, 2011 ·

nice

As “más-línguas” falam que a imprensa mostra o que o povo quer ver. Eu discordo em vários aspectos. Nesta segunda-feira (31) durante minhas andanças pela internet em busca de notícias me deparei com uma cena horrível e porque não dizer monstruosa.

Ao abrir determinado site dei de cara com uma montagem que mostrava, em detalhes, partes do corpo de um presidiário morto e esquartejado no presídio do Róger, em João Pessoa, na última quarta-feira (26). A cabeça de um lado, o braço de outro, uma perna jogada ao longe, etc, etc.

Chocada com a imagem fechei o site e prometi a mim nunca mais acessá-lo e olhe que ele é um dos mais famosos de nossa capital.

Fiquei me perguntando será que as pessoas gostam mesmo de ver aquilo? Eu, pelo menos, não gostei nada e acho um exagero da imprensa fazer de imagens tão grotescas o fato mais importante da notícia.

Pensei meu filho de dez anos, que sabe mexer no computador melhor que eu, vendo aquilo. Mais que isso, imaginei o sofrimento da mãe, do pai, enfim da família daquele cidadão morto tão monstruosamente, vendo aquelas imagens.

Enquanto jornalista eu, pessoalmente, acho desnecessário tamanho sensacionalismo apesar de saber que isso virou moda no jornalismo popularesco que tem sido feito não apenas na Paraíba, mas em todo o país.

Não acredito, sinceramente, que as pessoas gostem de verdade de ver essas coisas. Acho que na verdade elas “engolem guela abaixo” o produto que os jornais e telejornais a transmitem sem o menor pudor.

Acho, portanto, que já está mais que na hora do Ministério Público do Estado agir no sentido de tentar evitar que imagens que exibem tamanha monstruosidade sejam publicadas de forma tão visível.

O texto é de inteira responsabilidade do assinante

Comentários

Tags :

REDES SOCIAIS













ARTICULISTAS
Ramalho Leite
Karlos Thotta
Padre Bosco







Focando a Notícia -
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627