Nice Almeida – 2012: O ano de Chiquinho

Publicado em quinta-feira, outubro 11, 2012 ·

Ele era um homem reconhecido na cidade por sua postura como cidadão. Profissional brilhante, conquistou a grande maioria por sua forma humana como tratava seus pacientes e como os atendia de maneira completa sem fazer questão por dia ou hora.

Mas ele cometeu um erro grave: Francisco de Assis de Melo – o Dr. Chiquinho – decidiu entrar na vida política, um mundo cruel e capaz de levar um homem, mesmo de bem, ao fundo do poço, a depender de seu comportamento.

Todas as qualidades citadas acima levaram Dr. Chiquinho ao topo. Foi eleito prefeito do município de Solânea nas eleições de 2008 com 8.201 votos, ou seja, 52,88% da preferência dos eleitores. O seu adversário, à época, Kayser Rocha, ficou 892 votos atrás e conquistou apenas 47,12% do eleitorado (7.309 votos).

Pois bem! O tempo passou e tudo até que não ia muito ruim, pelo menos nos três anos de mandato. O silêncio imperava e Dr. Chiquinho conseguia se manter longe de escândalos geralmente vividos por grande parte dos políticos do Brasil e da Paraíba e com os quais os cidadãos brasileiros já não se surpreendem mais.

Até que 2012 chega e uma nuvem negra, escura, preta e pesada se forma sobre a cabeça do prefeito solanense.

O inferno astral de Dr. Chiquinho foi oficialmente iniciado no dia 28 de junho. Nesta data a Polícia Federal e o Ministério Público do Estado da Paraíba, com apoio da Controladoria-Geral da União, deflagraram a Operação Pão e Circo com objetivo de desarticular uma quadrilha que desviava recursos públicos em treze cidades paraibanas em valor superior a R$ 65 milhões de reais.

Quem estava entre os gestores acusados e detidos pela PF? Dr. Chiquinho, de Solânea. O fato foi noticiado pela imprensa inteira e gerou uma grande ‘confusão’ na cidade. Quatro dias depois do escândalo uma liminar concedida pelo Supremo Tribunal Federal o fez retornar para a cidade nos braços do povo e ser recebido com festa.

As coisas foram aparentemente se acalmando e quando o caso já estava quase caindo no esquecimento, ou não, um dos programas de maior audiência da televisão brasileira traz o fato novamente à tona. O Fantástico vem à Paraíba e produz uma ‘super-reportagem’ levando o escândalo ao conhecimento de milhões de brasileiros. Foi quando finalmente Dr. Chiquinho ficou conhecido em todo o território nacional. Pena que de forma negativa!

O tempo passou, ele voltou para prefeitura e, novamente, as coisas pareciam estar se acalmando e a nuvem negra sumindo da cabeça do gestor.

Que nada! Mais uma vez Dr. Chiquinho ia viver um fato que o colocaria na ‘boca do povo’. No último dia 4 (outubro), a menos de três meses para o fim do seu mandato, outro golpe: o juiz Osenival dos Santos Costa, da 48ª Zona Eleitoral, cassa o mandato do prefeito, acusado de compra de votos nas eleições de 2008.

A cidade novamente ficou em polvorosa!

Três dias depois da cassação e de seu afastamento imediato da prefeitura, uma liminar do Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba, o concede o direito de terminar o seu fatídico mandato. Sim, ele vai terminar o seu mandato porque eu duvido muito (é quase impossível) que o TRE julgue esse caso até dezembro.

Não pensem vocês que narrar todos esses fatos me deixa feliz. Sou solanense de nascença, de coração, de alma, de tudo. Amo demais minha cidade e a única coisa que desejo é ver os gestores que por ela passem façam bons mandatos, que eles governem para o povo e não apenas para um círculo vicioso que abrange apenas uma minoria de sanguessugas.

Fico mais triste ainda porque o Dr. Chiquinho que conheci foi aquele que descrevi lá no primeiro parágrafo. O homem íntegro, o profissional de caráter incontestável, o pai carinhoso, o chefe de família amoroso e dedicado, o cidadão preocupado com a saúde – em todos os sentidos – das pessoas as quais ele atendia.

A minha confusão, o meu questionamento é: o que aconteceu? O que mudou? Será que ele deixou de ter essas qualidades, ou será que foi o fato dele manter essas qualidades que o deixou chegar a isso? O que faltou? Será que faltou pulso firme? Faltou o murro na mesa e a frase: quem manda aqui sou eu?

Sei lá! Não sei!

O texto é de inteira responsabilidade do assinante

Comentários

Tags : , , ,

REDES SOCIAIS














INSTAGRAM @focandoanoticia


Focando a Notícia - CNPJ: 11.289.729/0001-46
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627