MEC inclui 3 faculdades particulares da PB entre as piores do país

Publicado em quarta-feira, novembro 23, 2011 ·

07-Foto-do-solista-Rucker-BezerraPelo menos três faculdades particulares da Paraíba figuram na lista das 226 escolas de ensino superior têm qualidade inadequada há quatro anos. Elas representam 12% das instituições analisadas, segundo dados divulgados na última sexta-feira (18/11) pelo governo. Todas essas instituições apresentaram IGC (Índice Geral de Cursos) 1 e 2 de 2007 a 2010.

Na avaliação, que tem como base o IGC – que considera o desempenho dos alunos num exame (Enade) e quesitos de qualidade do corpo docente – foram reprovadas pelo governo a Faculdade Campina Grande (FAC-CG), a Faculdade de Ciências Contábeis Luiz Mendes (Lumem Faculdades) e o Instituto Paraibano de Ensino Renovado (Inper).

Pesquisadores dizem que os dados mostram que as ações do do Ministério da Educação, baseadas em corte de vagas de cursos ruins, é ineficiente. O governo Dilma anunciou que vai supervisionar as 70 piores escolas. Elas podem até ser fechadas.

As demais deverão ser fiscalizadas no futuro. Haverá ainda corte de 50 mil vagas de vestibulares de cursos de saúde, administração e ciências contábeis (o país tem 1,1 milhão de vagas nessas áreas).

O levantamento mostrou que as melhores instituições do país são a FGV-RJ, Facamp (SP), FGV-SP e Unicamp. Das 226 instituições reprovadas quatro vezes, 214 são privadas e 12 municipais.

Em São Paulo estão 38 dessas instituições. Algumas aparecem entre aquelas com maior número de matrículas, como a Universidade Ibirapuera e a Unisant’Anna.

“Muitas instituições acreditam que tudo vai terminar em pizza”, afirma o consultor Carlos Monteiro.

Para o pesquisador da UFSCar João dos Reis Silva Jr., “para manter a expansão de vagas, o MEC faz vistas grossas para a qualidade; prioriza-se o aluno formado, ainda que não esteja bem formado”.

O Semesp (sindicato das escolas privadas de SP) e o consultor Romário Davel dizem que às vezes demora para o indicador captar melhoras, pois cada grupo de cursos é avaliado de três em três anos.

O MEC informou que haverá proibição de aumento de vagas e auditorias nas escolas com os piores resultados. Se não reagirem, as escolas podem ser descredenciadas.

Da Redação com Folha de São Paulo

Comentários

Tags :

REDES SOCIAIS




















Focando a Notícia -
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627