Massacre na Guatemala tem 28 pessoas decapitadas

Publicado em segunda-feira, Maio 16, 2011 ·

graveyard-for-rabinal-massacre-victims-rabinal-guatemalaAo menos 28 pessoas foram assassinadas e decapitadas em uma fazenda localizada em Petén, no norte da Guatemala, em um suposto acerto de contas entre traficantes que operam na fronteira com o México, informou neste domingo o chefe da polícia, Jaime Otzín. Segundo Otzín, o crime ocorreu em uma fazenda de San Andrés, no departamento de Petén, 500 km ao norte da capital. “Temos duas hipóteses, mas é preciso avançar nas investigações para determinar o que ocorreu”, declarou Otzín aos jornalistas.

Uma das hipóteses, diz o delegado, é de que o crime esteja relacionado com ações do tradicional cartel mexicano “Los Zetas”. A outra é que o crime esteja vinculado ao assassinato do fazendeiro Haroldo Waldemar León Lara, irmão do ex-traficante guatemalteco Juan José León, que foi morto em 2008 aparentemente pelos “Los Zetas”. Haroldo León Lara foi assassinado no sábado quando viajava com US$ 31 mil em dinheiro, aparente destinados à folha de pagamento de sua fazenda.

A Guatemala tem um dos maiores índices de homicídios da América Latina, com 18 assassinatos por dia. A maioria dos crimes é atribuída a grupos de traficantes e às temidas gangues, ou “maras”. “Entre os mortos, estão duas mulheres”, revelou um porta-voz da polícia da Guatemala, Donald González. No dia 30 de novembro de 2008, foram assassinadas 20 pessoas na aldeia Agua Clara, no departamento de Huehuetenango (noroeste do país), próximo à fronteira com o México.

No dia 7 de novembro deste mesmo ano, foram encontrados dentro de um ônibus na estrada de Zacapa (leste) os cadáveres queimados de 15 nicaraguenses e de um holandês, que haviam viajado à Guatemala para comprar mercadorias. As altas cifras de homicídios e a ineficiência do sistema judicial de um país onde 98% dos crimes ficavam sem solução, levaram a ONU a criar a Comissão Internacional Contra a Impunidade na Guatemala (CICIG), que começou a operar no final de 2007.

A CICIG colabora com a fiscalização na investigação dos crimes de alto escalão, além de tratar de detectar e erradicar os aparatos clandestinos incorporados às instituições do Estado, e já prendeu ou afastou vários funcionários públicos.

AFP

Comentários

Tags :

REDES SOCIAIS











ARTICULISTAS
Ramalho Leite
Karlos Thotta
Padre Bosco





INSTAGRAM @focandoanoticia


Focando a Notícia - CNPJ: 11.289.729/0001-46
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627