Kotscho sobre processo tucano: “até que enfim”

Publicado em quarta-feira, novembro 20, 2013 ·

colunistaEm seu blog, Ricardo Kotscho fala da expectativa de que o mensalão tucano seja levado ao plenário do STF em 2014 pelo ministro novato Luís Roberto Barroso, um caso que se arrasta há 15 anos. Em post na segunda-feira, ele fez um texto irônico sobre o diferente tratamento dado pela grande mídia nacional ao PT e ao PSDB Leia:

Até que enfim: em 2014, STF verá mensalão tucano

Título do Balaio de segunda-feira, 18/11/2013:

“Imprensa vai fazer força-tarefa para investigar tucanos”.

Título da Folha (página A10) desta terça-feira, 19/11/2013:

“Mensalão tucano fica para início de 2014”.

Para quem já tinha perdido as esperanças de que um dia este caso chegasse ao plenário do STF, trata-se de uma boa notícia, mas não tem nada a ver com o que escrevi na segunda-feira, um texto irônico sobre o diferente tratamento dado pela grande mídia nacional ao PT e ao PSDB. Tive mais sorte que o Antônio Prata: ninguém levou meu artigo a sério.

Nem teria dado tempo para a imprensa mobilizar seus esquadrões investigativos para desenterrar os processos que envolvem tucanos. Segundo o jornal, julgar o mensalão tucano ainda no primeiro semestre de 2014 “é a expectativa no gabinete do ministro Luís Roberto Barroso, atual relator do processo no STF”. Barroso, o ministro mais novo do tribunal, herdou o processo que estava com Joaquim Barbosa, hoje presidente do STF, e que nunca deu maior importância ao assunto, embora o mensalão tucano, chamado na imprensa de “mensalão mineiro” ou de “valerioduto”, fosse sete anos mais velho do que o petista.

Pode ser que agora o país fique sabendo o que aconteceu realmente com o uso de dinheiro público para a compra de apoio político na eleição para governador de Eduardo Azeredo, quando Fernando Henrique Cardoso era candidato à reeleição em 1998 _ ou seja, o caso já se arrasta há 15 anos.

Azeredo perdeu a eleição, hoje é deputado federal pelo PSDB de Minas e tem prazo até o próximo dia 22 para pedir providências do relator. O revisor é o ministro Celso de Mello. Ao final da tramitação, o revisor encaminha o processo ao presidente do STF, que definirá a data para levá-lo ao plenário.

 

 

brasil247

Comentários

Tags :

REDES SOCIAIS




















Focando a Notícia -
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627