Jovens dizem que redes sociais atrapalham namoro
Publicado em segunda-feira, janeiro 28, 2013 · Comentários 


Imagem: Mano de Carvalho
Imagem: Mano de Carvalho

As redes sociais mais atrapalham do que ajudam o relacionamento amoroso, de acordo com jovens e adolescentes ouvidos pelo Correio. Para eles, conversar ou “curtir” fotos e comentários do ex-namorado (a) ou possíveis concorrentes, bem como adicionar amigos que o companheiro não aprova são o suficiente para gerar brigas.

Uma pesquisa divulgada pela empresa McAfee no início desta semana corrobora a opinião local: para 44% dos jovens brasileiros comprometidos, as redes sociais podem prejudicar o namoro. O casal Júlia Lucena, 18 e Alberone Mendes, 28, acha que as redes sociais podem prejudicar e ajudar a relação. “Ajuda quando o objetivo é conhecer melhor a pessoa. Quando a Internet passa a ser motivo de brigas, começa a prejudicar. O segredo é não se expor”, opinou Júlia. “Antes de conhecê-la, ‘fucei’ o perfil dela no face”, disse ele.

Para o antropólogo e professor da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) Adriano de León, as redes sociais são mal utilizadas e, por isso, elas acabam se tornando vilãs num namoro. “Hoje em dia, tudo é muito exagerado. As pessoas publicam a vida inteira na Internet como se fosse um diário a céu aberto. Elas abrem a privacidade e depois se tonam vítimas dela”, afirmou.

O antropólogo afirmou que as redes sociais causam o fenômeno conhecido como “traição virtual”, uma vez fica muito mais fácil rastrear os passos de uma pessoa através das postagens, que dão informações de locais frequentados, quando e com quem. Com a imaginação aguçada, os pensamentos de traição ficam a um pequeno passo. León lembrou que as temidas fofocas sempre existiram, mas as redes sociais potencializaram a velocidade com a qual elas são transmitidas. “A Internet me permite ver uma foto ou postagem em primeira mão, mas não filtra os comentários maldosos de outras pessoas”, disse.

Por facilitarem a comunicação, muitos casais acabam vivenciando um relacionamento virtual em detrimento do contato cara a cara. “A Internet isola não só os casais, mas as pessoas de um modo geral, a ponto de permitir o desenvolvimento de síndromes antissociais, como depressão. As pessoas se sentem mais seguras diante de uma tela do computador, onde eles podem ser o que quiserem. Posso ser uma pessoa tímida na vida real, mas na Internet me mostrar um garanhão. A aventura é mais segura na Internet”, afirmou León, acrescentando que, mesmo já namorando, na Internet é mais fácil “vestir uma máscara” de cordialidade.

39% usam ‘redes’ para investigar parceiro

A pesquisa divulgada pela empresa de tecnologia de segurança McAfee e intitulada “Os adolescentes e seus namoros on-line”, foi realizada no segundo semestre de 2012 e mostrou que 44% dos jovens comprometidos acreditam que as redes sociais prejudicam o relacionamento e 23% já tiveram mensagens ou declarações privadas publicadas na Web. Além disso, 35% dos jovens em relacionamento sério acreditam que as redes sociais influenciam as expectativas dos parceiros. Destes, 16% acreditam que o uso das redes sociais gera mal-entendidos e 9% afirmam que causa ciúme. Ainda, 17% dos entrevistados se comunicam com o parceiro através da Internet, 17% já usaram a rede para terminar um namoro e 39% aproveitam as redes sociais para investigar o parceiro.

Exposição

A psicopedagoga Mônica Dias alertou que a exposição demasiada nas redes sociais é perigosa para a manutenção da relação. “Postar fotos na praia usando biquíni ou mostrando mais o corpo geralmente é motivo para brigas. Antes de fazer isso, o casal deve conversar para saber o que incomoda nas atividades online”, sugeriu.

Redes sociais ajudam ou atrapalham?

Renata Monteiro, 21 anos, estudante: “Sempre vão surgir algumas ‘curtidas’ maliciosas e conversas com segundas intenções. É impossível não se importar”

Renê Ferreira, 21 anos, estudante: “Acho que redes sociais são muito impessoais. Qualquer adesão de novos amigos (as) pode resultar em briga”

Rayane Gomes, 17 anos, estudante: “A Internet foi essencial, pois namoramos a distância por dois anos e era assim que nos falávamos. Mas às vezes ela gera mal entendidos”

Thyago Silveira, 20 anos, socorrista: “Quando ela adiciona alguém que não gosto, fico chateado. Mas as redes sociais tanto ajudam quanto atrapalham”

Eduarda Maria, 26 anos, professora: “Com o facebook, criamos um perfil pros dois. Um perfil só nos deixou mais unidos”

Rafael Pinto, 24 anos, eletricista: “Temos muitos amigos em comum e não temos segredos entre nós, por isso temos só um perfil”

Erika Rabenhorst, 26 anos, artesã: “O Facebook influencia e já brigamos muito por causa dele. Quando ele adiciona alguma amiga que não gosto, é briga”

Cristiano Sousa, 26 anos, artesão: “Não vejo mal em adicionar amigos, contanto que eles não usem de má fé ou conversem com segundas intenções”

 

 

Celina Modesto, do Jornal Correio da Paraíba

slide
slide
Prev
Next
Focando a Notícia - CNPJ: 11.289.729/0001-46

É proibida a reprodução total ou parcial deste site, sem autorização prévia.