GAROTA VÍTIMA de abuso continua sedada na UTI do HUT

Publicado em sexta-feira, Maio 29, 2015 ·

É estável o estado de saúde de duas das adolescentes que foram violentadas e jogadas do alto de um morro na cidade de Castelo do Piauí, na noite da última quarta-feira (27/05). Apenas uma delas segue na UTI em coma induzido diante de uma grave lesão craniana. A quarta adolescente, de 16 anos, já foi liberada pela equipe médica do Hospital de Urgência de Teresina e transferida para um hospital particular.

Mesmo com quadro clínico estável, a situação das adolescentes ainda gera preocupação nos médicos. Não houve piora, mas com uma das adolescentes apresentando um trauma de face extenso e outra com uma laceração no couro cabeludo – tendo sido sobmetida a uma plástica – a equipe médica segue em alerta.

Já a garota de 17 anos, que está na Unidade de Terapia Intensiva, respira com a ajuda de aparelhos. O hospital irá realizar novas tomografias para avaliar que sequelas foram provocadas pelas lesões.

GAROTOS TRANSFERIDOS PARA TERESINA
Já no final da noite de ontem, os quatro adolescentes apreendidos na cidade de Castelo, e que confessaram participação no crime contra as garotas, foram transferidos para Teresina. Eles estão bem próximo de onde as jovens seguem internadas, pois seguem reclusos em celas da Delegacia de Segurança e Proteção ao Menor (DSPM), prédio que fica ao lado do HUT.

dscf4162-8.png

Em entrevista ao programa Notícia da Manhã, na TV Cidade Verde, o delegado geral Riedel Batista, confirmou que os quatro adolescentes confirmaram participação no crime contra as garotas. No auto de apreensão constam a prática de tentativa de homicídio e estupro. “São garotos com idade entre 15 e 17 anos e todos confessaram a prática dos crimes. A justiça tem agora prazo de 45 dias para fazer o julgamento destes garotos”, disse.

Ainda encontra-se foragido Adão José da Silva, único maior de idade envolvido no caso. A polícia realiza buscas por toda região de Castelo do Piauí, municípios vizinhos e até mesmo no Ceará.

meninas4.png

COMO TUDO COMEÇOU
As adolescentes, com idade entre 15 e 17 anos, saíram de casa em duas motocicletas, com o pretexto que iriam fazer um trabalho da escola. No local conhecido como Morro do Garrote, elas se depararam com os cinco acusados, que estavam consumindo drogas. Num ato, até agora sem motivo, e de tamanha crueldade, os cinco agarraram as adolescentes e as amarraram em árvores, usando a própria roupa que as meninas usavam.

Elas lutaram para tentar escapar – tanto que resquícios de pele foram encontrados debaixo das unhas de todas – mas foi em vão. Armados com facas, os acusados feriram e violentaram as meninas. Após mais de uma hora de abusos, elas foram covardemente jogadas de uma altura de quase 5 metros, queda que poderia ser maior caso não houvesse uma pedra grande na metade do penhasco. Feridas, elas sequer conseguiam gritar e só foram encontradas pouco mais de uma hora depois.

Local de onde as adolescentes foram jogadasLocal de onde as adolescentes foram jogadas

COMO FORAM LOCALIZADAS
O delegado regional Laércio Evangelista contou que a polícia passou pelo local enquanto fazia buscas por um dos acusados neste crime. Trata-se de Adão José de Sousa. Ele é natural de Castelo do Piauí, mas chegou recentemente de São Paulo, onde morou por vários anos. Sexta-feira passada Adão envolveu-se no assalto a um posto de combustível e era procurado pela polícia.

Os agentes que faziam as buscas por Adão – ainda sem suspeitar do novo crime que ajudara a cometer – encontraram no alto do morro apenas as duas motocicletas, que foram apreendidas e levadas para a delegacia da cidade na carroceria da viatura. Por sorte, o irmão de uma das adolescentes viu as motos e avisou para sua mãe, indicando acreditar que as motos tinham sido apreendidas.

A mãe de uma das garotas, já desesperada porque não tinha notícias da filha – celular estava fora de área – então foi para a delegacia já suspeitando de que algo de errado havia acontecido. Ainda descrente no pior, quis saber se a filha tinha sido pega em uma blitz. Foi então que os policiais indicaram que a moto havia sindo encontrada abandonada no alto do Morro do Garrote. Assim, contou o pai de uma das moças, o agricultor Francisco Rufino.

meninas3.png

Os policiais então saíram em busca pelas garotas. Mas antes elas já haviam sido encontradas muito debilitadas, por populares. O estado delas ainda é grave.

PRISÃO DOS ADOLESCENTES
As características do crime levaram a polícia a um dos adolescentes, já envolido anteriormente em outros delitos na cidade. O garoto acabou confessando e entregando seus comparsas. Outro menor também confessou o crime, e deu detalhes de como tudo acontecera. Eles negaram para a polícia que conheciam as garotas e apontam como “acaso” o fato de as terem encontrado lá no alto do morro.

Suspeitos de terem cometido o crime; Quatro menores e um maior de idade. (Foto: WhatsApp)Suspeitos de terem cometido o crime; Quatro menores e um maior de idade. (Foto: WhatsApp)

REVOLTA DA POPULAÇÃO
A notícia logo correu a cidade e causou uma reação, que não poderia ser outra. Diante da delegacia, centenas de pessoas se amontoaram ainda no início da tarde de ontem. Tudo à espera da prisão, a qualquer momento, do último envolvido na ação bárbara. Ainda ontem populares procuraram a polícia e incendiaram pneus e pedaços de madeira diante da delegacia, pedindo uma ação rápida das autoridades de segurança.

unnamed-710.jpg

Nem mesmo a dentista que faz perícia e já está acostumada com cenas mais fortes, conseguiu fazer seu trabalho sem se comover. Foi o que contou o legista do IML, Antônio Nunes. Ele afirma que a dentista precisou ser amparada durante os trabalhos. Em entrevista concedida à TV Clube, ele contou que foram realizados exames para identificar abuso sexual e/ou lesões corporais gerais.

OAB ENVIA NOTA DE REPÚDIO
A Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Piauí, através da Comissão da Mulher Advogada, divulgou nota de repúdio contra os atos de violência sexual e física contra as adolescentes de Castelo do Piauí. “O crime bárbaro, além de chocar toda a população piauiense, evidencia a necessidade de punições mais rígidas contra a violência de gênero, que possui números alarmantes em nosso Estado. A conduta dos agressores merece rechaço e apuração rigorosa das autoridades policiais, a fim de coibir esse tipo de prática criminosa, que traz danos irreversíveis à integridade de suas vítimas”, diz o texto da nota.

A OAB condenou ainda todo e qualquer tipo de violência e diz que irá trabalhar para a correta punição dos envolvidos. “OAB-PI assegura à população piauiense que envidará todos os esforços no sentido de acompanhar as investigações para que os autores do crime sejam punidos na forma da lei. Além disso, designará representantes das Comissões da Mulher Advogada e Apoio à Vítima de Violência para visitar as vítimas, bem como seus familiares, dando-lhes todo o apoio necessário”.

GOVERNADOR ENVIA NOTA SOBRE O CASO
Uma nota assinada pelo governador Wellington Dias e a vice, Margarete Coelho, também lamentou o crime ocorrido em Castelo do Piauí.

O Governo do Estado do Piauí lamenta e se solidariza com as famílias e as vítimas desse trágico crime no município de Castelo do Piauí. Assim como todos os piauienses, estamos chocados e desejamos a devida punição ao responsáveis o mais rápido possível.

Assim que tomou conhecimento do crime, a Polícia Militar iniciou a perseguição aos suspeitos. Além do Grupamento da Polícia Militar de Castelo, foram deslocados para a cidade três outras equipes, além do Gerente de Policiamento do Interior, delegado Willame Moraes para dar apoio ao trabalho do delegado regional, Laércio Evangelista.

Nós da gestão estadual daremos todo o apoio necessário às famílias e colocaremos todo o emprenho da polícia na resolução do crime e prisão de todos os envolvidos.

Wellington Dias
Governador do Estado do Piauí

Margarete Coelho
Vice-governadora do Estado do Piauí

Publicado Por: Apoliana Oliveira

180graus

Comentários

Tags :

REDES SOCIAIS




















Focando a Notícia -
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627