Fundadora indiana da Gulab Gang vem ao Brasil para seminário

Publicado em quarta-feira, outubro 24, 2012 ·

 

Seu uniforme é um sari (vestimenta feminina indiana) rosa-choque. Sua arma, um “lathi”, bastão de bambu usado em artes marciais na Índia. Seu objetivo: combater a injustiça social e a violência contra a mulher, incluindo o casamento de meninas. Essa é a indiana Sampat Pal Devi, 54, fundadora do movimento de mulheres Gulab Gang (gangue rosa-choque). Ela estará no Brasil no dia 30 de outubro, em seminário no Rio.


Norte da Índia: integrantes da Gulab Gang (gangue rosa-choque) seguem sua líder, Sampat Devi / foto: Pawan Kumar/Reuters

Essa é a indiana Sampat Pal Devi, 54, fundadora da Gulab Gang (gangue rosa-choque), um movimento feminista fora dos padrões.

Devi estará no dia 30 no Rio de Janeiro para participar do seminário “Mulheres reais que transformam”, um projeto da jornalista Ana Paula Padrão e da empresária Tatianna Oliva.

Devi mora no Estado de Uttar Pradesh, norte da Índia, onde enfrentou com as próprias mãos e um bastão um homem que espancava sua mulher -prática habitual na região, uma das mais pobres do país.

Ela pediu ao sujeito que parasse de maltratar a esposa, mas não foi atendida. Reuniu então um pequeno grupo de mulheres. Juntas, elas deram uma surra no agressor.

Estava formada a gangue e sua estratégia de ação, que é pedir o fim de algo considerado abusivo ou injusto e, se a reivindicação não for ouvida, levantar seus bastões -e usá-los, se necessário.

“Não usamos os ‘lathies’ para praticar a violência. É só para mostrar nossa desaprovação e a nossa coragem. Mas, se for para salvar alguém ou nos proteger, vamos usar”, disse Devi à Folha.

A feminista da gangue rosa-choque, filha de camponês, não teve quem a socorresse quando foi dada em casamento aos 12 anos. Aos 15 nasceu seu primeiro filho e, aos 20, já era mãe de cinco crianças.

Para ajudar a criá-las, Devi começou a trabalhar no serviço público de saúde. Abandonou o emprego para batalhar por sua causa -e a das outras mulheres.

A estreia oficial da gangue, contra o marido violento, foi em 2006, com pouco mais de uma dezena de mulheres. Em 2008, o movimento tinha 500 militantes. Hoje, são cerca de 20 mil, incluindo homens.

Além de simpatizar com o movimento das mulheres, os homens estão lá porque a gangue tornou-se ativa na defesa dos direitos de toda a população contra corrupção, abuso de autoridade etc.

“Há dois tipos de injustiça: a do governo e a da sociedade. Se for do governo, a gangue vai mostrar seus bastões para quem for a maior autoridade, até conseguir uma resposta”, diz Devi.

Entre outras coisas, o grupo sequestrou um caminhão com doações de comida que estavam sendo desviadas por funcionários do governo para serem vendidas no mercado.

A participação de Devi deve causar impacto no seminário “Mulheres reais que transformam”.

“Quando você traz uma mulher que radicaliza a maneira de lutar por seus direitos como a Sampat Devi, você chacoalha o público. As pessoas precisam sair de sua zona de conforto e começar a agir”, diz a jornalista Ana Paula Padrão.

Mulheres Reais que Transformam
Quando: 30/10, das 9h às 14h
Onde: Sheraton Rio, av. Niemeyer, 121, Rio de Janeiro
Contato: tel.: 11 3038-0160
e-mail: mulheresreaisquetransformam@crossnetworking.com.br

Com Folha de S. Paulo

Comentários

Tags : , , , , ,

REDES SOCIAIS











ARTICULISTAS
Ramalho Leite
Karlos Thotta
Padre Bosco







Focando a Notícia -
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627