Família da Paraíba denuncia ter sido expulsa de restaurante em SP

Publicado em sexta-feira, maio 20, 2011 ·

restauranteUma família paraibana procurou o Ministério Público de São Paulo para formalizar denúncia contra um restaurante que teria agido com discriminação contra uma criança que tem necessidades especiais. O garoto, segundo a família, sofre de distúrbio semelhante ao autismo. O fato do menino ter gesticulada e falada alto teria motivado um dos sócios do estabelecimento a pressionar o grupo para sair.

O pai do menino é o advogado paraibano Glauber Salomão Leite, de 37 anos. Quem procurou o Ministério Público foi o irmão dele, George Salomão Leite, de 35.

Em defesa do restaurante, os donos do local negaram preconceito e disseram que não convidaram os clientes a sair, apenas pediram que o barulho fosse controlado, sem perceber que a criança tinha necessidades especiais.


Confira abaixo a reportagem completa da Folha:

Pais afirmam que restaurante expulsou criança com distúrbio

Cristina Moreno de Castro
De São Paulo

No último sábado, o casal de advogados Glauber Salomão Leite, 37, e Carolina Valença Ferraz, 37, combinou de se encontrar com parentes no restaurante Epice, nos Jardins (zona oeste de São Paulo).

Eles estavam com o filho de sete anos, que, logo que chegou, começou a pedir, em tom de voz alto, por suco e pão. Portador de um distúrbio com características do autismo, o garoto às vezes gesticula e fala alto.

Pouco tempo depois, um dos sócios do restaurante, Pedro Keese de Castro, se aproximou e pediu que controlassem a situação, pois estava preocupado com o bem-estar dos outros clientes.

Segundo Glauber, ele ficou parado em frente à mesa, até que os recém-chegados resolveram sair. “Ele ficou aguardando que a gente saísse. Nunca me aconteceu nada parecido”, diz.

“Nosso filho ficou atônito, sem perceber totalmente o que havia ocorrido, pois acabamos deixando o restaurante quase imediatamente após a nossa chegada.”

Para ele, houve discriminação, pelo fato de a criança ter necessidades especiais.

Glauber afirma que os clientes das outras duas mesas ocupadas não aparentavam ter sido incomodados com o barulho da criança, até porque tinha se passado muito pouco tempo.

O irmão de Glauber, George Salomão Leite, 35, que também estava à mesa, foi ontem ao Ministério Público Estadual para saber como formalizar uma denúncia contra o restaurante “para que isso não se repita com outras pessoas”.

Os donos do local negam preconceito e dizem que não convidaram os clientes a sair, apenas pediram que o barulho fosse controlado, sem perceber que a criança tinha necessidades especiais.

“Pensamos que era uma criança bagunceira. Os clientes começaram a olhar e a se movimentar e pensamos: isso vai dar problema”, diz a sócia Lara Ezzeddine, 26.

Segundo ela, seu sócio ficou parado ao lado da mesa esperando resposta, não aguardando que saíssem.

“Com qualquer criança a gente teria tido a mesma reação. Pedimos para manterem o controle, porque é um ambiente tranquilo. Não quero que eles pensem que somos pessoas desumanas”, afirmou a sócia.

Karoline Zilah
Com Folha de S. Paulo

Comentários

Tags :

REDES SOCIAIS











ARTICULISTAS
Ramalho Leite
Karlos Thotta
Padre Bosco





INSTAGRAM @focandoanoticia


Focando a Notícia - CNPJ: 11.289.729/0001-46
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627