Conheça as melhores posições sexuais para evitar dor nas costas

Publicado em quarta-feira, setembro 10, 2014 ·

sexoDor de cabeça, cansaço, ter que acordar cedo no dia seguinte – muitas coisas podem virar desculpa para aqueles que simplesmente não estão “no clima” para o sexo. Mas se o seu parceiro tiver dor na coluna, uma solução para o problema pode estar na pesquisa divulgada nesta quarta por cientistas da Universidade de Waterloo, no Canadá. Eles documentaram pela primeira vez como a espinha se move durante o sexo e descobriram exatamente por que certas posições são melhores que outras para evitar dor nas costas.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

– Qualquer médico de família irá dizer que vários casais perguntam como gerir a sua dor nas costas durante ou depois do sexo. Muitas pessoas permanecem celibatários porque uma noite de sexo para elas pode levar a meses de agonia na coluna – afirma o professor Stuart McGill, de Faculdade de Ciências Aplicadas de Saúde de Waterloo. – Até agora, os médicos nunca tiveram um estudo científicos para basear suas recomendações sobre o ato sexual.

O trabalho combinou sistemas de captura de movimentos infravermelho e eletromagnético (como aqueles usados ​​na criação de videogames)para acompanhar de que forma as colunas de 10 casais se moveram ao tentar cinco posições sexuais comuns. As descobertas foram usadas para determinar um conjunto de diretrizes. São recomendações de posições e técnicas para a penetração baseadas em movimentos que não provocam dor no paciente.

– Até agora, a “conchinha” era frequentemente recomendada por médicos como um posição que cabe a todos. Mas não é o caso – disse Natalie Sidorkewicz, doutoranda em Waterloo e autora principal do artigo. – Posições sexuais que são adequadas para um tipo de dor nas costas não são adequadas para um outro tipo de dor.

O estudo recomenda, por exemplo, que homens que sentem dor na coluna quando aproximam as mãos dos pés ou ficam sentados por muito tempo tentem o sexo no estilo cachorrinho. A ideia é que eles usem o movimento do quadril, e não empurrem o corpo com a espinha. Quem sente dor arqueando as costas para trás terá mais conforto transando de “conchinha” ou na posição conhecida como “papai e mamãe” (ambos deitados, com o homem sobre a mulher).

– Temos, agora, uma ciência muito sólida para orientar os médicos em suas recomendações para os pacientes que sofrem de uma debilitante dor nas costas, mas ainda quer ser íntimo – disse Sidorkewicz, que complementa que isso tem o potencial de melhorar a qualidade de vida – e vida amorosa – para muitos casais.

De acordo com a Statistics Canada, quatro em cada cinco pessoas experimentarão pelo menos um episódio de dor lombar incapacitante em sua vida. Até 84% dos homens com dor lombar e 73% das mulheres relatam uma diminuição significativa na frequência das relações sexuais quando sofrem dor nas costas.

ORGASMO MASCULINO

O estudo também traz à tona pela primeira vez a mecânica do orgasmo masculino. Eletrodos conectados a músculos dos participantes do sexo masculino revelaram que o abdômen e a nádega que são mais ativos durante o orgasmo, e não os músculos das costas. O movimento da espinha, por outro lado, varia com o indivíduo. Para alguns homens, foi observado um aumento drástico em flexão ou extensão, enquanto para outros o movimento da coluna não mudou muita coisa.

– Muitos dos pacientes com dor lombar que vemos nos disseram que eles experimentam níveis elevados de dor durante o orgasmo, até o ponto onde eles vão evitar ter um durante o sexo com seu parceiro – disse a estudiosa. – Estes resultados iniciais nos ajudam a começar a entender o que pode estar provocando sua dor durante o momento do clímax.

O trabalho documentando o movimento da coluna masculina foi publicado na revista “Spine”. Já os resultados em mulheres deverão ser publicados nos próximos meses. O próximo passo do estudo é envolver o recrutamento de pacientes com dor no quadril e categorias adicionais de dor nas costas para continuar a desenvolver as diretrizes.

O Globo

Comentários

Tags : , , , ,

REDES SOCIAIS














INSTAGRAM @focandoanoticia


Focando a Notícia - CNPJ: 11.289.729/0001-46
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627