Cardozo: cúpula tucana quer tumultuar investigação e intimidar a Polícia Federal

Publicado em quinta-feira, novembro 28, 2013 ·

FABIO RODRIGUES POZZEBOM/ABR
FABIO RODRIGUES POZZEBOM/ABR

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse nessa quinta-feira (28) que a cúpula do PSDB tenta tumultuar as investigações que envolvem vários caciques do partido com o esquema de corrupção no metrô de São Paulo e na Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

Nesta semana, o presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), o líder do partido do Senado, Aloysio Nunes Ferreira (SP), e o líder na Câmara, deputado Carlos Sampaio (SP) – os dois últimos ligados a José Serra – atacaram Cardozo pelo fato de ele ter mandado a Polícia Federal investigar a denúncia, feita por um ex-executivo da Siemens, de que lideranças tucanas paulistas receberam propina para favorecer contratos com o governo do Estado.

Entre os acusados está o próprio Aloysio Nunes e três secretários do governo Geraldo Alckmin (PSDB): Edson Aparecido (Casa Civil), Jurandir Fernandes (Transportes Metropolitanos) e Rodrigo Garcia (Desenvolvimento Econômico, este do DEM).

Nos ataques a Cardozo, os tucanos chegaram a pedir sua demissão. Ontem, ingressaram com representação contra ele na Comissão de Ética Pública do governo.

Hoje, Cardozo afirmou que a manobra dos acusados não irá intimidar o Ministério nem a PF. “Acho que há uma tentativa muito clara de evitar uma apuração imparcial e séria. Há pessoas que, por alguma razão que desconheço, estão tentando criar um tumulto, uma situação na qual quem cumpre a lei é acusado, para tirar o foco de uma investigação correta. Se alguém pensa que vai intimidar o Ministério da Justiça, a Polícia Federal e o Cade, está enganado”, argumentou.

O ministro lembrou que a entrega dos documentos à PF era um dever legal. “A PF é subordinada ao ministério e, evidentemente, eu devo cumprir a lei, que diz que as denúncias que o ministro recebe devem ser mandadas para a Polícia Federal”.

Ele disse que os fatos denunciados já estão sob investigação desde 2008 e que já hpouve punição em outros países sobre o mesmo tema. “O Brasil ainda caminha lentamente nessa investigação”, explicou.

Com Agência Brasil

Comentários

Tags :

REDES SOCIAIS




















Focando a Notícia -
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627