COMBATE AO CÂNCER

90% dos homens diagnosticados com câncer de próstata precocemente têm cura, afirma especialista

Publicado em quarta-feira, novembro 27, 2019 ·

O Instituto Nacional de Câncer (INCA) estima que 1.170 homens sejam diagnosticados com câncer de próstata na Paraíba. Desse total, 180 correspondem ao número de casos registrado na Capital paraibana. Aproveitando esta quarta-feira (27), data em que se comemora o Dia Internacional e Nacional de Combate ao Câncer e seguindo a campanha do Novembro Azul, o médico urologista do Hapvida em João Pessoa, Emerson Medeiros, afirma que 90% dos homens diagnosticados com câncer de próstata precocemente obtêm a cura e fala sobre o tratamento.

“Após diagnóstico da doença, o tratamento para o câncer de próstata pode ocorrer por meio de medicações, cirurgia ou radioterapia. Quanto mais cedo diagnosticar, mais fácil alcançar a cura. Já no caso de pacientes que detectam a doença em estado avançado, não existe mais o tratamento curativo, é preciso partir para radioterapia, quimioterapia, bloqueio hormonal e outras medicações”, explica o médico que complementa: “Uma vez operado, o acompanhamento deve ser contínuo e rotineiro”.

O especialista assegura que a necessidade de uma rotina médica junto ao urologista se dá pelo fato de o câncer de próstata ser uma doença que, na maior parte dos homens, não manifesta sintomas.

“Por não apresentar sintomas, o diagnóstico precoce para doença se dá por meio das consultas e exames de rotina, a exemplo do exame de toque, que é simples, durando em torno de 20 a 30 segundos”, esclarece.

Apesar de na maioria dos casos a doença não apresentar sintomas, Emerson Medeiros alerta para presença da dificuldade ao urinar, sangramento na urina e dor lombar que não cessa. “Esses três sintomas podem apontar para um possível diagnóstico do câncer de próstata”, pontua.

Frequência médica – Emerson Medeiros brinca: “os homens para irem ao médico precisam que haja um estímulo por parte de uma das três mulheres da vida deles: mãe, esposa ou filha”. Apesar da descontração, o especialista afirma que isso mostra como os homens ainda apresentam uma resistência cultural muito forte para procurar um médico. Segundo ele, isso é uma realidade que atinge não só o Brasil, mas diversos países, inclusive, os desenvolvidos.

“A mulher quando alcança a idade de deixar o pediatra segue com suas consultas rotineiras com uma ginecologista. O homem deixa o pediatra e não segue para nenhum especialista, quando deveria seguir acompanhando a saúde do seu corpo com as orientações de um urologista. Mas, em geral, o homem só busca uma especialidade médica quando sente alguma coisa, por achar que é invencível, infalível e nunca vai ter problema algum”, afirma o médico.

Emerson Medeiros afirma que a frequência ao médico urologista varia de acordo com a idade. Aos 40 anos para quem tem histórico familiar de câncer de próstata, necessitando nesse caso de maior atenção; e 45 anos para quem não possui o histórico da doença.

“A idade não anula a possibilidade de a doença surgir antes. Se o homem perceber qualquer diferença em seu corpo deve sempre buscar os cuidados médicos”, conclui.

Assessoria de Imprensa

 

 

Comentários

Tags : , , , ,

REDES SOCIAIS














INSTAGRAM @focandoanoticia


Focando a Notícia - CNPJ: 11.289.729/0001-46
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627